Redes Sociais

Mundo

Twitter, Facebook, Instagram e YouTube se unem contra ‘discurso de ódio’

Marcos Rocha

Publicado

em

Reprodução

As redes sociais Twitter, Facebook, Instagram e YouTube estão oficialmente unidas para combater o chamado ‘discurso de ódio’.

O anúncio foi feito nesta quarta-feira (23) pela Federação Mundial de Anunciantes (WFA, da sigla em inglês).

As plataformas seguirão uma série de diretrizes para que, em conjunto, possam monitorar – e até mesmo bloquear – conteúdos que sejam considerados ‘prejudiciais’.

As ‘checagens’ contarão com a colaboração de agências de publicidade e profissionais de marketing.

Segundo a federação, o acordo possui a intenção de “aumentar a segurança do consumidor e do anunciante”.

A medida ocorre após pressão comercial contra as plataformas. Nos últimos meses, por exemplo, várias empresas retiraram anúncios no Facebook.

Uma campanha na web, capitaneada pela esquerda, chamada “Stop Hate for Profit” (“Dê um Basta no Ódio por Lucro”, em tradução livre), queria que a rede tomasse medidas a fim de acabar com o ‘ódio’ e a ‘desinformação’.

“A questão do conteúdo nocivo online tornou-se um dos desafios da nossa geração. Como financiadores do ecossistema online, os anunciantes têm um papel fundamental a desempenhar na promoção de mudanças positivas e estamos satisfeitos por ter chegado a um acordo com as plataformas sobre um plano de ação e cronograma para fazer as melhorias necessárias”, afirma o diretor-presidente da WFA, Stephan Loerke.

Facebook, Twitter e YouTube adotarão as seguintes medidas: 1) Estabelecer definições em comum contra “conteúdo prejudicial”; 2) criar formatos de relatórios; 2) Desenvolver ferramentas para melhorar o gerenciamento das campanhas publicitárias.

“O acordo inclui o desenvolvimento de critérios para detectar o discurso de ódio, o estabelecimento de uma supervisão independente e ferramentas para evitar anúncios com conteúdo prejudicial”, acrescentou a WFA.

FALOU TUDO E NÃO DISSE NADA

Em sua nota à imprensa, a WFA comemora a decisão tomada pelas plataformas.

A federação, no entanto, não explica os critérios específicos que serão considerados para classificar uma postagem como ‘conteúdo prejudicial’ ou ‘discurso de ódio’.

Também não está claro qual papel os anunciantes passam a ter sobre as atividades das redes sociais.

Detalhes de como serão feitas eventuais retiradas de publicações também não foram esclarecidos.

Editor-chefe do Conexão Política; residente e natural de Campo Grande/MS | FALE COMIGO: [email protected]

alan correa criação de sites