Redes Sociais

Brasil

Você sabe o que fazer para se prevenir do novo coronavírus?

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: Reprodução

Em 11 de fevereiro de 2020, a Organização Mundial de Saúde anunciou o nome oficial para a doença que está causando o atual surto do coronavírus, COVID-19. Mas você sabe o que fazer para se prevenir do COVID-19?

Transmissão

Segundo o Ministério da Saúde, as investigações sobre as formas de transmissão do novo coronavírus ainda estão em andamento, mas a disseminação de pessoa para pessoa, ou seja, a contaminação por gotículas respiratórias ou contato, está ocorrendo. Qualquer pessoa que tenha contato próximo (cerca de 1m) com alguém com sintomas respiratórios está em risco de ser exposta à infecção.

É importante observar que a disseminação de pessoa para pessoa pode ocorrer de forma continuada.

Apesar disso, a transmissão dos coronavírus costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como: gotículas de saliva; espirro; tosse; catarro; contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão; contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Prevenção

Atualmente, não há vacina para prevenir a doença do coronavírus (COVID-19). A melhor maneira de se prevenir é evitar ser exposto ao vírus. E algumas ações preventivas diárias podem evitar a contaminação e propagação da doença:

  • Evite contato próximo com pessoas doentes.
  • Evite tocar seus olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Fique em casa quando estiver doente.
  • Cubra sua tosse ou espirre em um lenço de papel e jogue-o no lixo.
  • Limpe e desinfete os objetos e superfícies tocados com frequência usando um spray ou pano de limpeza doméstico comum. Limpe e desinfete também tablets e smartphones.
  • Não é recomendado para pessoas saudáveis usarem máscara facial para se protegerem de doenças respiratórias, incluindo o COVID-19.
  • As máscaras faciais devem ser usadas por pessoas que apresentam sintomas do COVID-19 para ajudar a impedir a propagação da doença a outras pessoas. O uso de máscaras faciais também é crucial para os profissionais de saúde e as pessoas que cuidam de alguém em locais próximos (em casa ou em um estabelecimento de saúde).
  • Lave as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, principalmente depois de ir ao banheiro; antes de comer; e depois de assoar o nariz, tossir ou espirrar.
  • Se água e sabão não estiverem prontamente disponíveis, use um desinfetante para as mãos à base de álcool com pelo menos 70% de álcool. Sempre lave as mãos com água e sabão se as mãos estiverem visivelmente sujas.

Esses são hábitos cotidianos que podem ajudar a impedir a propagação do vírus.

Para os viajantes há mais orientações específicas.

Aos viajantes que se encontram no exterior, é orientado seguir as recomendações das autoridades de saúde locais e as seguintes medidas de prevenção e controle para infecção humana pelo novo Coronavírus (SARS-CoV-2):

  • Evitar contato com pessoas com sintomas respiratórios.
  • Evitar contato com animais (vivos ou mortos).
  • Evitar o consumo de produtos de origem animal cru ou mal cozido.
  • Evitar a visitação em locais com registros de transmissão de casos suspeitos ou confirmados para a infecção humana pelo novo Coronavírus (SARS-CoV-2).
  • Caso necessite de atendimento no serviço de saúde, informar detalhadamente o histórico de viagem e sintomas.
  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos, especialmente antes de ingerir alimentos, após utilizar transportes públicos, visitar locais com grande fluxo de pessoas como mercados, shopping, cinemas, teatros, aeroportos e rodoviárias. Se não tiver acesso à água e sabão, use álcool em gel a 70%.
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos e outros utensílios.
  • Evitar tocar mucosas dos olhos, nariz e boca sem que as mãos não estejam higienizadas.
  • Proteger a boca e nariz com um lenço de papel (descarte logo após o uso) ou com o braço (e não as mãos) ao tossir ou espirrar.

O Ministério da Saúde orienta que viagens para a China devem ser realizadas apenas em casos de extrema necessidade. Essa recomendação vale até que o quadro todo esteja bem definido.

Sintomas

Os sinais e sintomas do coronavírus são principalmente respiratórios, semelhantes a um resfriado. Podem, também, causar infecção do trato respiratório inferior, como as pneumonias. No entanto, o novo coronavírus (SARS-CoV-2) ainda precisa de mais estudos e investigações para caracterizar melhor os sinais e sintomas da doença.

Os principais sintomas conhecidos até o momento são: Febre, tosse e dificuldade para respirar.

Tratamento

Não há tratamento antiviral específico recomendado para o COVID-19. Pessoas com COVID-19 devem receber cuidados de suporte para ajudar a aliviar os sintomas (uso de umidificador no quarto, banho quente para auxiliar no alívio da dor de garanta e tosse, antitérmicos e analgésicos), repousar e consumir bastante água. Para casos graves, o tratamento deve incluir cuidados para apoiar as funções vitais dos órgãos.

As pessoas que acham que podem ter sido expostas ao COVID-19 devem procurar ajuda médica imediata para confirmar diagnóstico e iniciar o tratamento.

Se você viajou para a China nos últimos 14 dias e ficou doente com febre, tosse ou dificuldade de respirar, deve procurar atendimento médico imediatamente e informar detalhadamente o histórico de viagem recente e seus sintomas.

Diagnóstico

O diagnóstico do novo coronavírus é feito com a coleta de materiais respiratórios (aspiração de vias aéreas ou indução de escarro). É necessária a coleta de duas amostras na suspeita do coronavírus, que serão encaminhadas com urgência para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen). Uma das amostras será enviada ao Centro Nacional de Influenza (NIC) e outra amostra será enviada para análise de metagenômica.

Para confirmar a doença é necessário realizar exames de biologia molecular que detecte o RNA viral.

Os casos graves serão encaminhados a um Hospital de Referência para isolamento e tratamento. Os casos leves devem ser acompanhados pela Atenção Primária em Saúde (APS) e instituídas medidas de precaução domiciliar.

O Ministério da Saúde publicou uma lista por estado dos hospitais referências para o coronavírus (SARS-CoV-2). Esses locais foram escolhidos como medida preventiva pelos gestores locais por terem ampla capacidade de atendimento com profissionais especializados para situações de risco à saúde pública.

Veja lista de hospitais que são referência no Brasil para atendimento de eventuais casos graves do novo coronavírus. Navegue no mapa interativo criado pelo Ministério da Saúde e confira o hospital de referência mais próximo da sua casa neste link.

https://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/46257-mapa-hospitais-referencia-novo-coronavirus

 

Fontes:
Ministério da Saúde (MS)
Centers for Disease Control and Prevention (CDC) 
Organização Mundial da Saúde (OMS)

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »
alan correa criação de sites