Redes Sociais

Mundo

Princesa Haya, que fugiu para o Reino Unido, corre o risco de ter que voltar para Dubai

Thaís Garcia

Publicado

em

Princesa Haya, que fugiu para o Reino Unido, corre o risco de ter que voltar para Dubai 21
Imagem: Reprodução

A princesa jordana Haya Bint al-Hussein (45), uma das esposas do emir de Dubai, Mohammed bin Rashid al-Maktoum (70), fugiu para a Inglaterra no verão passado, para escapar do marido opressor. A princesa solicitou asilo, na esperança de construir uma nova vida na Europa. No entanto, seu visto foi definitivamente rejeitado, resultando em um futuro extremamente incerto.

A princesa Haya se casou com Mohammed bin Rashid al-Maktoum em 2004, se tornando sua sexta e mais recente esposa. O emir de Dubai tem 23 filhos com diferentes mulheres.

Nos últimos meses, havia sido anunciado que a princesa jordana, junto de seus dois filhos Jalila (11) e Zayed (7), havia feito as malas e fugido para a Alemanha em busca de asilo. Depois, teria decidido ir para a capital britânica, por sua vida estar em risco. Ela se escondeu com seus filhos em uma mansão de mais de 85 milhões de euros, perto do Palácio Kensington, em Londres. Lá, a princesa pôde se sentir segura novamente, pois há algum tempo, ela mantém um bom relacionamento com o Reino Unido, participando anualmente da Royal Ascot, a corrida de cavalos mais famosa do mundo.

No entanto, seu plano parece ter falhado completamente. O pedido de visto de Haya foi rejeitado. Provavelmente, porque o governo inglês teme prejudicar sua relação com o poderoso Emir de Dubai. Embora Mohammed bin Rashid al-Maktoum governe seu país de maneira dúbia, ele continua sendo um importante nome no mundo do petróleo e tem muito status internacional e laços políticos.

Solução de emergência
Enquanto isso, o meio-irmão de Haya, o rei jordaniano Abdullah (57), apresentou um plano inteligente para impedir que Haya fosse mandada de volta a Dubai. No início deste mês, ele nomeou sua meia-irmã como vice-embaixadora em Londres.

Haya desfrutaria de proteção diplomática nessa nova posição. Mas, considerando a rejeição de seu visto, é questionável se ela realmente será capaz de manter essa posição. Há uma chance de que Haya seja deportada em breve do Reino Unido.

Batalha judicial
A princesa Haya está agora desesperada, mas ainda continua com a sua batalha legal contra Mohammed bin Rashid al-Maktoum. Em novembro, o processo sobre o divórcio e a guarda dos filhos será retomado. Se Haya puder continuar com a guarda de seus filhos, isso significaria uma violação grave da lei da Sharia.

A estrita lei islâmica declara que, em caso de separação temporária ou divórcio, os filhos devem sempre ficar com o pai. No entanto, a princesa agora pediu ao tribunal que temporariamente assumisse a guarda dos filhos. Bin Rashid, por outro lado, exige que seus filhos retornem o mais rápido possível.

Motivo da fuga
Em uma declaração conjunta, ambos disseram que a disputa é sobre os filhos e não sobre o casamento. Segundo a mídia britânica, o guarda-costas da princesa seria o pivô da separação do casal. Russell Flowers, de 36 anos, ex-soldado a acompanhara nos últimos anos na Grã-Bretanha e durante viagens internacionais. No entanto, esse suposto romance não foi confirmado.

Ainda não está claro o motivo da fuga. Fontes próximas à Haya afirmam que ela teria descoberto recentemente informações preocupantes sobre o misterioso retorno a Dubai, no ano passado, da princesa Latifa, uma das filhas de Mohammed. Ela fugiu dos Emirados Árabes Unidos pelo mar com a ajuda de um francês, mas foi interceptada por homens armados na costa da Índia e foi obrigada a retornar a Dubai.

Na ocasião, Haya, junto com a ex-presidente irlandesa Mary Robinson, defendeu a postura de Dubai em relação ao incidente. As autoridades do país afirmaram que Latifa estava “vulnerável à exploração” e que “agora estava em segurança em Dubai”. Mas ativistas de direitos humanos alegam que ela foi levada de volta à força, contra sua vontade.

Desde então, dizem que a princesa Haya teria descoberto novos fatos sobre o caso e sofrido, consequentemente, uma crescente hostilidade e pressão por parte de integrantes da extensa família do marido, até que não se sentiu mais segura no país e fugiu.

A embaixada dos Emirados Árabes Unidos em Londres se recusou a comentar o que diz “ser uma questão pessoal entre dois indivíduos”.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites