Redes Sociais

França

Lagosta e champanhe às custas do Estado faz Ministro do Meio Ambiente da França renunciar ao cargo

Thaís Garcia

Publicado

em

Lagosta e champanhe às custas do Estado faz Ministro do Meio Ambiente da França renunciar ao cargo 20
Foto © CHAMUSSY/SIPA

O ministro francês do Meio Ambiente, o socialista François de Rugy, renunciou ao cargo, após escândalos serem publicados na mídia francesa sobre jantares caríssimos que ele havia dado às custas do governo.

François de Rugy disse que ele comunicou sua renúncia ao primeiro-ministro Edouard Philippe, porque o “esforço necessário para combater as acusações” impediu-o de cumprir seus deveres ministeriais “em paz”.

Relatórios e testemunhos
O Ministro do Meio Ambiente foi desacreditado por relatórios de gastos e testemunhos publicados no site de notícias Mediapart. O site descreveu como Fraçois de Rugy – na época presidente da Câmara Baixa da França – e sua esposa celebravam suas festas, com os convidados em sua residência oficial em Paris, em 2017 e 2018.

Os convidados eram recebidos no Hôtel de Lassay, do século XVIII, a imensa moradia e escritório do Presidente da Câmara da Assembleia.

A Mediapart coletou testemunhos, documentos e fotos de um total de cerca de dez “festas”, que não teriam relação com o trabalho do presidente da Câmara.

“Aqueles jantares, geralmente organizados por Séverine de Rugy [esposa]; tomaram tal dimensão que provocou indignação entre os parlamentares”, descreveu uma das testemunhas.

Os participantes disseram à Mediapart sobre champanhe e vinhos caros que foram doados da adega oficial da Câmara Baixa da França. O site publicou fotos das garrafas que vêm com os nomes dos famosos vinhos que foram consumidos, do D’Yquem (265 euros por garrafa) ao Cheval Blanc (550 euros).

O site também publicou fotos de enormes lagostas que foram servidas aos membros de sua família e garrafas de vinho Mouton Rotschild, de 500 euros. Nos jantares, colheres de ouro eram ostentadas sobre a mesa e as pessoas bebiam em copos de cristal.

Lagosta e champanhe às custas do Estado faz Ministro do Meio Ambiente da França renunciar ao cargo 21

Foto: Mediapart

“Os funcionários foram usados até para reuniões íntimas, como o Dia dos Namorados em 2018”, escreve o site. Uma foto mostra um sorridente François de Rugy, sentado à mesa, com dois corações de chocolate, em uma toalha de mesa coberta com pétalas de rosa. “Essa foi uma iniciativa da própria equipe, não foi solicitada”, relatou a Câmara Baixa da França quando perguntada.

Lagosta e champanhe às custas do Estado faz Ministro do Meio Ambiente da França renunciar ao cargo 22

Foto: Mediapart


Justificativa

O ministro repetidamente negou as acusações e comunicou que as refeições pertenciam à sua função. Ele se descreve como um homem comedido e diz que é costumeiro para o Presidente da Assembleia Nacional dar esses jantares. De acordo com o ministro, ele não teria pedido aos chefes de cozinha que pusessem lagosta na mesa.

“Os jantares em questão foram reuniões informais, como presidente da Assembleia, com pessoas do mundo dos negócios, ciência, cultura e mídia”, justificou François.

Indignação

A publicação provocou grande indignação no país. A direita de Les Républicains agora quer uma investigação de todos os gastos feitos com dinheiro público pelo ministro François de Rugy.

Brasil
No Brasil, algo muito semelhante aconteceu. O STF (Supremo Tribunal Federal) divulgou informações sobre um pregão para “serviços de fornecimento de refeições institucionais”. O valor estimado para ser gasto com os fornecedores era de R$ 1,134 milhão, para refeições do café da manhã, “brunch”, almoço, jantar e coquetel.

O cardápio contava com bobó de camarão, camarão à baiana e medalhões de lagosta com molho de manteiga queimada. A lista exigia ainda que fossem colocados à mesa bacalhau à Gomes de Sá, frigideira de siri, moqueca (capixaba e baiana) e arroz de pato. O menu tinha ainda vitela assada; codornas assadas; carré de cordeiro, medalhões de filé e “tournedos de filé”, com molho de mostarda, pimenta, castanha de caju com gengibre.

Quanto aos vinhos, eles recebiam uma atenção especial. Caso fosse um vinho tinto fino seco, deveria de ser Tannat ou Assemblage, contendo esse tipo de uva, de safra igual ou posterior a 2010 e que “tivesse pelo menos 4 premiações internacionais”. Na hipótese dos vinhos brancos, “uva tipo Chardonnay, de safra igual ou posterior a 2013”, com no mínimo quatro premiações internacionais.

 


O Conexão Política é um portal de notícias independente. Ajude-nos a continuarmos com um jornalismo livre, sem amarras e sem dinheiro público » APOIAR

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites