Redes Sociais

Política

ARTIGO – Partido Novo: de novo não tem nada

Raul Holderf Nascimento

Publicado

em

Imagem: Divulgação

Partido Novo – criado por dois milionários, o partido buscará agradar ‘gregos e troianos’ no páreo eleitoral de 2018.

João Dionisio Amoêdo

João Dionisio Amoedo é engenheiro e administrador de empresas que construiu seu título como banqueiro.

Amoedo tem fortes ligações com nomes do governo de Fernando Henrique Cardoso – entrevista eles, Gustavo Franco e Armínio Fraga.

Ricardo Coelho

Ricardo Coelho é engenheiro, foi vice-presidente do Citibank e sócio diretor do Grupo Icatur.

Partido Novo é novo mesmo?

Não! Apesar do discurso de insatisfação da política brasileira, o novo não é novo. Um fato simples: os bancos apesar de sempre lucrarem de forma gigantesca, pagam bem menos impostos que os assalariados. E tenhamos a certeza – mexer nesses privilégios não é – nem nunca será – uma proposta dos banqueiros.

Esse é o partido que veio para representar quem sempre esteve tão bem posicionado ao longo dos governos políticos no Brasil.

Financiamentos

Essa é uma bandeira que o partido levanta sempre – rejeição ao fundo partidário. Aparentemente uma atitude bastante louvável, mas que não merece aplausos. Sejamos sinceros, quem necessita de fundo partidário quando se tem a alcunha de “queridinho do mercado financeiro?” Dinheiro é o menor problema possível.

Maconha, Pautas LGBT e Aborto

Acredite se quiser: o partido simplesmente rejeita qualquer possibilidade de discussão sobre temas como maconha, aborto e pautas LGBT. Mesmo negando debater temáticas tão importante para o país, o ‘Novo’ pretende lançar um candidato à presidência da república em 2018.

Para além,  o Partido Novo segue filiando os ‘velhos conhecidos’ da política brasileira em nome do ‘Novo’. Já ouviu falar em Gustavo Franco? Sim, é ele mesmo! O ex-presidente do Banco Central do governo de FHC também migrou ao partido tal.

Franco abandonou o PSDB, mas os velhos conceitos, a velha didática permanecem em sua raiz.

Conclusão:

Ou seja, o ‘Novo’ não tem nada de Novo! Trata-se apenas da velha jogada política de sempre.

O tal partido pode até conquistar alguns desavisados, uns artistas e “intelectuais” decepcionados com o a situação atual do país, mas ainda apegados ao velho poder. Mas não deverá seduzir ninguém mais atento, que sabe que o ‘Novo’ é apenas um sintoma de um problema ainda maior, que é a mentalidade acomodada dos brasileiros, sua desconfiança eterna ao conservadorismo, único sistema capaz de criar um país de pulsos firmes.

Precisamos de algo realmente Novo, e o ‘Partido Novo’ não nos atende. É uma armadilha para fisgar os peixes iludidos…

 

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Professor, cristão, colunista, e redator. Amo ciências políticas, sou conservador e nordestino com orgulho.

alan correa criação de sites