Redes Sociais

Mundo

Nigel Farage relança ‘Partido do Brexit’ como ‘Partido da Reforma’ e fará campanha contra novo lockdown britânico

Thaís Garcia

Publicado

em

Brendan Smialowski | AFP | Getty Images

Nigel Farage está relançando o Partido do Brexit como o Partido da Reforma, expandindo seu mandato para questões pós-independência da União Europeia e fazendo oposição ao novo lockdown britânico.

O líder conservador, que levou o Partido do Brexit à vitória nas últimas eleições para o Parlamento Europeu na Grã-Bretanha, revelou a mudança em vídeo de mídia social filmado nos Estados Unidos, onde ele esteve acompanhando a campanha de seu amigo e aliado Donald Trump.

“Estou aqui em Washington D.C. Faltam dois dias para uma eleição presidencial; que agora está sendo completamente dominada pela crise COVID-19”, disse Farage.

“Aqui está o ponto interessante: Joe Biden acredita que haverá um longo e escuro inverno chegando e que a América precisa travar ainda mais. Esse é o seu argumento para o povo americano, que eles estarão mais seguros com ele.”

“Trump tem uma visão completamente oposta; ele diz que o bloqueio leva ao desastre econômico, leva à depressão em massa e leva a um grande número de pessoas perdendo seus empregos, perdendo sua segurança no emprego, sua sensação geral de bem-estar ”, continuou.

“Pelo menos na América, eles têm uma escolha; pelo menos na América eles estão tendo um debate, porque vamos fechar a partir de quarta-feira [4] – isso foi decretado por Boris Johnson – adivinhe? [O líder trabalhista] Sir Keir Starmer 100% concorda, assim como todos os outros partidos políticos representados em Westminster”, explicou no vídeo.

Farage sugeriu que a votação parlamentar para o segundo bloqueio foi uma mera formalidade, e que o público britânico poderia esperar ver apenas alguns rebeldes simbólicos do Partido Parlamentar Conservador, enquanto os outros seriam “subornados” ou “chantageados”, e expressou preocupação com o impacto na saúde de focar no coronavírus enquanto doenças como diabetes e câncer de pulmão e as vítimas de doenças cardíacas, por exemplo, são negligenciadas.

Ele também expressou preocupação com “os autônomos, os empresários individuais, as pessoas que dirigem pequenos negócios, as pessoas que dirigem pequenos restaurantes”, que serão atingidos por um segundo lockdown.

“Já disse isso, direi de novo: este segundo bloqueio me diz que a cura agora é pior do que a doença, e a frustração que as pessoas estão sentindo por não haver voz política articulando isso – bem, acho que isso pode mudar muito em breve”, declarou.

“Não há voz política se opondo a esse novo bloqueio nacional na Inglaterra. Acho que isso pode mudar muito em breve”, completou Nigel Farage.

Horas depois, na noite de domingo (1º), Farage anunciou o Partido da Reforma, em uma matéria exclusiva do The Telegraph, acompanhado por um artigo conjunto escrito por ele e o presidente do Partido Brexit, Richard Tice.

“Queremos ser conhecidos como o Partido da Reforma. O nome reflete a ambição: Reforma do Reino Unido”, declarou a dupla, prometendo assumir “interesses adquiridos”, incluindo a BBC e a Câmara dos Lordes, e lidar com questões perenes, como imigração e fraude eleitoral.

“Mas a questão mais urgente é a lamentável resposta do governo ao coronavírus”, afirmaram eles, condenando sua “estratégia” de “aterrorizar a nação até a submissão”, enquanto aguarda-se uma vacina.

“As consequências para a saúde e a economia em geral foram devastadoras. Os suicídios estão aumentando, de estudantes presos em residências universitárias a senhoras de 88 anos que não podem ver seus parentes e naturalmente se perguntam: qual é o sentido da vida? ”, escreveram eles, acrescentando que “bloqueios não funcionam: na verdade, eles causam mais mal do que bem”.

A dupla prometeu seu apoio à Declaração de ‘Great Barrington’, assinada por 11.621 cientistas médicos e de saúde pública e 33.141 médicos até o momento da publicação, que acreditam que a abordagem atual para o controle do coronavírus resultou na “piora dos resultados das doenças cardiovasculares, menos exames de câncer e deterioração da saúde mental – levando a um maior excesso de mortalidade nos próximos anos, com a classe trabalhadora e os membros mais jovens da sociedade carregando o fardo mais pesado”.

“A abordagem mais compassiva que equilibra os riscos e benefícios de alcançar a imunidade de rebanho é permitir que aqueles que estão sob risco mínimo de morte vivam suas vidas normalmente para construir imunidade ao vírus através da infecção natural, protegendo melhor aqueles que estão em maior risco”, sugere a Declaração, chamando sua estratégia preferida de“ Proteção Focada”.

“O Reforma é o único partido político significativo que apoia a Declaração de Great Barrington”, enfatizam Farage e Tice.

“Estamos mostrando a coragem necessária para assumir um pensamento consensual e interesses adquiridos na covid. Mas há muitas áreas da vida pública que podem ser melhoradas para beneficiar as pessoas comuns. É por isso que faremos campanha pelo Reforma”.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites