Redes Sociais

Mundo

Vaticano declara que vacinas contra covid-19 com base em pesquisas que usaram tecido fetal de abortos é “moralmente aceitável” para fiéis

Redação

Publicado

em

O Vaticano declarou, nesta segunda-feira (21), que é “moralmente aceitável” para os católicos romanos receberem as vacinas contra covid-19 que foram desenvolvidas com base em pesquisas que usaram tecido fetal de abortos, informou a AP.

A Congregação para a Doutrina da Fé, o escritório de fiscalização do Vaticano para a ortodoxia doutrinária, disse que tratou da questão depois de receber vários pedidos de “orientação” nos últimos meses. O escritório da doutrina observou que bispos, grupos católicos e especialistas fizeram “pronunciamentos diversos e às vezes conflitantes” sobre o assunto.

Baseando-se nos pronunciamentos do Vaticano nos últimos anos sobre o desenvolvimento de vacinas preparadas a partir de células derivadas de fetos abortados, o escritório de vigilância emitiu um comunicado que disse que o Papa Francisco examinou na semana passada e ordenou que fosse divulgado.

Segundo a doutrina da Igreja Católica, o aborto é um pecado e grave.

No entanto, o Vaticano concluiu que “é moralmente aceitável receber vacinas contra covid-19 que usaram linhagens celulares de fetos abortados” no processo de pesquisa e produção quando vacinas “eticamente irrepreensíveis” não estão disponíveis ao público. Mas enfatizou que o uso “lícito” de tais vacinas “não significa e não deve de forma alguma implicar que haja um endosso moral ao uso de linhagens celulares provenientes de fetos abortados.”

Grupo dos EUA desencoraja o uso da vacina AstraZeneca

Em seu comunicado, o Vaticano explicou que nem sempre é possível obter vacinas que não representem um dilema ético. Citou circunstâncias em países “onde vacinas sem problemas éticos não estão disponíveis para médicos e pacientes” ou onde condições especiais de armazenamento ou transporte tornam sua distribuição mais difícil.

O Vaticano também observou que, embora várias vacinas possam ser distribuídas em um país, “as autoridades de saúde não permitem que os cidadãos escolham a vacina com a qual serão inoculados”. Nesses casos, “é moralmente aceitável receber vacinas que usaram linhagens celulares de fetos abortados”, disse o Vaticano.

O Vaticano disse que as vacinas usavam linhagens celulares “retiradas de tecido obtido de dois abortos ocorridos no século passado”.

A Conferência de Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB) emitiu uma nota separada aos católicos americanos na semana passada, afirmando que as vacinas Pfizer-BioNTech e Moderna têm uma conexão “remota” com o “mal do aborto”, uma vez que essas vacinas empregam linhagens de células retiradas tecido obtido de dois abortos que ocorreram nas décadas de 1960 e 1970 e que muitas vezes foram replicados desde então.

“No entanto, a vacina AstraZeneca é mais moralmente comprometida porque a linha celular HEK293 foi usada nas etapas de design, desenvolvimento e produção dessa vacina, disse o grupo dos EUA.

Conexão Política é um jornal digital inteiramente compromissado com a cobertura e análise das principais pautas sobre política nacional e internacional | [email protected]