Redes Sociais

Últimas

A hipocrisia do MBL

Carlos Júnior

Publicado

em

A hipocrisia do MBL
Divulgação | João Doria

O MBL já mostrou sua verdadeira face há tempos. Movimento surgido no seio das manifestações pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, ele por um breve momento encarnou ideais direitistas sufocados na Nova República e ousou levá-los à política. Essa aspiração foi jogada no lixo pelo próprio MBL com a incorporação do mesmo ao establishment de Brasília, ao depositar na classe política corrupta os anseios mais urgentes de um novo tempo no país.

Durante a eleição de 2018, o MBL aparentou neutralidade no começo, mas depois resolveu apoiar Jair Bolsonaro no segundo turno – um apoio tão xucro comparável ao de Ciro a Haddad. O movimento sempre deixou implícito o apreço zero pelo conservadorismo político, moral e cultural; o liberalismo de Taubaté sempre foi a bandeira única. Não é surpresa que a postura adotada frente a Bolsonaro tenha sido de inicial indiferença para logo depois passar ao assassinato de reputação –coisa que o MBL tanto acusa os apoiadores do presidente.

Agora, seus membros fazem constantemente alusão a um ‘’acordão’’ entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente do STF, Dias Toffoli. Esse pacto teria como finalidade livrar o filho e senador Flávio Bolsonaro de uma investigação por suposta prática de ‘’rachadinha’’. A coisa é patética e diversas vezes durante o mandato de Bolsonaro o Supremo comandado por Toffoli tomou diversas decisões esdrúxulas que prejudicaram o próprio governo. Mas o MBL insiste na narrativa e busca colocar o eleitorado direitista contra o presidente. Isso tudo não passa de pura hipocrisia. Os fatos ocorridos durante o ano passado mostram a verdadeira face do MBL.

Aos mais esquecidos, é necessário lembrar alguns detalhes importantes. O presidente Bolsonaro tentou governar apegado aos princípios consagrados nas urnas pelos seus eleitores. Apresentou propostas ao Congresso e não montou base aliada, não comprou consciências políticas como outros governos fizeram. A consequência lógica foi a antipatia a Bolsonaro vinda do establishment. Rodrigo Maia, o presidente da Câmara, tratou de arrumar confusão com o presidente. Exemplo seguido por seus partidários no Congresso. As reformas e o pacote anticrime ficaram seriamente ameaçados, uma vez dependente da boa vontade de um parlamento hostil. Com esse quadro, a base eleitoral do governo foi às ruas e pressionar o Legislativo para o fim das tensões com o Executivo – como também a aprovação do pacote anticrime e o apoio à Lava Jato.

O que fez o MBL? Ficou ao lado do establishment e tratou de demonizar os protestos. Corroborou com a narrativa da esquerda, do Centrão e da grande mídia de que as manifestações do dia 26 de maio de 2018 eram protagonizadas por militantes desejosos de fechar o STF e invadir o Congresso. O sr. Renan Santos falou que o movimento “nunca se aliará a grupos que não respeitam o Estado Democrático de Direito”. Em uma inversão brutal do estado de coisas, cidadãos a exercer o seu direito de manifestação contra a corrupção do status quo não passam de golpistas; movimentos que protegem a corrupção do estamento burocrático são grandes defensores do Estado Democrático de Direito e das instituições. Essa é a lógica do MBL.

Kim Kataguiri (DEM-SP) falou sobre o dito evento: “Movimento liberal não compactua nem com fechamento de Congresso, nem com fechamento de STF. Você pode e deve criticar atitudes de membros dessas instituições, mas nunca as demonizar. Presidente que se diz conservador não pode atropelar instituição democrática”. Ou seja, as instituições estão acima do bem e do mal quando os apoiadores do presidente criticam sua atuação. Patético.

Depois disso, Bolsonaro passou a estabelecer maior diálogo com Maia, o parlamento e com o STF – em um movimento a intrigar a maior parte dos seus eleitores. Aí o MBL começou a bater na tecla do acordão. Jair Bolsonaro virou de uma hora para outra o grande inimigo da Lava Jato e do combate à corrupção, tudo isso para blindar o filho Flávio Bolsonaro de uma investigação. Sem nenhuma prova que confirme a mera especulação fofoqueira, o mesmo Kim Kataguiri começou a criticar Bolsonaro nos termos da nova narrativa contra o governo.

Primeiro: Kim não tem a menor moral para posar de paladino da ética e criticar o presidente. Como moleque de recado de Rodrigo Maia, calar a boca seria a coisa mais coerente a fazer. Segundo que o próprio Dias Toffoli – grande parceiro do acordão – tomou decisões adversas ao próprio governo. Terceiro: se o MBL quisesse assumir algum compromisso contra corrupção, não teria ido em grande parte para o DEM, partido historicamente ligado com o estamento burocrático corrupto.

Se tem alguém que não tem condições morais de apontar o dedo para ninguém, esse ‘’alguém’’ é o MBL. Limpar a bunda primeiro para depois falar dos outros seria a coisa mais correta a fazer. Mas como moleques de recado do DEM e de todo o Centrão, a moral que esse movimento xucro tem é zero.

Referências:

  1. https://www.bbc.com/portuguese/brasil-48360322
  2. https://www.gazetadopovo.com.br/republica/kataguiri-impeachment-ministro-stf-mbl/
  3. https://oglobo.globo.com/brasil/mbl-diz-que-apoiadores-de-bolsonaro-na-paulista-sao-iguais-aos-que-defendiam-lula-na-pf-de-curitiba-1-24083680
Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Jornalista. Escreve sobre politica brasileira e americana, com análises não vistas na grande mídia.

alan correa criação de sites