Projeto de paz para o Oriente Médio é organizado por árabes

Autor: 2 Comentários Compartilhar:

https://cards-dev.twitter.com/validator
De acordo com o relatório saudita publicado em Londres, os estados árabes não estão satisfeitos com o quadro atual da questão Israel-Palestina e estão tentando alterá-lo. O relatório também afirma que os EUA reconhecerão a necessidade de um Estado palestino e que sua capital resida em Jerusalém Oriental, embora também diga que a Cidade Velha estaria sob proteção internacional.

A administração do Trump rapidamente desqualificou tal relatório. Josh Raffel, porta-voz da Casa Branca, disse que a equipe de paz continuaria trabalhando em seu “plano real” e encorajou os líderes regionais a descartar rumores na imprensa.

“É lamentável que algumas partes busquem prejudicar as pessoas contra o nosso plano inacabado, que essas fontes não viram”, afirmou Raffel. “Ninguém deve basear sua reação, pública ou privada, nesses relatórios”.

“Esta é uma mistura de possibilidades e idéias, algumas das quais existem há décadas”, disse um alto funcionário dos EUA. “Nós vamos continuar trabalhando no plano projetado para beneficiar os israelenses e os palestinos e o liberaremos quando estiver pronto e a hora certa”.

A afirmação do relatório de que a equipe da paz da Casa Branca apoiará a proteção internacional para Jerusalém também contradiz uma afirmação anterior de um alto funcionário da administração de que o Muro das Lamentações, ou Kotel Ha-Maaravi, provavelmente estará sob controle israelense em qualquer acordo futuro com os palestinos.

“Não podemos imaginar qualquer situação segundo a qual o Muro das Lamentações não faria parte de Israel”, disse o alto funcionário dos EUA em dezembro. “Mas, como o presidente disse, os limites específicos da soberania de Israel vão fazer parte do acordo de status final”.

“Observamos que não podemos imaginar que Israel assinará um acordo de paz que não incluiu o Muro das Lamentações”, acrescentou o funcionário.

O ministro das Relações Exteriores da Autoridade Palestina, Riyad al-Malki, e os ministros dos Negócios Estrangeiros da Arábia Saudita, Egito, Jordânia, Emirados Árabes Unidos e Marrocos reuniram-se esta semana em Bruxelas com Mogherini e os 28 ministros dos Negócios Estrangeiros da UE e disseram que o plano se inclina contra Israel e é inaceitável para os palestinos.

O artigo saudita escrito em Londres  afirmou que os ministros estrangeiros árabes pediram à UE que se envolva imediatamente com os EUA e que mudasse os parâmetros do plano antes de ser apresentado, porque será mais difícil fazê-lo depois.

Post anterior

Concurso para a PF e PRF foram autorizados, afirma ministro

Próximo post

Em São Paulo, maior colégio eleitoral do país, Jair Bolsonaro lidera em todos os cenários

Você pode gostar também:

2 Comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.