Redes Sociais

Suécia

Suécia corta serviços públicos básicos para compensar o alto custo de acolhimento de imigrantes

Thaís Garcia

Publicado

em

Suécia corta serviços públicos básicos para compensar o alto custo de acolhimento de imigrantes 21
Imagem: REUTERS/Henrik Montgomery/Scanpix

Oito em cada dez municípios da Suécia serão forçados a cortar fundos usados para financiar serviços públicos básicos, para compensar o alto custo de receber um grande número de migrantes dependentes da assistência social sueca, segundo uma pesquisa da STV Nyheter.

A pesquisa constatou que 46% dos municípios relataram ter planos de reduzir os serviços de incapacidade, enquanto a metade disse que seria forçada a fazer sérios cortes nos gastos em cuidados individuais e familiares para economizar dinheiro.

O administrador do município de Bengstfors, Göran Eriksson, disse à SVT que seu município não seria capaz de gerenciar os custos crescentes dos serviços sociais e programas de assistência social sem a ajuda do governo federal.

Bengtsfors, uma comuna (município) da Suécia do condado da Gotalândia Ocidental, é apenas um dos muitos municípios com baixa economia que enfrenta um deficit orçamentário na casa dos milhões. O município espera diminuir esse deficit reduzindo os serviços sociais e os custos de manutenção.

“A situação é tensa e agora somos forçados a fazer algum esforço depois que o conselho decidiu um novo orçamento para 2020. Eu acho que há duas razões. Fomos generosos e recebemos muitos imigrantes, mas, basicamente, também é um problema demográfico. Temos uma população em envelhecimento e o município está encolhendo”, disse Göran Eriksson.

Para reduzir as despesas, as organizações estaduais responsáveis pela integração dos imigrantes se fundirão com as centradas no bem-estar social e no mercado de trabalho. Os fundos alocados para subsidiar a assistência médica e as pré-escolas também serão cortados. Também terá uma redução nas atividades diárias para deficientes mentais. O número de playgrounds (parquinhos infantis) está sendo revisado. A iluminação das ruas deve ser reduzida em 20% e a limpeza da neve só ocorrerá quando grandes quantidades estiverem na estrada. Os honorários dos políticos também serão reduzidos em 5%.

Segundo Anders Forsberg, presidente do Partido dos Moderados em Bengtsfors, o município faz um grande esforço com grandes deficits orçamentários por muito tempo. E aumentar o imposto não seria relevante.

“Temos quase um dos mais altos impostos da Suécia. Se o município precisar aumentar ainda mais, o município não será atraente”, disse Anders Forsberg a STV.

O político local de direita, Stig Bertilsson, explicou à SVT que os custos nos municípios que receberam imigrantes continuam a ser substanciais, mesmo quando as receitas do governo param. De acordo com o político, isso cria um grande buraco negativo na caixa registradora municipal.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais. Lutando pelos verdadeiros direitos humanos e pela Igreja Perseguida.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites