Redes Sociais

Opinião

Festival de desinformação na mídia. “Cadê” a CPMI das Fake News?

Thaís Garcia

Publicado

em

Festival de desinformação na mídia. "Cadê" a CPMI das Fake News? 19
Imagem: Colagem/ Reprodução

Nesta quinta-feira (10), vários portais da imprensa, como o Globo, Exame, O Antagonista e a Folha de São Paulo, noticiaram que “os EUA desistiram de apoiar a entrada do Brasil no seleto grupo da OCDE”. A repercussão foi tanta que o tema alcançou proporções internacionais, e até mesmo a Bloomberg e o DW noticiaram a falsa informação.

O presidente americano, Donald Trump, e o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, precisaram vir a público para desmentir as recentes fake news publicadas pela mídia brasileira e a internacional.

“A declaração conjunta divulgada com o presidente Bolsonaro em março deixa absolutamente claro que eu apoio o Brasil no início do processo de adesão plena à OCDE. Os Estados Unidos defendem essa afirmação e defendem Jair Bolsonaro. A notícia é FAKE NEWS!”, escreveu Trump.

Não houve uma suposta “quebra de compromisso” entre os presidentes Donald Trump e o presidente Jair Bolsonaro; a informação da imprensa é falsa.

E a CPMI das Fake News, o que ela fará?
No Brasil, foi instalada a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News, a pedido do deputado Alexandre Leite (DEM-SP) e que recebeu o apoio de 276 deputados e 48 senadores.

Esta comissão está “investigando” a criação de perfis falsos e ataques cibernéticos nas diversas redes sociais, com possível influência no processo eleitoral e debate público. Ela também “investiga” a prática de cyberbullying contra autoridades e cidadãos vulneráveis, assim como o aliciamento de crianças para o cometimento de crimes de ódio e suicídio. Mas será que ela investigará o cyberbullying contra a maior autoridade do país, o Presidente Jair Bolsonaro?

Em uma publicação no Twitter, o presidente Jair Bolsonaro esclarece como funciona na prática o sistema “Mídia & Esquerda” e o uso da desinformação como arma contra os conservadores e os governos de direita.

E não só o Presidente Bolsonaro, mas outras autoridades de seu governo também têm um árduo trabalho no combater às notícias falsas. Por exemplo, os ministros Ricardo Salles, Abraham Weintraub e Damares Alves são grandes alvos dessa mídia esquerdo-globalista e precisam constantemente desmentir as fake news fabricadas por inescrupulosos jornalistas.

Em seguida, alguns exemplos da propagação de desinformação pela mídia marrom e desmentida pelos ministros.

No dia 9 de outubro, o presidente desta comissão, o senador Ângelo Coronel (PSD-BA), disse no Twitter que foi absorver conhecimento para “combater a desinformação” na Rússia. Sim, na Rússia; um país que é um exemplo da repressão à liberdade de expressão. Qual será o conhecimento absorvido pelo senador? Será este “conhecimento” usado para combater as fake news e o cyberbulling contra o Presidente Bolsonaro e sua equipe de governo? Ou justamente o contrário?

Este Coronel “certamente” trabalhará para o fortalecimento da democracia brasileira. Ajudaremos este senador a descobrir quais são os focos da produção em larga escala de notícias falsas para combatê-las. Sugiro ao Coronel que comece pelos jornais publicados na foto do título desta matéria e os mencionados nos posts dos ministros do governo.

As famílias brasileiras estão sendo atingidas por notícias falsas e realmente é necessário dar um basta nisso e descobrir quais são os focos desta indústria de fake news que abala a democracia brasileira.

Na verdade, não é um problema nacional, mas de proporções internacionais; e faz parte de uma rede aparelhada para a destruição dos valores conservadores e da verdade.

Se essa comissão é realmente suprapartidária – como ela mesma se autointitula – esperamos que ela possa dar uma resposta à sociedade brasileira. Ou então, ficará claro para o Brasil que o propósito da CPMI está sendo desvirtuado e que os partidos de oposição ao governo estão utilizando a comissão para fins políticos.

Essa disseminação de notícias falsas por meios tecnológicos está corrompendo a democracia brasileira. Está na hora da “comissão” contribuir para que a sociedade brasileira compreenda o que são as fake news e começar a combatê-las; a começar pelas fake news contra o Governo Bolsonaro. Ou então, saberemos as verdadeiras motivações dessa “comissão”.

Chegou a hora de exigirmos a verdade dessa CPMI das fake news.  Brasileiros, está na hora de cobrar a verdade!

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites