Redes Sociais

Noruega

Noruega revoga licenças de residência de afiliados ao Estado islâmico

A política norueguesa está em alto contraste com a vizinha Suécia, onde os políticos defenderam a volta dos combatentes do Estado Islâmico e a tentativa de reintegrá-los à sociedade.

Redação

Publicado

em

O ministro norueguês da Justiça, Jøran Kallmyr. Imagem: Håkon Mosvold Larsen / NTB scanpix

O ministro norueguês da Justiça, Jøran Kallmyr, anunciou que o país estará revogando todas as autorizações de residência concedidas a indivíduos que deixaram a Noruega para se juntar ao Estado Islâmico no Oriente Médio.

O ministro deu a ordem para a Diretoria de Imigração (UDI) retirar as permissões dizendo que somente aqueles com cidadania norueguesa seriam autorizados a pisar no país, relatou o site norueguês Verdens Gang.

Kallmyr acrescentou que, embora os cidadãos noruegueses possam retornar, isso não significa que eles estarão isentos das consequências de terem se juntado ao grupo terrorista.

“Os cidadãos noruegueses que se juntaram ao Estado Islâmico, seja como guerreiros ou com outras afiliações, serão processados ​​se retornarem. Se eles tiverem filhos, eles serão tratados pelo serviço do bem-estar infantil. Isso se aplica àqueles que retornam à Noruega por conta própria ”, disse Kallmyr.

Quando perguntado sobre o número exato de membros do Estado Islâmico que seriam afetados pela nova política, Kallmyr disse que seriam vários, mas os números exatos eram incertos. “Há muitos que supomos estarem mortos, mas não sabemos com certeza. Há falta de informação”, disse ele.

Filhos de membros do Estado Islâmico poderão retornar se eles se qualificarem para a cidadania norueguesa, com o governo procurando trazer de volta aqueles que ficaram órfãos no conflito, bem como outras crianças, se suas mães estiverem dispostas a desistir delas.

A política norueguesa está em alto contraste com a vizinha Suécia, onde os políticos defenderam a volta dos combatentes do Estado Islâmico e a tentativa de reintegrá-los à sociedade.

O primeiro-ministro sueco, Stefan Löfven, descartou em março a ideia de tirar a cidadania de dois cidadãos que se juntaram ao grupo terrorista, dizendo que alguns poderiam enfrentar um possível processo se voltassem.

A Dinamarca aprovou uma lei em março que não permitiria que os filhos de combatentes do Estado Islâmico nascidos no exterior reivindicassem cidadania.

Com informações de The Breitbart.


O Conexão Política é um portal de notícias independente. Ajude-nos a continuarmos com um jornalismo livre, sem amarras e sem dinheiro público » APOIAR

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

O Conexão Política é um portal de notícias independente — compromissado em transmitir os fatos. Analisamos e cobrimos os principais assuntos da política. Contribua: apoia.se/conexaopolitica

alan correa criação de sites