Redes Sociais

Mundo

Psiquiatra infantil de renome mundial chama tratamentos trans de “possivelmente um dos maiores escândalos da história da medicina”

Thaís Garcia

Publicado

em

Psiquiatra infantil de renome mundial chama tratamentos trans de "possivelmente um dos maiores escândalos da história da medicina" 21
Imagem: Reprodução/Twitter

A comunidade médica está finalmente começando a recuar contra a onda de crianças “transexuais” que assolou as instituições médicas em apenas alguns anos. Enquanto vários críticos se manifestaram para expressar preocupação – e foram imediatamente alvo de campanhas brutais de difamação e muitas vezes tiveram suas carreiras destruídas -, uma nova carta foi lançada, assinada por dezenas de médicos e profissionais médicos que estão profundamente preocupados com a origem de tudo isso.

Mais de 200 médicos especialistas já assinaram uma carta exigindo uma investigação. Isso pode se tornar algo grandioso. Eles apoiam um resumo de 16 páginas enviado a Hunt no início deste mês, pelo professor de pediatria da Western Sydney University, na Austrália, John Whitehall. O plano é apresentar a petição ao ministro de Saúde australiano, antes que o parlamento seja retomado em meados de outubro.

Em três dias, mais de 200 médicos adicionaram seus nomes a esta petição médica, pedindo ao ministro da Saúde australiano, Greg Hunt, que convoque uma ampla investigação parlamentar sobre tratamento médico arriscado de jovens que acreditam “ter nascido no corpo errado”. Nove psiquiatras infantis, nove pediatras e 14 professores universitários e professores associados estão entre os signatários, até o momento da carta dos médicos ser lançada on-line, no domingo (22).

No mês passado, Hunt referiu preocupações ao Royal Australasian College of Physicians, mas John Whitehall e seus apoiadores não acreditam que a entidade educacional seja capaz de executar a investigação abrangente e independente necessária.

Um dos maiores escândalos da história da medicina

O psiquiatra infantil e de renome mundial, Christopher Gillberg, diz que acha que o tratamento não comprovado de crianças com identificação trans é “possivelmente um dos maiores escândalos da história da medicina”.

O grupo de neuropsiquiatria do professor Gillberg, da Universidade de Gotemburgo, na Suécia – que tem centros de pesquisa na Grã-Bretanha, França e Japão – pediu uma moratória imediata ao uso de medicamentos bloqueadores da puberdade, por causa de seus efeitos desconhecidos a longo prazo.

Considere o quão forte é essa linguagem, vinda de um psiquiatra infantil de renome mundial.

“Possivelmente um dos maiores escândalos da história da medicina…os processos por negligência médica, que seguem este terrível experimento social, serão astronômico”, disse Gillberg.

Suécia
Ele disse que a situação na Suécia era “absolutamente horrenda”, com centenas de crianças por ano recebendo bloqueadores da puberdade “experimentais” e hormônios sexuais, arriscando a infertilidade “diante das dúvidas de seus pais”.

Inglaterra
Na Inglaterra, médicos especialistas também pediram o fim de procedimentos experimentais com crianças. Segundo estes médicos, a influência e o lobby dos ativistas trans sobre as famílias e os médicos na Inglaterra é preocupante.

Ex-funcionários e médicos de uma clínica de tratamento trans em crianças, a Tavistock, acusaram-na de explorar e intimidar as famílias e os médicos.

“Os ativistas oprimem a sociedade dizendo que a terapia é uma questão de vida ou morte. Utilizam-se de frases como – Você preferiria ter um menino vivo ou uma menina morta? – Essa narrativa de ativistas ingleses está em toda parte”, disse um dos médicos e ex-funcionário da clínica.

O número de crianças e adolescentes britânicos que buscam ajuda com questões de identidade de sexo em clínicas disparou em menos de uma década. Segundo o The Times, houve 94 encaminhamentos em 2010. Em 2017/2018 havia 2.519. E isso representa um aumento de 25% em relação a 2016/2017, quando havia 2.016.

Experimento com crianças
O Dr. John Whitehall e o professor de medicina baseada em evidências da Universidade de Oxford, Carl Heneghan, também alegaram que a falta de evidências sólidas e de longo prazo tornam o tratamento médico trans de crianças “experimental”.

O australiano pediu comentários do Royal Children’s Hospital de Melbourne, lar da maior clínica de transexuais infantil do país. O porta-voz da carta dos médicos, Rob Pollnitz, pediatra aposentado com 50 anos de experiência, disse acreditar que a confusão de sexo em crianças e adolescentes é principalmente uma questão psicológica, não biológica.

“Antes de ministrar tratamentos não comprovados com hormônios e cirurgia, devemos fazer o possível para resolver seus problemas psicológicos”, disse Rob Pollnitz.

O professor Gillberg disse que a grande maioria dos novos diagnósticos de disforia de sexo na Suécia são adolescentes que, diferentemente dos casos mais familiares de início precoce envolvendo homens, “não mostraram tendências trans antes dos 10 anos”.

“Muitos dos casos suecos (de início tardio) têm autismo ou anorexia nervosa”, disse Gillberg. Ele acrescentou que era muito comum esses jovens “terem ainda mais problemas de identidade na puberdade – quem sou eu? Como devo me comportar? O que será de mim? Eu sou hetero? – acima da média.

“Essa crise de identidade quase sempre se resolve dentro de alguns anos. Acredito que é este grupo que agora é recrutado pelos ativistas no campo”, disse Gillberg.

Ativismo LGBT e o lobby trans

O “lobby trans” reclamou que o debate sobre tratamento iniciado pelo professor Gillberg na Suécia fará com que os jovens trans questionem sua identidade.

Gillberg traz à tona o fato de que o chamado “modelo de afirmação” desses ativistas pode estar destruindo milhares de crianças. As crianças estão sendo recrutadas e, uma vez recrutadas, geralmente adotam comportamentos que as alteram permanentemente e fisicamente pelo resto de suas vidas.

Psiquiatra infantil de renome mundial chama tratamentos trans de "possivelmente um dos maiores escândalos da história da medicina" 22

Paradas de Orgulho Gay com crianças. Fotos: Twitter.


Experimento social

A decisão de Gillberg e centenas de outras pessoas de se manifestar é incrivelmente encorajadora. Essa nova geração precisa desesperadamente de especialistas médicos para falar, apoiar os pais que estão sendo afastados pelos ativistas LGBT e informar os governos que isso é um experimento social e que está sendo feito em crianças que ainda não conseguem entender as consequências de o que estão fazendo.

Para cada criança e adolescente que passa por essa violência psicológica, é anunciada uma nova tragédia individual.

Destruição da família
A sede esquerdista de destruir a família sempre existiu. E o alvo sempre foram as crianças. É uma estratégia que se repete ao longo dos anos.

Na década de 60, a esquerda alemã tentou implementar uma revolução sexual defendendo como normal, o sexo de adultos com crianças. O jornalista alemão do Spiegel, Jan Fleischhauer, escreveu um extenso artigo, narrando o quão longe a esquerda levou a revolução sexual, destruindo a inocência de crianças na Alemanha.

A barbárie da década de 60, pode ser lida neste link.

Hoje, a história apenas se repete, com o mesmo alvo e novas estratégias. Essa doutrinação de crianças precisa ser freada.

 

Fontes: The Bridge Head, Spiegel, The Times e The Australian.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites