Redes Sociais

Análise

EXCLUSIVO: Análise dos dados históricos dos últimos 20 anos da Amazônia

Analisamos a fundo os dados do INPE e descobrimos o que a extrema-imprensa não mostrou | por Diego Garcia

Diego Garcia

Publicado

em

EXCLUSIVO: Análise dos dados históricos dos últimos 20 anos da Amazônia 15
Imagem de 2019 | Isac Nóbrega | PR | Flickr

Analisamos a fundo os dados do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e descobrimos o que a extrema-imprensa não mostrou.

Nos últimos dias fomos bombardeados por todo o tipo de noticias sobre as queimadas na Amazônia com dados estatísticos de apenas uma fração de tempo e dezenas de imagens que foram publicadas como se fossem no ano de 2019.

Os incêndios florestais na Amazônia fazem parte do processo de recomposição da natureza, pois é um acontecimento cíclico e natural que ocorre desde sempre em todos os países do mundo, seja para preparação e limpeza do solo para o plantio, seja pela seca extrema, acidentes ou até mesmo por incêndios causados intencionalmente.

Quando se analisa esses tipos de dados é muito importante olhar a série histórica para que se entenda como foi o passado e se possa chegar a tendências, afinal as mudanças climáticas são cíclicas e tem impacto direto nas condições da vegetação e que podem dar evolução ao cenário de queimadas.

O que a narrativa da extrema-imprensa ocultou de você?

O que a mídia tem publicado e exibido são apenas “fotos”, como se fossem fragmentos de tempo dos últimos anos ou apenas a comparação com o ano anterior. Para se ter uma visão completa destes cenários sazonais é preciso ver o “filme”, ou seja, um intervalo de tempo maior.

Agora, vamos imergir em uma analise de dados históricos, o objetivo é que você chegue ao final deste artigo muito bem informado.

Por onde começar?

Antes de começarmos, é importante saber como o Brasil está dividido e é monitorado pelo INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais):

Os biomas brasileiros são regiões que compreendem grandes ecossistemas constituídos por uma comunidade biológica com características semelhantes. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil possui seis biomas:

  • Cerrado
  • Amazônia
  • Caatinga
  • Mata Atlântica
  • Pantanal
  • Pampa

EXCLUSIVO: Análise dos dados históricos dos últimos 20 anos da Amazônia 16

Qual a principal correlação que deve ser feita?

Uma boa análise a se fazer é comparar os índices de precipitações do  INMET (Instituto Nacional de Meteorologia) das regiões afetadas e compará-las ao mesmo período em relação aos satélites de monitoramento de focos de incêndio da NASA. Neste exemplo abaixo analisamos os últimos 5 anos e é muito interessante ver o reflexo que baixos índices de chuva causam potencializando focos de incêndios florestais.

Esse é um dos principais motivos para o aumento dos focos ativos no mês de agosto de 2019.

EXCLUSIVO: Análise dos dados históricos dos últimos 20 anos da Amazônia 17

A Amazônia sempre esteve em chamas

Não somente a Amazônia mas como todos os biomas brasileiros e o mundo todo passam por incêndios florestais o ano inteiro, isso varia de intensidade de acordo com a localização no planeta.

Importante: Iremos concentrar nossas análises a nível Brasil e no bioma Amazônia, que é o mais impactado e comentado.

Sempre analisaremos em 2 níveis, macro e micro.

Em cima dos dados do INPE fizemos um isolamento comparando de 01/01 a 25/08 de 2019 com todos os outros anos, para que se possa ter uma analise da tendência de 2019 e para o mês de agosto que é o período em que há a maior constatação de focos e está sendo amplamente divulgado pela mídia.

Analise do ano de 2019 – Brasil / Amazônia: A tendência até o momento é de alta devido as fortes secas na região, tanto a nível Brasil como a nível Amazônia.

EXCLUSIVO: Análise dos dados históricos dos últimos 20 anos da Amazônia 18

Analise histórica mensal – Brasil: O gráfico a seguir mostra os picos de focos ativos referentes ao período de agosto dos últimos 20 anos, note que para o ano de 2019 o valor tem a maior alta dos últimos 9 anos. Para o período histórico os valores estão acima da média e bem abaixo do pico máximo.

Analise Histórica Mensal - Brasil

Analise histórica mensal – Amazônia: Tal qual a analise a nível Brasil, a tendência para o mês de agosto para o bioma Amazônia continua sendo mais alta que os últimos 9 anos, acima da média histórica e distante do pico máximo.

Analise Histórica Mensal - Amazônia

Analise histórica anual – Brasil: O gráfico a seguir mostra os picos de focos ativos dos últimos 20 anos, para o ano de 2019 o valor tem a maior alta dos últimos 9 anos. Uma matéria do G1 fez a analise em cima dos últimos 7 anos, porém não exibiu o período histórico completo para se ter uma comparação.

Embora esteja 79% acima do ano anterior os focos estão um pouco acima da média e bem abaixo do pico máximo dos últimos 20 anos, porém isso já denota um estado de alerta para que não piore.

Conforme nossa analise de precipitações no inicio deste artigo, agosto de 2019 é o mês mais seco dos últimos 4 anos se comparado com os períodos anteriores.

Analise Histórica Anual - Brasil

Analise histórica anual – Amazônia: O gráfico a seguir é um pouco mais preocupante, pois embora dentro da média os focos de queimada anual em comparação ao ano anterior atingiu 130% de aumento, também impacto das fortes secas para o período.

O presidente Jair Bolsonaro assinou em 23/08 um decreto autorizando o emprego das Forças Armadas para realizar a Garantia da Lei e da Ordem (GLO) na Amazônia.

EXCLUSIVO: Análise dos dados históricos dos últimos 20 anos da Amazônia 19

Agosto não foi o pior mês histórico de focos ativos de incêndios florestais

Analise histórica de agosto – Brasil: Ao contrário do que todos os grandes sites e portais publicaram, se analisarmos o histórico de todos os meses de agosto dos últimos 20 anos, agosto de 2019 está um pouco acima da média, porém não é o pior resultado em relação a focos ativos do ano de 2019.

EXCLUSIVO: Análise dos dados históricos dos últimos 20 anos da Amazônia 20

Analise histórica de agosto – Amazônia: Para Amazônia, o mês de agosto acompanha a tendência a nível Brasil.EXCLUSIVO: Análise dos dados históricos dos últimos 20 anos da Amazônia 21

Analise histórica março – Brasil: Segundo os dados do INPE, o mês de março de 2019 é o único mês que extrapolou a média e se tornou o pico máximo de focos ativos nos últimos 20 anos, porém essa informação não foi noticiada na época.

EXCLUSIVO: Análise dos dados históricos dos últimos 20 anos da Amazônia 22

Analise histórica março – Amazônia: A tendência acompanha o nível Brasil e é um dos maiores picos históricos dos últimos 20 anos, que também foi pouco alertado na época pela mídia e pelos órgãos responsáveis da forma como está sendo hoje.

EXCLUSIVO: Análise dos dados históricos dos últimos 20 anos da Amazônia 23

Analise histórica março – Amazônia: Como achamos o número de março muito alto mesmo estando em estação de chuvas, fomos fazer uma investigação a nível de bioma e estado.

O resultado foi o que esperávamos, corroborando com a afirmativa de correlação entre as chuvas e focos de incêndio. Em março de 2019 houve um período de estiagem durante praticamente o mês inteiro, causando o aumento expressivo nos focos de incêndio no estado de Roraima.

EXCLUSIVO: Análise dos dados históricos dos últimos 20 anos da Amazônia 24

 

Quem foram os ministros do Meio Ambiente nos últimos 20 anos?

  • José Sarney Filho de 01/01/1999 a 05/03/2002
  • José Carlos Carvalho de 05/03/2002 a 01/01/2003
  • Marina Silva de 01/01/2003 a 15/05/2008
  • Carlos Minc de 27/05/2008 a 31/03/2010
  • Izabella Teixeira de 01/04/2010 a 12/05/2016
  • José Sarney Filho de 12/05/2016 a 06/04/2018
  • Edson Duarte (interino) de 06/04/2018 a 31/12/2018
  • Ricardo Salles de 01/01/2019 até o período atual

Nota: Os ministros não foram incluídos nos gráficos devido aos mandatos terem períodos distintos entre os meses.

 

Conclusão da análise baseada em fatos em cima do gráfico principal.

  • A conclusão que se chega baseada em fatos e dados é de que os níveis de focos ativos de 2019 estão altos se comparado a 2018.
  • Os focos ativos de 2019 estão acima da média da série histórica dos últimos 20 anos.
  • O grande responsável pelo cenário elevado de focos de queimada são os níveis baixos de precipitações nas regiões em agosto de 2019.
  • Os focos ativos dos últimos anos estão muito abaixo dos índices recorde que ocorreram entre 2002 e 2010.
  • O mês de agosto de 2019 está acima da média histórica dos últimos 20 anos para o mês, mas longe do pico máximo entre 2002 e 2010.
  • O mês de março de 2019 é o maior pico histórico dos últimos 20 anos, não noticiado pelos órgãos competentes e pela mídia na mesma escala de agora.

Analise Histórica Anual - Brasil

Nota Técnica

  • Este estudo recebeu suporte do INPE para a extração de dados nos sites oficiais:
    • Programa Queimadas: http://queimadas.dgi.inpe.br/queimadas/portal-static/estatisticas_paises/
    • Banco de Dados de Queimadas: http://queimadas.dgi.inpe.br/queimadas/bdqueimadas/
Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Product Owner e Data Scientist aficionado em estatística, filosofia, ciências políticas e humanas. Trabalho com fatos e dados, o resto é folclore.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites