Redes Sociais

Aborto

434 grupos de direitos humanos de 16 países condenam a ONU por promover a matança de bebês através do aborto

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: Reprodução

Centenas de grupos de direitos humanos na América Central e do Sul criticaram as Nações Unidas nesta semana por defenderem o assassinato de bebês, ainda não-nascidos, através de abortos durante a crise do coronavírus chinês.

Suas preocupações são semelhantes às levantadas pelo Governo Trump sobre as propostas de “ajuda” da ONU contra o coronavírus chinês e os direitos humanos para os nascituros (fetos).

De acordo com o Catholic Sentinel, 434 organizações de direitos humanos em 16 países publicaram o “Manifesto Internacional pelo Direito à Vida” em resposta ao Plano de Resposta Humanitária da ONU COVID-19.

Eles entregaram o manifesto às secretarias do ministério das Relações Exteriores na Costa Rica, Argentina, Peru e Equador, em meio a crescentes preocupações sobre a ONU “empurrar” o aborto para países pró-vida.

O documento insta a ONU a “focar em políticas públicas baseadas na dignidade humana” e parar com “qualquer tentativa de interferir ou atacar a soberania de nossos países, em particular provenientes da ONU e de suas principais agências”.

O manifesto também acusa a ONU de exigir que o Equador apoie o “aborto legal e seguro” como condição para os fundos de ajuda ao coronavírus chinês.

O manifesto diz:

“O plano alega ser ‘ajuda humanitária’, mas ‘inclui uma alocação de US $ 3 milhões para treinar profissionais de saúde no chamado ‘aborto seguro e legal’, violando as leis da Constituição e do Equador.”

O manifesto também rejeita a “Declaração Conjunta sobre Proteção de Direitos e Saúde Sexual e Reprodutiva e Promoção da Responsabilidade do Sexo na Crise COVID-19”, assinada por representantes de 59 países – incluindo Argentina, Bolívia, Costa Rica, Equador e Peru – e que promove acesso ao aborto.

Luis Losada, diretor da filial latino-americana da organização pró-vida CitizenGO, disse à CNA que a ONU está violando seu próprio compromisso de respeitar a soberania das nações.

ASSINE A PETIÇÃO (em Inglês) neste link: Pare o infanticídio! Pare os abortos até o nascimento!

“Isso viola a Constituição do Equador, que protege o direito à vida desde o momento da concepção”, afirmou. “E viola o debate parlamentar [no Equador] que ocorreu no ano passado sobre a proposta de descriminalizar o aborto, que felizmente não teve sucesso”.

Na semana passada, um grupo de funcionários das Nações Unidas ignorou os pedidos do Governo Trump para parar de “empurrar” o aborto, quando criticou vários estados americanos por tentar proteger bebês por nascer durante o surto de coronavírus chinês. O Grupo de Trabalho das Nações Unidas sobre Discriminação afirmou que os abortos são “cuidados essenciais de saúde” e os esforços pró-vida “colocam as mulheres em risco”.

No entanto, grupos médicos que representam mais de 30.000 médicos nos EUA enfatizaram que o aborto não é “essencial” ou “urgente”, e as clínicas de aborto que continuam a operar durante a pandemia estão sendo “clinicamente irresponsáveis”. As complicações comuns do aborto incluem infecções, coágulos sanguíneos, hemorragias e um aborto incompleto. Os riscos de aborto incluem nascimentos prematuros futuros, câncer de mama, suicídio, ansiedade/depressão e morte. E não é verdade que o aborto seja mais seguro que o parto.

Nesta semana, o Governo Trump continuou a defender os direitos dos bebês ainda não nascidos e dos países a favor da vida, quando rejeitou um plano de ajuda das Nações Unidas que promove abortos.

Os líderes do governo republicano dos EUA também criticaram a ONU e a Organização Mundial da Saúde (OMS) por considerarem o assassinato de bebês ainda não-nascidos através de abortos “serviços essenciais” durante uma crise global de saúde e instaram as organizações a remover as referências a “serviços de saúde sexual e reprodutiva” que inclui abortos, de planos de resposta ao coronavírus chinês.

Os Estados Unidos dão enormes quantias de dinheiro às Nações Unidas. No entanto, Trump e seu governo têm pressionado agressivamente a agenda pró-aborto da ONU, insistindo que os países apoiem mulheres e crianças, nascidas e não-nascidas.

Desde 2017, Trump parou de financiar, com dinheiro público, o Fundo de População das Nações Unidas, por sua promoção do aborto.

Com informações, Life News.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »
alan correa criação de sites