Redes Sociais

Mundo

Milhares de Palestinos se reúnem em Gaza

Athos Menezes

Publicado

em

Milhares de Palestinos se reúnem em Gaza 21

Milhares de Palestinos, incluindo centenas de homens fortemente armados, se reuniram em Gaza nesta quinta-feira para marcar o 30º aniversário da fundação do Hamas. Durante o evento a liderança, em discurso, prometeu reverter o reconhecimento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de Jerusalém como a capital de Israel.

“Vamos derrubar a decisão de Trump”. “Nenhuma superpotência é capaz de oferecer Jerusalém a Israel”.

Com homens armados de outros grupos militantes palestinos que mostraram apoio ao Hamas, Ismail Haniyeh acrescentou: “Estamos marchando em direção a Jerusalém, sacrificando milhões de mártires ao longo do caminho”, e a multidão repetiu seus cantos.

Milhares de Palestinos se reúnem em Gaza 22

Palestinos anunciam combate contra decisão dos EUA sobre Jerusalém. Crédito: Ibraeem Abu Mustufa

Desde o anuncio de Donald Trump, cerca de 15 foguetes foram lançados no sul de Israel. Nenhum dos projéteis causou ferimentos graves ou danos. Os ataques atraíram ataques aéreos israelenses que mataram dois homens armados do Hamas. Dois outros palestinos foram mortos em confrontações com tropas israelenses durante protestos de pedra ao longo da fronteira.

Na última quarta-feira em Istambul, os mais de 50 países muçulmanos presentes condenaram o movimento de Trump e pediu ao mundo para responder, reconhecendo o leste de Jerusalém, capturado por Israel junto com a Cisjordânia na guerra de 1967, como a capital da Palestina. Os palestinos querem o leste de Jerusalém para a capital do futuro estado que procuram.

A declaração de Trump foi aplaudida pelo primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu como um reconhecimento da realidade política e dos links bíblicos dos judeus a Jerusalém, uma cidade que também é sagrada para os muçulmanos e os cristãos.

Nazaré, a cidade árabe-israelense, em que se pensa que Jesus foi criado, cancelou algumas celebrações de Natal em protesto contra o movimento de Trump, disseram funcionários.

Não havia nenhuma palavra de Belém, a cidade palestina da Cisjordânia, que é o local de nascimento tradicional de Jesus, se pesava pesadamente sobre suas celebrações em uma época crucial para o comércio de turistas.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Clássico, Patriota, Cristão e Honesto. Tudo aquilo que o outro lado não gosta!

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites