Redes Sociais

Brasil

Artistas pedem que Joe Biden rejeite acordo ambiental com Bolsonaro

Em carta, é solicitado que a Casa Branca não libere verbas antes de uma redução real do desmatamento.

Raul Holderf Nascimento

Publicado

em

Reprodução | Instagram

Em mais um novo gesto contra o governo Bolsonaro, artistas brasileiros e americanos estão articulando forças para interferir nos diálogos operados entre o governo brasileiro e a gestão de Joe Biden, ambos de acordo em buscar estratégias para combater o desmatamento na Amazônia.

Desta vez, o grupo encaminhou nesta terça-feira (20) uma carta conjunta ao líder norte-americano pedindo que ele não assine ‘nenhum’ acordo climático com o Brasil antes de uma redução significativa no desmatamento do país.

No documento, há um determinado trecho que diz:

[…] rejeite qualquer acordo com o Brasil até que o desmatamento seja verdadeiramente reduzido, os direitos humanos sejam respeitados e a participação significativa da sociedade civil seja atendida […]

A carta é assinada por músicos como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Maria Gadú, Marisa Monte, Katy Perry e Roger Waters, além dos atores Leonardo DiCaprio, entre outros.

“Desde que Bolsonaro assumiu o cargo em janeiro de 2019, a legislação ambiental foi sistematicamente enfraquecida e as taxas de desmatamento triplicaram. As terras indígenas, que são as mais protegidas da Amazônia, foram invadidas, desmatadas e queimadas impunemente. Os direitos dos povos indígenas, guardiões da floresta, foram violados por Bolsonaro e seu governo”, aponta outro trecho.

Apesar do manifesto, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro já se comprometeu em adotar políticas que eliminem o desmatamento ilegal no Brasil até 2030.

Para Douglas Santos de Holanda Junior, analista político e estudante da Universidade Federal do Amazonas, o texto em questão abre margens para que a situação ambiental e climática do país fique estagnada sob a ótica de grupo culturais, que manifestam a própria visão de mundo sem ter o conhecimento necessário das medidas que estão sendo adotadas pelo governo brasileiro para erradicar os focos de desmatamento no país.

“O Brasil já se pactuou em eliminar o desmatamento ilegal no país até 2030, não só estabelecendo uma meta específica, mas também solicitando os recursos necessários para cumprir as responsabilidades assumidas”, avalia.

Ainda segundo Douglas, “atingir a meta estipulada, entretanto, vai exigir sacrifícios de todos os lados, e uma série de recursos proeminentes que vão além de discursos firmados”.

“A classe artística tem o direito de manifestar o que bem entender. Vivemos em uma democracia e temos o direito de nos manifestar. Mas é preciso prestar atenção quando o assunto extrapola a deliberação e se torna alvo de perseguição ideológica contra o governo e todos os meios que possam ser feitos por ele para solucionar alguma questão. Resolver o desmatamento ilegal no Brasil vai muito além de discursos prontos ou bandeiras erguidas por ativistas”, acrescentou.

Eis a carta enviada nesta quarta-feira (20):

Carta dos artistas do Brasil e dos EUA ao Presidente Joseph Biden

Estados Unidos, Brasil, 20 de abril de 2021

Proteja a Amazônia

Caro presidente Biden,

Obrigado por seu compromisso de agir pelas mudanças climáticas, pela conservação das florestas e pelo respeito aos direitos e à soberania dos Povos Indígenas. Escrevemos para você hoje como artistas e músicos dos Estados Unidos e do Brasil para expressar nosso apoio e solidariedade aos Povos Indígenas e organizações da sociedade civil na Bacia Amazônica —e ao redor do mundo— que expressaram profunda preocupação com relação a possíveis acordos ambientais com o presidente brasileiro Jair Bolsonaro. Instamos sua Administração a ouvir nosso apelo e a não se comprometer com nenhum acordo com o Brasil neste momento.

Proteger a Floresta Amazônica é essencial para soluções globais para lidar com as mudanças climáticas. No entanto, a integridade deste ecossistema crítico está se aproximando de um ponto de não retorno devido às crescentes ameaças à floresta tropical e aos seus guardiões pelo governo Bolsonaro, incluindo desmatamento, incêndios e ataques aos direitos humanos.

Desde que Bolsonaro assumiu o cargo em janeiro de 2019, a legislação ambiental foi sistematicamente enfraquecida e as taxas de desmatamento triplicaram. As terras indígenas, que são as mais protegidas da Amazônia, foram invadidas, desmatadas e queimadas impunemente. Os direitos dos povos indígenas, guardiões da floresta, foram violados por Bolsonaro e seu governo.

Estamos preocupados que seu governo possa estar negociando um acordo para proteger a Amazônia com Bolsonaro neste momento. Embora estejamos aliviados que a secretária de imprensa da Casa Branca Jen Psaki tenha declarado recentemente que não haveria nenhum acordo bilateral anunciado na Cúpula dos Líderes do Clima no Dia da Terra, ainda estamos apreensivos.

Nós nos juntamos a uma coalizão crescente de mais de 300 organizações da sociedade civil brasileira e norte-americana, povos indígenas, membros do Congresso dos Estados Unidos e legisladores brasileiros para pedir a seu governo que rejeite qualquer acordo com o Brasil até que o desmatamento seja verdadeiramente reduzido, os direitos humanos sejam respeitados e a participação significativa da sociedade civil seja atendida.

Compartilhamos suas preocupações de que ações urgentes devem ser tomadas para enfrentar as ameaças à Amazônia, ao nosso clima e aos direitos humanos, mas um acordo com o Bolsonaro não é a solução.

Encorajamos você a continuar o diálogo com povos indígenas e comunidades tradicionais da Bacia Amazônica, com governos subnacionais e a sociedade civil, que têm soluções e desenvolveram propostas para sua consideração, incluindo a Plataforma Climática da Amazônia, antes de anunciar quaisquer compromissos ou liberar quaisquer fundos.

Agradecemos sua liderança em tomar as medidas necessárias e urgentes para lidar com a emergência climática que enfrentamos coletivamente.

Respeitosamente,

Mark Ruffalo
Leonardo DiCaprio
Joaquin Phoenix
Jane Fonda
Rosario Dawson
Orlando Bloom
Katy Perry
Uzo Aduba
Alyssa Milano
Alec Baldwin
Marisa Tomei
Philip Glass
Roger Waters
Frances Fisher
Misha Collins
Laurie Anderson
Sigourney Weaver
Katherine Waterston
Ed Begley Jr.
Wendie Malick
Barbara Williams

Sonia Braga
Caetano Veloso
Gilberto Gil
Alice Braga
Wagner Moura
Fernando Meirelles
Walter Salles
Marisa Monte
Maria Gadú
Andrea Beltrão
Patrícia Pillar
Débora Bloch
Marcos Palmeira
Bela Gil
Fernanda Abreu

Jornalista, professor e comentarista político. Cobre os bastidores de Brasília no Conexão Política.