Redes Sociais

Mundo

Tecidos roxos citados na Bíblia são encontrados pela primeira vez em Israel

Raul Holderf Nascimento

Publicado

em

Um fio tingido de 3.000 anos foi descoberto combinando com a descrição de púrpura real da Bíblia. Uma equipe em Israel diz que o antigo achado oferece um vislumbre do guarda-roupa do Rei Davi e do Rei Salomão de Jerusalém por volta de 1.000 AC.

Isso marca um feito inédito, em que pesquisadores descobriram evidências de tecido tingido com púrpura real que datam desse período. Os restos são de um tecido, uma borla e fibras de lã tingida com púrpura real do vale de Timna, no sul de Israel.

O local é um antigo distrito de produção de cobre, identificado como parte do reino bíblico de Edom, que fazia fronteira com o Reino de Israel ao sul.

“Esta é uma descoberta muito estimulante e importante”, disse o Dr. Naama Sukenik, curador de achados orgânicos da Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA), em um comunicado à mídia .

“Esta é a primeira peça de tecido já encontrada da época de Davi e Salomão que é tingida com o prestigioso corante roxo. Na antiguidade, o traje roxo era associado à nobreza, aos sacerdotes e, claro, à realeza”, frisou o estudioso.

A datação do tecido que remonta aos tempos bíblicos datação direta por radiocarbono confirma que o tecido data de cerca de 1.000 aC, combinando com as monarquias bíblicas de Davi e Salomão em Jerusalém. O Antigo Testamento se refere à cor no Cântico dos Cânticos 3:9-10:

“O rei Salomão fez para si a carruagem; ele o fez de madeira do Líbano. Seus postes ele fez de prata, sua base de ouro. Seu assento era estofado com tecidos roxos púrpura, seu interior incrustado com amor”, relata a descrição bíblica.

Os pesquisadores afirmam que a tinta é feita de moluscos que vivem no Mediterrâneo, a mais de 180 milhas de Timna. Ele aparece em vários contextos judaicos e cristãos.

Esta é a primeira vez que têxteis da Idade do Ferro tingidos de púrpura são descobertos em Israel ou em qualquer lugar do sul do Levante.

“O tom lindo do púrpura, o fato de não desbotar e a dificuldade de produção do corante, que se encontra em quantidades diminutas no corpo dos moluscos, tornavam-no o mais valioso dos corantes, que costumam custar mais do que ouro”, explica o Dr. Sukenik.

“Até a descoberta atual, tínhamos encontrado apenas resíduos de conchas de moluscos e fragmentos de cerâmica com manchas de tinta, o que evidenciava a indústria roxa na Idade do Ferro. Agora, pela primeira vez, temos evidências diretas dos próprios tecidos tingidos, preservados por cerca de 3.000 anos”, afirmou, destacando que é uma comprovação Bíblia irradiante.

Graças ao clima extremamente seco, os pesquisadores também recuperaram materiais orgânicos, incluindo tecidos, cordas e couro da Idade do Ferro. Eles também vêm da época de Davi e Salomão, que os pesquisadores dizem que dá uma visão única da vida durante os tempos bíblicos.

“Nossa expedição arqueológica está escavando continuamente em Timna desde 2013”, disse o professor Erez Ben-Yosef, do Departamento de Arqueologia da Universidade de Tel Aviv.

“Se escavássemos por mais cem anos em Jerusalém, não descobriríamos tecidos de 3.000 anos atrás. O estado de preservação em Timna é excepcional e só se compara ao de locais muito posteriores, como Massada e as Cavernas do Deserto da Judéia”, acrescentou Ben-Yosef.

De acordo com a equipe, o verdadeiro argaman roxo vem de três espécies de moluscos indígenas do Mar Mediterrâneo. Isso inclui o Banded Dye-Murex, o Spiny Dye-Murex e o Red-Mouthed Rock-Shell.

O corante é produzido por uma glândula dentro do molusco por meio de um processo químico complexo. Hoje, a maioria dos estudiosos concorda que os dois corantes preciosos, argaman roxo e azul claro (tekhelet azul) vêm do molusco corante roxo por meio de diferentes condições e exposição à luz. Quando exposto à luz, o azul aparece. Sem exposição à luz, no entanto, os humanos podem obter uma tonalidade roxa.

Essas cores são frequentemente mencionadas juntas nas fontes antigas e ambas têm significado simbólico e religioso até os dias de hoje. Os sacerdotes do Templo, Davi e Salomão, e Jesus de Nazaré são descritos como tendo usado roupas coloridas de roxo.

Para reconstruir o processo de tingimento dos moluscos, o Prof. Zhoar Amar viajou para a Itália, onde quebrou milhares de moluscos e produziu matéria-prima a partir de suas glândulas corantes. Os pesquisadores então conduziram centenas de tentativas para reconstruir métodos de tingimento antigos.

Jornalista, professor e comentarista político. Cobre os bastidores de Brasília no Conexão Política.