Redes Sociais

Japão

Japão volta a acompanhar pacientes que receberam alta anteriormente, após mulher ser confirmada com coronavírus pela segunda vez, semanas após recuperação

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: Reprodução

Uma mulher que trabalha como guia de ônibus de turismo no Japão testou positivo para o coronavírus pela segunda vez, disse o governo da prefeitura de Osaka, a primeira pessoa conhecida no país a fazê-lo em meio a preocupações crescentes com a propagação da infecção.

Segundo a Reuters, o segundo teste positivo ocorreu quando o número de casos confirmados no Japão aumentou para 189 na quinta-feira, ante 170 no dia anterior.

O Japão pediu que grandes reuniões e eventos esportivos sejam descartados ou adiados por duas semanas para conter o vírus, enquanto prometem que os Jogos Olímpicos de 2020 ainda sigam em frente na cidade.

Os 189 casos relatados pelo Ministério da Saúde do Japão são separados dos 704 relatados por um surto no navio de cruzeiro, Diamond Princess, que foi colocado em quarentena em Tóquio no início deste mês. Um total de 7 pessoas morreram, incluindo 4 passageiros do navio.

Embora seja o primeiro caso conhecido no Japão, foram relatados segundos testes positivos na China, onde a doença se originou no final do ano passado. O surto se espalhou rápida e amplamente, infectando mais de 82.000 pessoas em todo o mundo e matando mais de 2.800, a grande maioria na China continental.

A mulher, residente de Osaka, no oeste do Japão, apresentou resultado positivo na quarta-feira (26), após desenvolver dores de garganta e no peito, informou o governo da prefeitura em comunicado, descrevendo-a como estando na casa dos quarenta. Ela deu positivo pela primeira vez no final de janeiro e recebeu alta do hospital após se recuperar em 1º de fevereiro, segundo o comunicado.

O ministro da Saúde, Katsunobu Kato, disse no parlamento que o governo central precisaria revisar as listas de pacientes e acompanhar as condições das que receberam alta anteriormente, enquanto especialistas em saúde analisavam as implicações de testes positivos para o vírus após uma recuperação inicial.

“Depois de ter a infecção, ela pode permanecer inativa e com sintomas mínimos, e você pode obter uma exacerbação se encontrar o caminho para os pulmões”, disse Philip Tierno Jr., professor de microbiologia e patologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova York.

Tierno disse que ainda há muito desconhecido sobre o vírus. “Não tenho certeza de que isso não seja bifásico, como o antraz”, disse ele, o que significa que a doença parece desaparecer antes de se repetir.

Solicitado a comentar sobre as perspectivas para os Jogos Olímpicos em Tóquio neste verão, Tierno disse: “As Olimpíadas devem ser adiadas se isso continuar … Há muitas pessoas que não entendem como é fácil espalhar essa infecção de uma pessoa para outra”.

Combate ao coronavírus no Japão

O Japão mudou sua estratégia de combate ao contágio, buscando retardar sua propagação e minimizar o número de mortes. A emissora pública NHK disse que a tripulação do Diamond Princess começaria a desembarcar na quinta-feira, e os que não apresentassem sintomas permaneceriam em uma instalação perto de Tóquio para monitoramento adicional.

Como parte das tentativas de conter o surto, as autoridades das Olimpíadas de Tóquio estão considerando reduzir o revezamento da tocha, disse Toshiro Muto, CEO da Tokyo 2020.

O governo também está considerando reduzir a cerimônia comemorativa do 11 de março deste ano para as vítimas do grande terremoto e tsunami de 2011, disse o secretário-geral do gabinete, Yoshihide Suga, a repórteres na quinta-feira.

Enquanto isso, um grande banco japonês informou que um funcionário havia testado positivo para coronavírus. O MUFG Bank, parte do Mitsubishi UFJ Financial Group, o maior emprestador de ativos do país, disse que um funcionário de uma filial da prefeitura de Aichi, no centro do país, confirmou o vírus na quarta-feira.

 

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites