Redes Sociais

Mundo

O jornalista alemão de direita que foi deixado para apodrecer na prisão da Venezuela

Douglas Santos

Publicado

em

APM | Scheiber

O jornalista alemão Billy Six foi preso em Punto Fijo em 17 de novembro de 2018 e acusado de espionagem, supostamente por violar um cordão de segurança enquanto cobria uma manifestação contra o ditador venezuelano Nicolás Maduro.

Six, que escreve para os veículos alemães de direita Junge Freiheit e Deutschland-Magazin, estava na Venezuela cobrindo a crise econômica, política e social que assola o país latino-americano quando foi detido pelo Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional sem um mandado judicial.

Ele foi mantido em confinamento solitário na famosa prisão da polícia secreta de Caracas, El Helicoide, sem um advogado ou julgamento, e teve todo o seu dinheiro roubado pelos guardas ao entrar na prisão.

Ele sofria de dengue, mas não tinha acesso a medicamentos. Ele teve que implorar por um cortador de unhas quando suas unhas encravadas ameaçaram sangrar e se infectar. Ele não tinha luz do sol ou chuveiros, e um guarda sentado à sua porta 24 horas por dia, 7 dias por semana, o impediu de falar com outros presos em seu espanhol rudimentar“, disse o site ‘Voice of Europe’.

Seus pais, Ute e Edward Six, afirmam que o governo alemão não se importava com o destino de seu filho por causa de suas opiniões políticas. 

A embaixada alemã só visitou Billy Six na prisão três vezes em quatro meses e se recusou a protestar contra sua prisão. Em vez disso, eles simplesmente ofereceram “apoio consular”, que é o que uma embaixada faria para um criminoso comum preso no exterior.

Eles estavam, na verdade, dizendo que não fariam qualquer coisa por Billy, e que eles aceitam que as acusações sejam válidas – apenas porque não gostam da política de Billy“, disse Edward Six.

Em 1º de março, o palestrante da AfD no comitê de política externa do Bundestag alemão, Petr Bystron, foi visitar os pais em sua casa em Neuenhagen, nos arredores de Berlim, e prometeu ajudá-los.

Depois que o embaixador alemão foi expulso da Venezuela, ficou claro que os únicos que poderiam nos ajudar eram os russos”, explica Bystron.

Depois que todas as tentativas oficiais de contatar o chanceler russo Sergei Lavrov fracassaram, a esposa de Bystron, ex-diplomata de carreira, usou seus contatos para enviar cartas para Lavrov, onde os pais de Billy imploravam por ajuda.

O embaixador entregou as cartas a Lavrov, que estava em Viena, e também se reuniu com o chanceler venezuelano Jorge Arreaza.”

Foram necessários três dias para que Billy fosse solto, o que mostra que o governo alemão simplesmente não estava tentando“, disse Bystron.

Na noite de 15 de março, autoridades venezuelanas concederam a Billy Six liberdade condicional, com ordens de se apresentar às autoridades a cada duas semanas e abster-se de falar sobre seu caso.

CONTATO: [email protected] | Natural de Manaus, estudante de Ciências Econômicas e editor do Conexão Política.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites