Redes Sociais

Mundo

Nova arma russa é capaz de voar 27 vezes mais rápido que a velocidade do som

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: Mikhail Klimentjev/Sputnik/AFP

Uma nova arma intercontinental que pode voar 27 vezes mais rápido que a velocidade do som entrou em operação na sexta-feira (27), informou o ministro da Defesa da Rússia ao presidente Vladimir Putin, reforçando a capacidade de ataque nuclear do país.

Putin descreveu o veículo de deslizamento hipersônico Avangard como uma inovação tecnológica comparável ao lançamento soviético de 1957 do primeiro satélite. A nova arma russa e um sistema semelhante sendo desenvolvido pela China deixaram os Estados Unidos em alerta, que ponderaram estratégias de defesa.

O Avangard é lançado na ponta de um míssil balístico intercontinental, mas, diferentemente de uma ogiva de mísseis comum que segue um caminho previsível após a separação, pode fazer manobras acentuadas na atmosfera a caminho do alvo, dificultando muito a interceptação.

O ministro da Defesa, Sergei Shoigu, informou Putin que a primeira unidade de mísseis equipada com o veículo de deslize hipersônico Avangard entrou em serviço de combate.

“Quero parabenizá-lo por este evento histórico para os militares e toda a nação”, disse Shoigu durante uma teleconferência com os principais líderes militares russos.

O chefe das Forças Estratégicas para Mísseis, o general Sergei Karakayev, disse durante a ligação que o Avangard foi posto em serviço com uma unidade na região de Orenburg, no sul das montanhas Urais, que faz divisa com a fronteira noroeste do Cazaquistão.

Entre outros sistemas de armas em potencial, Putin revelou o Avangard em seu discurso sobre o estado da nação em março de 2018, observando que sua capacidade de fazer manobras acentuadas a caminho de um alvo tornará inútil a defesa antimísseis.

“Ele vai mirar como um meteorito, como uma bola de fogo”, disse Putin na época.

O líder russo observou que o Avangard foi projetado usando novos materiais compostos para suportar temperaturas de até 2.000 graus Celsius, resultantes de um voo pela atmosfera em velocidades hipersônicas.

Os militares disseram que o Avangard é capaz de voar 27 vezes mais rápido que a velocidade do som. Ele carrega uma arma nuclear de até 2 megatons.

Putin disse que a Rússia teve que desenvolver o Avangard e outros sistemas de armas em potencial por causa dos esforços dos EUA para desenvolver um sistema de defesa antimísseis que, segundo ele, poderia corroer o impedimento nuclear da Rússia. Moscou zombou das alegações dos EUA de que seu escudo antimísseis não se destina a combater os arsenais de mísseis da Rússia.

No início desta semana, Putin enfatizou que a Rússia é o único país armado com armas hipersônicas. Ele observou que, pela primeira vez, a Rússia está liderando o mundo no desenvolvimento de toda uma nova classe de armas, ao contrário do passado quando estava alcançando os EUA.

Em dezembro de 2018, o Avangard foi lançado a partir da base de mísseis Dombarovskiy no sul dos Urais e atingiu com sucesso um alvo de treinamento no campo de tiro de Kura em Kamchatka, a 6.000 quilômetros de distância.

Relatos da mídia russa indicaram que o Avangard será montado primeiro em mísseis balísticos intercontinentais RS-18B, soviéticos, codinome SS-19 pela OTAN. Espera-se que seja instalado no possível míssil balístico intercontinental pesado Sarmat, depois que ele se tornar operacional.

O Ministério da Defesa disse no mês passado que demonstrou o Avangard a uma equipe de inspetores dos EUA como parte de medidas de transparência sob o tratado de armas nucleares New Start com os EUA.

Os militares russos já haviam encomendado outra arma hipersônica de menor alcance.

O Kinzhal (Dagger), que é transportado por caças MiG-31, entrou em serviço na Força Aérea Russa no ano passado. Putin disse que o míssil voa 10 vezes mais rápido que a velocidade do som, tem um alcance de mais de 2.000 quilômetros e pode levar uma ogiva nuclear ou convencional. Os militares disseram que são capazes de atingir alvos terrestres e navios da Marinha.

China
A China testou seu próprio veículo de deslize hipersônico, capaz de viajar pelo menos cinco vezes a velocidade do som. Ela exibiu a arma chamada Dong Feng 17, ou DF-17, em um desfile militar que marcou o 70º aniversário da fundação do Estado chinês.

EUA
As autoridades americanas falaram em colocar uma camada de sensores no espaço para detectar mais rapidamente mísseis inimigos, particularmente as armas hipersônicas. O governo também planeja estudar a ideia de basear interceptores no espaço, para que os EUA possam se defender de mísseis inimigos recebidos durante os primeiros minutos de voo, quando os motores de propulsão ainda estão em chamas.

O Pentágono também vem trabalhando no desenvolvimento de armas hipersônicas nos últimos anos, e o secretário de Defesa Mark Esper disse em agosto que acredita que “provavelmente é questão de alguns anos”, antes que os EUA os possuam. Ele chamou isso de prioridade, uma vez que os militares trabalham para desenvolver novas capacidades de lançamentos de mísseis a longo prazo.

Assista ao vídeo do teste da nova arma russa Avangard.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

Parceiros

alan correa criação de sites