Redes Sociais

Mundo

Alemanha e França vão propor sanções contra responsáveis pelo envenenamento de Aleksei Navalny

Thaís Garcia

Publicado

em

AP

A Alemanha e a França disseram que pedirão sanções da União Europeia contra indivíduos considerados responsáveis ​​pelo envenenamento de Aleksei Navalny, depois que um órgão químico global confirmou que um agente nervoso proibido foi usado contra o líder da oposição russa.

Navalny está se recuperando na Alemanha, depois de ter sido envenenado em agosto com um agente químico proibido do grupo Novichok. A Rússia negou qualquer envolvimento e resistiu à pressão internacional para iniciar uma investigação criminal.

“Nenhuma explicação confiável foi fornecida pela Rússia até agora. Nesse contexto, consideramos que não há outra explicação plausível para o envenenamento de Navalny do que o envolvimento e a responsabilidade da Rússia”, disseram os ministros das Relações Exteriores da Alemanha e da França em uma declaração conjunta em 7 de outubro.

Heiko Maas e Jean-Yves Le Drian acrescentaram que em breve compartilharão propostas de metas de sanções com seus parceiros europeus.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, descreveu a declaração como “inaceitável em conteúdo e tom” e acusou a Alemanha e a França de “ameaças e tentativas de chantagem”.

O anúncio de Berlim e Paris veio um dia após a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPCW), com sede em Haia, ter confirmado que “os biomarcadores do inibidor da colinesterase encontrados nas amostras de sangue e urina do Sr. Navalny têm características estruturais semelhantes”, produtos químicos pertencentes ao grupo Novichok.

As descobertas confirmaram os resultados divulgados pela Alemanha e corroborados por laboratórios na França e na Suécia, que geraram condenação internacional e pedidos de sanções contra Moscou pelo caso.

Maas e Le Drian disseram que as propostas de sanção teriam “como alvo indivíduos considerados responsáveis ​​por este crime e violação das normas internacionais, com base em sua função oficial, bem como uma entidade envolvida no programa Novichok”.

A Reuters citou dois diplomatas dizendo que oficiais da inteligência militar russa do GRU estariam entre os indivíduos visados.

O ministro das Relações Exteriores britânico, Dominic Raab, disse que seu país está “lado a lado” com a Alemanha e a França e trabalhará para garantir sanções contra “autoridades russas e outros que são considerados responsáveis ​​por este crime, bem como aqueles envolvidos no desenvolvimento do programa de armas químicas Novichok”.

No início do dia, Maas disse ao parlamento que sem uma explicação da Rússia sobre o envenenamento, “sanções direcionadas e proporcionais contra os responsáveis ​​são inevitáveis”.

“Seria possível punir muito rapidamente indivíduos que, por exemplo, são conhecidos por estarem envolvidos no desenvolvimento de agentes de guerra química – e essa é uma discussão que teremos na União Europeia nos próximos dias”, disse o ministro alemão .

Enquanto isso, Navalny sugeriu que a UE fosse mais dura com os indivíduos próximos ao Kremlin, dizendo que as sanções contra a Rússia como um todo não funcionam.

“O mais importante é impor proibições de entrada contra aqueles que lucram com o regime e congelar seus ativos”, disse Navalny em uma entrevista ao jornal alemão Bild, acrescentando que isso inclui “oligarcas e altos funcionários” – o círculo interno do presidente russo, Vladimir Putin.

“Eles desviam dinheiro, roubam bilhões e, no fim de semana, voam para Berlim ou Londres, compram apartamentos caros e sentam-se em bares”, disse Navalny na entrevista.

Ele disse que a proibição deve se estender a russos de destaque, como Valery Gergiev, regente-chefe da Filarmônica de Munique, que apoiou Putin na última eleição.

“Se ele ama tanto o regime e quer que a Rússia não siga o caminho europeu, então vocês têm que dizer a ele: você é um músico muito talentoso, mas não permitiremos mais que você entre na UE”, disse ele. “Você pode desfrutar do regime de Putin na Rússia.”

Navalny também destacou o ex-chanceler alemão, Gerhard Schroeder, um lobista de empresas russas de energia, dizendo que era “muito decepcionante” ouvir que Schroeder disse que “não havia fatos” sobre seu envenenamento e que tudo até agora tinha sido “especulação”.

“Ele é o ex-chanceler do país mais poderoso da Europa. Agora Schroeder é o menino de recados de Putin que protege assassinos”, disse Navalny.

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites