Redes Sociais

Mundo

Alerta! Período de incubação do novo coronavírus pode durar até 27 dias antes de mostrar sintomas

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: Reprodução

O período de incubação do novo coronavírus SARS-CoV-2, que causa a doença Covid-19, pode durar até 27 dias, de acordo com a Reuters, com base em declarações das autoridades de saúde em Hubei.

Em um caso clinicamente observado envolvendo um homem de 70 anos na província de Hubei, na China, infectado com o coronavírus, o indivíduo não apresentou sintomas até 27 dias depois, disse o governo local da China no sábado (22 de fevereiro).

Isso significa que o período de incubação do coronavírus pode ser muito maior do que os 14 dias presumidos.

Um período de incubação muito mais longo pode complicar os esforços para conter a disseminação da epidemia de coronavírus que até agora matou mais de 2.770 pessoas e se espalhou para fora da China.

O paciente, identificado apenas pelo nome de sua família, Jiang, em 24 de janeiro, dirigiu seu carro de volta a Shennongjia, no noroeste de Hubei, leste de Ezhou, onde teve contato próximo com sua irmã, infectada pelo coronavírus, segundo as autoridades de saúde do governo em Hubei, o epicentro do vírus.

Como ele entrou em contato com a irmã infectada, as autoridades de saúde o submeteram a dois testes de ácido nucleico, nos quais ele testou positivo para o coronavírus. Mas ele parecia bem e não manifestou nenhum sintoma até 20 de fevereiro, quando desenvolveu febre e começou a exibir o restante dos sintomas, de acordo com a declaração do governo.

Sintomas após 30 dias

As autoridades de saúde da China no distrito de Liwan, em Guangzhou, estão relatando situações clinicamente observadas em que uma família de 6 pessoas em quarentena – que foi isolada por 30 dias sem nenhum contato externo e foi inicialmente testada negativa no início de sua quarentena – começou a desenvolver sintomas após 30 dias e só então deram positivo para o coronavírus.

Esse caso aumentaria a evidência que desafia o entendimento médico atual do período de incubação da doença ou o tempo que leva para que um patógeno em crescimento atinja a quantidade necessária para produzir sintomas no hospedeiro.

Um estudo anterior com mais de 1.099 pacientes com coronavírus por cientistas chineses, publicado no início de fevereiro como uma pré-impressão, em um artigo que não foi revisado por colegas, já defendeu que o período de incubação pode ser de até 24 dias, em vez de um máximo de 14 dias que se acreditava anteriormente.

Após 34 dias

Em outra anomalia em Xinyang, cidade da província de Henan, na China Central, os departamentos de Saúde anunciaram em 16 de fevereiro que as autoridades locais haviam diagnosticado um caso “altamente incomum”, em que um paciente apresentou resultado positivo em uma terceira triagem, cerca de 34 dias após deixar Wuhan.

 Após 31 dias

Outro caso documentado envolveu uma pessoa em Zhongshan, Guangdong, que passou por uma quarentena de rotina de duas semanas depois de chegar de Hubei em 26 de janeiro, com resultado positivo quase 31 dias depois.

Natureza única do vírus

O epidemiologista chinês Dr. Zhong Nanshan, que descobriu o coronavírus da SARS em 2003 e co-autor do estudo de 1.099 pessoas, em uma entrevista coletiva em 18 de fevereiro, disse que não considerava estranhos os períodos mais longos de incubação, explicando que sempre há exceções.

Dos pacientes do Covid-19 estudados, 13 tiveram períodos de incubação por mais de 14 dias, embora a maioria tenha desenvolvido sinais de doença dentro de dois a sete dias após a contração do vírus, disse Zhong.

No entanto, agora parece que o número de casos é realmente maior do que se pensava inicialmente.

Os especialistas médicos estão dizendo agora que, à medida que o tempo se prolonga desde a descoberta do coronavírus, mais e mais estudos clinicamente observados mostram que o período de incubação dessa doença pode até ser ilimitado, indicando uma natureza única desse novo coronavírus.

Também mostra que todos os esforços em termos de quarentena e isolamento para conter a disseminação do coronavírus podem ser simplesmente ineficazes.

Já existem muitas incidências de indivíduos colocados sob as regras de quarentena de 14 dias que estão com resultados positivos após serem liberados, apesar dos testes iniciais mostrarem que eram negativos.

Diagnósticos atuais duvidosos

Para tornar as coisas ainda mais complicadas, muitos médicos agora estão questionando os diagnósticos atuais dos testes de ácido nucleico da PCR, uma vez que esses testes não são quantitativos, e também não sabemos qual limiar da carga viral de coronavírus no corpo humano pode não ser detectada por esses testes, assim como no diagnóstico de HIV em que cargas virais mínimas não podem ser detectadas pelos testes atuais. Um teste mais eficaz envolvendo cargas virais pode ser urgentemente necessário.

Estratégia própria de sobrevivência do vírus

Além disso, como o comportamento do coronavírus no corpo ainda não foi estudado em detalhes, o coronavírus poderia ter sua própria “estratégia desenvolvida” de sobrevivência, infectando o máximo possível de hospedeiros e permanecendo “inativo” por um tempo antes de causar estragos,  através de multiplicações rápidas de sua carga viral.

Outra questão premente que precisa ser abordada é que, apesar de agora já confirmar que o vírus também pode ser transmissível por transmissões no ar e em aerossóis, apesar de alegar não ser tão frequente em comparação com gotículas respiratórias, juntamente ao fato de que o vírus pode permanecer ativo em superfícies por muito tempo, é hora de realizar estudos detalhados para verificar se o coronavírus está sendo disseminado por novas estratégias aéreas desenvolvidas que poderíamos estar ignorando.

Em outro desenvolvimento relacionado, pesquisadores do Imperial College London, que trabalham com a Organização Mundial da Saúde, disseram que o mundo falhou em impedir que o novo surto de coronavírus se tornasse uma pandemia total, pois não foi capaz de localizar e isolar indivíduos infectados que poderiam contaminar outros.

Os pesquisadores disseram: “Estimamos que cerca de dois terços dos casos de COVID-19 exportados da China continental permaneceram sem serem detectados em todo o mundo, resultando potencialmente em várias cadeias de transmissão humano-a-humano ainda não detectadas fora da China continental”.

Sintomas clínicos despercebidos

Daniel Levy-Bruhl, pesquisador da agência de saúde pública da França, disse: “Um dos problemas colocados por esse coronavírus é que existe toda uma gama de sintomas clínicos, incluindo alguns que não são piores que um resfriado comum. Isso significa que pessoas com poucos ou fracos sintomas podem passar despercebidas pela rede”.

Outra categoria ainda mais difícil de detectar são as pessoas infectadas sem nenhum sinal do vírus. Os cientistas dizem que esses casos “assintomáticos” provavelmente não são minoria, como se supunha originalmente.

Bloqueio da disseminação do coronavírus

A estratégia geral de tentar bloquear a disseminação do coronavírus está se tornando menos viável à medida que mais e mais países se tornam reservatórios.

Dr. Simon Cauchemez, especialista do Institut Pasteur em Paris, disse à Thailand Medical News: “Nesse caso, não podemos manter a mesma abordagem de identificação e isolamento de todos os casos, porque não teremos os recursos. Nos países desenvolvidos, isso pode pesar bastante nos sistemas de saúde”.

Ele acrescentou: “Estima-se que 65% das pessoas infectadas não tenham uma forma grave da doença. Mas as que são graves são piores que a gripe sazonal e precisam ser hospitalizadas”.

Problemas decorrentes de um surto se tornam mais difíceis de lidar em um ambiente menos desenvolvido.

Comparado ao surto de Ebola 2014-16 na África Ocidental, o novo coronavírus é menos mortal, mas mais difícil de detectar e, portanto, parar.

Cauchemez acrescentou: “Mesmo que apenas 3% três dos casos resultem em morte, isso pode aumentar um grande número se 30 a 60% da população estiver infectada”.

Estudos em andamento

Para complicar e mostrar a seriedade do novo coronavírus, existem estudos em andamento na China que indicam que mesmo a presença de baixa carga viral nos chamados pacientes tratados ou curados pode ter repercussões graves na saúde de indivíduos, devido ao comportamento celular altamente agressivo do coronavírus em termos de ligação aos receptores ACE2 e “atacar” os tecidos dos órgãos.

Uma pesquisa recente sobre o coronavírus realizada por cientistas chineses da Universidade Médica de Nanjing e do Hospital Suzhou, liderada pelo Dr. Jianqing Wang, chefe do Departamento de Urologia do Hospital Suzhou, diz que os homens afetados pelo coronavírus SARS-Cov2 que causa a doença Covid-19 provavelmente se tornarão inférteis, mesmo que se recuperem da infecção.

De acordo com a nova pesquisa publicada no medrxiv, uma revista médica on-line, o coronavírus geralmente ataca os receptores ACE2 (enzima conversora de angiotensina 2) nos tecidos humanos.

A equipe de pesquisadores de urologia, composta por Jianqing Wang, Caibin Fan, Kai Li, Yanhong Ding e Wei Lu, concentrou-se principalmente nos tecidos renais e testiculares, pois estes também eram ‘ricos’ com receptores ACE2, especialmente as células tubulares renais, Células de Leydig e células em ductos seminíferos no testículo.

Os resultados do estudo mostraram que o novo coronavírus expressava patogenicidade potente para os tecidos renal e testicular com lesões resultantes.

Outros estudos estão em andamento e serão publicados pelo Conexão Política assim que forem concluídos.

Segundo o Thailand Medical News, virologistas estão alertando que mesmo os 27 dias observados podem não ser precisos, já que o novo coronavírus pode ter períodos de incubação por muito mais tempo que ainda precisam ser observados e verificados clinicamente.

Essa nova revelação tem implicações terríveis e gravidade sobre como gerenciar o controle desse novo coronavírus. Ela também poderia indicar que as quarentenas (isolamentos) passadas podem ter sido ineficazes e muitos dos que foram liberados poderiam agora estar espalhando a doença.

As autoridades de saúde em todo o mundo precisam reagir rapidamente a essas novas informações.

O coronavírus está rapidamente se espalhando e as quarentenas consideradas não eficazes como período de incubação podem ser ilimitadas.

 

 

 

 

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

Parceiros

alan correa criação de sites