Redes Sociais

Mundo

Reino Unido pós-Brexit vai impor sanções à Rússia, Arábia Saudita e Coreia do Norte por violações a direitos humanos

Thaís Garcia

Publicado

em

Secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, Dominic Raab. Imagem: Reprodução

O Reino Unido revelará os nomes dos primeiros cidadãos estrangeiros a enfrentar proibição de vistos e congelamento de ativos por supostos abusos dos direitos humanos sob o novo regime de sanções pós-Brexit da Grã-Bretanha, informou o jornal britânico Express.

Espera-se que o secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, Dominic Raab, anuncie ainda hoje (6) os nomes de cidadãos russos e sauditas, suspeitos de serem alvos. Raab, ex-advogado de direitos humanos, pressionou por um regime de sanções duras, apesar de algumas dúvidas no Ministério das Relações Exteriores sobre seu provável impacto nas relações bilaterais. Alguns parecem preocupados com as relações com aliados estratégicos com baixos registros de direitos humanos, incluindo a Arábia Saudita.

De acordo com a versão britânica da Lei Magnitsky dos EUA de 2012, funcionários do governo têm trabalhado para atingir indivíduos na Rússia, Arábia Saudita e Coreia do Norte. A lei foi nomeada após o promotor russo Sergey Leonidovich Magnitsky morrer em uma prisão de Moscou em 2009, após denunciar que ele tinha suspeitas de roubo em larga escala do governo russo.

Mas, de acordo com a lei de sanções do Reino Unido de 2018, o Ministério das Relações Exteriores se recusou a revelar a lista de indivíduos mencionados na primeira lista de alvos. No entanto, a “lista negra” de Raab, que será apresentada no parlamento britânico nesta segunda-feira (6), deve incluir aqueles que a Grã-Bretanha acredita estarem implicados na morte de Magnitsky.

As relações entre o Reino Unido e a Rússia estiveram um pouco frias após o caso do envenenamento do ex-agente russo Sergei Skripal e de sua filha Yulia em uma tentativa de assassinato, através de um ataque químico, ocorrido em 4 de março de 2018, na cidade de Salisbury, no condado de Wiltshire, na Inglaterra, Reino Unido.

Raab também deve visar cidadãos sauditas suspeitos de envolvimento no assassinato do jornalista Jamal Khashoggi em 2018.

Apesar de ter sido uma vitória para a justiça social, também será uma medida que prejudicará os laços com um dos maiores aliados da Grã-Bretanha no Golfo.

As novas sanções entrarão em vigor imediatamente, congelando os ativos no Reino Unido daqueles nomeados por Raab e proibindo-os de entrar no país.

Espera-se que várias dezenas de pessoas sejam nomeadas, e o secretário de Relações Exteriores disse que incluiria torturadores, assassinos e agressores.

“Com esta lei, o Reino Unido terá novos poderes para impedir que os envolvidos em sérios abusos e violações de direitos humanos entrem no Reino Unido, canalizando dinheiro através de nossos bancos e lucrando com nossa economia”, disse Raab. “Este é um exemplo claro de como o Reino Unido atuará como uma força para o bem no mundo, defendendo os direitos humanos.”

“Não permitiremos que aqueles que buscam infligir dor e destruir a vida de vítimas inocentes se beneficiem do que o Reino Unido tem a oferecer”, disse Raab.

Dominic Raab também mencionou que o novo regime poderia ser expandido ainda mais ao longo do ano, a fim de cobrir casos que envolvem corrupção.

A opressão de jornalistas e abusos de pessoas por causa de suas crenças religiosas também podem ser acrescentados.

Apesar de reconhecer o risco potencial de prejudicar as relações com as sanções, Dominic Raab acrescentou: “É moralmente a coisa certa a se fazer”.

Raab e o ex-secretário de Relações Exteriores do Trabalho, David Miliband, apresentaram o caso Magnitsky na Câmara dos Comuns do Reino Unido (Câmara-baixa) em 2012.

Raab manteve contato com Natalia, a viúva do ex-promotor russo, nos anos seguintes.

“Este caso está muito próximo do meu coração”, disse ele.

Chamando Magnitsky de “Solzhenitsyn de sua geração”, Raab está determinado a expor as irregularidades do coração do país que ele amava.

alan correa criação de sites