Redes Sociais

Japão

Suicídios no Japão aumentam 16% na segunda onda de covid-19, diz estudo

‘Muitas pessoas também cometeram suicídio porque perderam seus empregos, perderam sua renda e não viam esperança’

Thaís Garcia

Publicado

em

As taxas mensais de suicídio no Japão aumentaram 16% de julho a outubro de 2020 em comparação com o mesmo período do ano anterior, revelaram pesquisadores do Metropolitan Institute of Gerontology em Toquio e da Hong Kong University. O intervalo de três meses coincidiu com a segunda onda de surtos do vírus chinês no Japão, segundo o estudo publicado na revista Nature em 15 de janeiro.

Os pesquisadores apontaram um aumento maior nas taxas de suicídio “entre mulheres (37%) e crianças e adolescentes (49%)”.

As descobertas do estudo contrastam fortemente com os dados de suicídio da primeira onda do vírus chinês no Japão – fevereiro a junho de 2020 – quando o país registrou um declínio de 14% no número de suicídios em todo o país. Alguns observadores atribuíram a queda ao aumento dos subsídios do governo durante os períodos de lockdown, bem como à redução das horas de trabalho e fechamento de escolas. Pesquisadores japoneses sugeriram que as condições podem ter reduzido o estresse diário para os cidadãos tradicionalmente sobrecarregados de trabalho do país.

Os cientistas basearam o estudo de suicídio de 15 de janeiro em dados do Ministério da Saúde japonês de novembro de 2016 a outubro de 2020.

“Ao contrário das circunstâncias econômicas normais, esta pandemia afeta desproporcionalmente a saúde psicológica de crianças, adolescentes e mulheres (especialmente donas de casa)”, escreveram os autores do estudo.

O aumento de 37% nos suicídios femininos foi “cerca de cinco vezes o aumento entre os homens – uma vez que a pandemia prolongada prejudicou as indústrias em que predominam as mulheres, aumentando a carga sobre as mães que trabalham, enquanto a violência doméstica aumentou”, observaram os pesquisadores.

Em 7 de janeiro, o primeiro-ministro japonês, Suga Yoshihide, declarou estado de emergência limitado para Tóquio e três de suas prefeituras vizinhas, depois que as autoridades de saúde registraram um aumento no número de novos casos diários de vírus chinês em toda a região da capital. Suga expandiu o estado de emergência para sete prefeituras adicionais, incluindo Osaka e Kyoto, em 13 de janeiro. As restrições de bloqueio na capital nacional estão programadas para durar até pelo menos 7 de fevereiro e encerrarão ou restringirão o serviço nos 150.000 restaurantes e bares da grande Tóquio .

O ministro da Reforma Administrativa e Regulatória do Japão, Kono Taro, disse à Reuters em 14 de janeiro que o governo federal japonês “não pode matar a economia” em seus esforços para conter o mais recente ressurgimento do coronavírus no Japão, pois isso pode ter um impacto destrutivo na saúde mental coletiva do país.

“As pessoas se preocupam com a covid-19. Mas muitas pessoas também cometeram suicídio porque perderam seus empregos, perderam sua renda e não viam esperança”, disse Kono à Reuters.

“Precisamos encontrar o equilíbrio entre o gerenciamento da covid-19 e o gerenciamento da economia”, acrescentou.

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites