Redes Sociais

Política

“Se não fosse o cristianismo, não haveria libertação de escravos”, diz Luiz Philippe

A declaração ocorreu durante a sessão solene em homenagem à abolição da escravatura no Brasil.

Redação

Publicado

em

Reprodução | Instagram

O deputado federal Dom Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP) fez um apanhado de dados históricos sobre o fim da escravidão.

Partindo de uma linha desde a Grécia antiga, ele afirmou que a escravidão ‘é parte da natureza humana’, mas que em contexto de paz, regras e com uma constituição surge a consciência e a indignação contra as desigualdades.

Luiz Philippe citou o cristianismo como pilar fundamental da conquista histórica.

Se não fosse o cristianismo, não haveria libertação de escravos na Europa. Os valores cristãos criaram sim o fim da escravatura nas tribos europeias, deram o norte moral para as famílias fundadoras, encabeçando os seus territórios e nos seus territórios eles declararam o fim da escravatura”, disse.


O Conexão Política é um portal de notícias independente. Ajude-nos a continuarmos com um jornalismo livre, sem amarras e sem dinheiro público » APOIAR

O Conexão Política é um portal de notícias independente — compromissado em transmitir os fatos. Analisamos e cobrimos os principais assuntos da política. Contribua: apoia.se/conexaopolitica

Publicidade
16 Comentários

16 Comments

  1. Avatar

    JAQUES TEIXEIRA

    18.05.2019 at 12:30

    A religiões desde a Babilônia eram escravagistas.O Judaísmo e por continuação o cristianismo eram detentores da posses de escravos..E estão todos surdos à palavra do Cristo.Só dizem e ouvem o que lhes convém.
    A Europa autóctone(pagã),pelo contrário,não conhecia a escravidão.Ninguém era vendido ou comprado;Existiram prisioneiros de guerra,existiam vencidos e vencedores..O maior atraso está no dogma imposto pelas religiões;
    O Criador,, A Fonte ou a Matriz primordial não faz distinções.Quem usa dessa miopia crônica é o ser humano.,que coloca uns contra os outros com sua passionalidade,coma sua percepção deformada.Quem diz que a sua percepção é a verdade é um tolo. A igreja de Roma queima,,o muslim apedreja e os astecas comem o coração vivo, enquanto Baal exige que lhe atirem as crianças na sua fogueira,,ainda vivas,para aplacar a sua ira.Pobres humanos.tão longe da fonte que está dentro de si mesmos..

    • Avatar

      Marco Sá

      19.05.2019 at 10:49

      Parabéns por suas explarmações! É confortante pra quem tem um pouco mais de estudo e passou a vida se dedicando a eles, que existem outras pessoas ao nosso lado que são racionais. Pelo menos não debatemos ossinhos estes absurdos que está gente estupida escreve pra atender seus interesses.

  2. Avatar

    OR

    17.05.2019 at 18:43

    Vale lembrar que foi o cristianismo protestante metodista da Inglaterra que acabou com a escravidão, por iniciativa do grupo de John Wesley, e o trabalho incansável de Willian Wilberforce, no Parlamento britânico.

  3. Avatar

    José Carlos Barbosa

    17.05.2019 at 18:43

    É,, eu acredito que este Sr. Dom Luiz Philippe de Orleans e Bragança, está um tanto equivocado com a cor da chita. Aquele Sr. Pedro Rocha também, pois, a igreja, era conivente, o Conde D’eu, seu marido, não queria que ela assinasse a Lei e o Ministro Rodrigues Augusto Silva, que levou a Lei e assinou junto com ela, era maçom. O Barão de Cotegipe, devia ser nmanda chuva no palácio e, não deixava D. Pedro II promulgar a Lei Áurea.

    • Avatar

      Pedro Rocha

      18.05.2019 at 10:29

      Acusar alguém de “conivência” é basicamente acusar por acusar: jogada velha de assassinato de reputação.

      Mas disso a Maçonaria não pode ser acusada, pois o Brasil teve dois imperadores maçons e nada fez para acabar com a escravidão mesmo tendo poder para tal. Precisou uma católica fazer isso.

      “Felizmente”, a misoginia está entre as diversas discriminações da Maçonaria.

  4. Avatar

    Pedro Rocha

    17.05.2019 at 15:19

    Por isso que a Princesa Isabel e o Conde d’Eu, que eram católicos, acabaram com a brutal escravidão implantada pelos patriarcas Maçônicos da família dele.

    E isso custou a ela a perda da Coroa e o banimento, pois o “sistema” se vingou e depois traiu os Marechais Deodoro e Floriano, jogando o país na “República Velha”.

  5. Avatar

    Kaaleb

    17.05.2019 at 13:38

    Cretino, jamais trabalhou, sempre viveu da exploração do povo, através das propriedades usupardas pela familia dita real.A igreja semore foi conivente com a escravidão, inclusive classificava os negros como sem alma, para validar as praticas escravagistas que feriam de mirte os dez mandamentos.Alem do mais a libertação se deu por motivos economicos , vejamos: Sexagenário era livre, ventre livre filhos, livres.Quando o senhor somava as despesas com alinentacao : um cada trabalhava, 2 filhos e quatro sogros e sogras comiam. A saida foi dar a liberdade e pagar um salário miserável. Semelhante as reformas de hoje que tiram direitos com a promessa de mais emprego, ao final o cidadão apenas deu sem receber nafa em troca.Semelhante a viagem do Bolsonaro, deu o que Trump nao pediu e recebeu em troca vagas promessas. Lembrando que o tal principe elegeu-se na onda Bolsonaro. Boçal, arrogante e prepotente, depous que Bolsonaro cair, altezinha nao se elegera nem para sindico.Maldita realeza!

    • Avatar

      Pedro Rocha

      17.05.2019 at 15:13

      Quem quiser um resumo da doutrinação esquerdista sobre escravidão que acontece nas escolas, segue um exemplo acima.

      Já tentaram me empurrar essa baboseira e nem quando era adolescente acreditava nisso.

    • Avatar

      vito sousa

      17.05.2019 at 16:38

      Kaaleb seu cretino maldita república acabou com o Brasil vc sabia que os negros também tinham escravos?já ouvio falar do barão de guaraciaba?foi proprietário rural e banqueiro brasileiro. Distinguiu-se por ter sido financeiramente o mais bem sucedido (NEGRO) da época da escravidão.Possuiu diversas fazendas e cerca de duzentos escravos em apenas uma delas (com estimativa de cerca de mil escravos, ao todo), com uma fortuna estimada à época em setecentos mil contos de réis. Foi proprietário do emblemático Palácio Amarelo na cidade de Petrópolis.que quem vive da exploração do povo e partidos como o PT,e o Luiz Philippe de Orléans e Bragança era empresario e a família imperial do brasil nunca roubou ninguém não viu vai estudar.!a república foi um grande erro e a república não fara 150 anos.

    • Avatar

      Eduardo Araújo

      17.05.2019 at 16:40

      A Igreja nunca foi conivente com a escravidão e muito menos “classificava” os negros como sem alma. Aliás, os esquerdistas imbecis (perdão pela redundância), no seu típico retardo mental, nunca explicam como a Igreja consideraria os negros sem alma, se estes sempre foram alvos de sua evangelização, alguns chegando, até, a ser canonizados (p. ex. os santos Maurício, Elesbão, Benedito, Martinho de Lima, Zenão de Verona, Carlos Lwanga, Antônio de Categeró e as santas Efigênia, Bakhita e Sara Kali, dentre outros).

      No mais, o sujeito põe no mesmo patamar atos parciais e a abolição total da escravidão e, como é bem próprio do lixo marxista, reduz tudo a uma simplório raciocínio economicista. Não tem sequer capacidade intelectual para notar que os sexagenários, que já não eram muitos, dada a baixa expectativa de vida dos escravos, pouquíssimo trabalhavam, em decorrência das condições físicas da idade. Por seu turno, as crianças, até alcançarem a adolescência, também eram pouco produtivas, o que na prática tornava inócuas as duas medidas. Demais disso, se o problema, antes das leis, era de sufoco financeiros para os senhores, nada os impedia de alforriar de sua senzala quem ele quisesse (e nem precisaria se obrigar a contratar os libertos à paga de salários).

      O Pedro Rocha tem toda a razão, A “história” ensinada nas escolas brasileiras não passa de um arremedo do passado e serve tão-somente para doutrinar, incutir versões marxistas imbecis em cérebros devidamente lavados para absorvê-las sem o menor questionamento.

  6. Avatar

    Ivaldo Santos

    17.05.2019 at 12:19

    Sr. MARCOS ELENILDO FERREIRAL: Liberdade de, por exemplo, expelir publicamente substâncias de um coração que jaz aprisionado em trevas de ignorância como o seu acabou de fazer.

  7. Avatar

    Ricardo Filho

    17.05.2019 at 11:25

    Por isso os globalistas, os islâmicos e os comunistas, odeiam o cristianismo.

    • Avatar

      vito sousa

      17.05.2019 at 16:41

      exatamente.

  8. Avatar

    MARCOS ELENILDO FERREIRA

    17.05.2019 at 11:06

    Libertação de quem ???? Vivemos numa escravidão miserável… nunca houve liberdade alguma…esse cidadão é mais um representante dos Illuminatis… canalha dissimulador…

    • Avatar

      vito sousa

      17.05.2019 at 16:39

      vc e bem burro viu.!

    • Avatar

      Eduardo Araújo

      17.05.2019 at 16:44

      Interessante: um escravo miserável cheio de liberdade para xingar uma pessoa de canalha. E nem vai pro pelourinho, por isso.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Apoiar

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites