Redes Sociais

Israel

Cientistas israelenses usam partes de animais para construir robôs

Pesquisadores da Universidade de Tel Aviv dizem que esta é a primeira vez que um órgão sensorial animal foi integrado a um dispositivo eletrônico.

Thaís Garcia

Publicado

em

Dror Garti/Flash90

Muitos insetos veem e ouvem melhor do que qualquer câmera ou microfone; é por isso que uma equipe de pesquisadores de Tel Aviv está usando partes de insetos para construir robôs.

Cientistas israelenses conectaram com sucesso uma orelha de gafanhoto em um robô e dizem que a descoberta pode abrir caminho para que partes de animais se tornem os “microfones e câmeras do futuro”.

O robô da Universidade de Tel Aviv “escuta” sons ao seu redor, usando o ouvido de um gafanhoto morto. Ao ouvir uma batida, ele avança; ao ouvir duas palmas em rápida sucessão, ele se move para trás.

Os pesquisadores por trás da descoberta dizem que é a primeira vez que um órgão dos sentidos foi integrado à eletrônica e, portanto, uma “prova de conceito” que mostra que toda a capacidade sensorial das partes dos animais – nariz, olhos, ouvidos e sensores de toque – pode ser aproveitada e informações que eles reúnem alimentadas às máquinas.

“Decidimos usar um ouvido para demonstrar o que podemos fazer, mas o grande negócio é o princípio geral de que podemos usar sistemas sensoriais animais para plataformas robóticas”, disse Ben Maoz, do Departamento de Engenharia Biomédica da Escola de Neurociências Sagol, da Universidade de Tel Aviv (TAU), e um dos estudiosos por trás da invenção, ao The Times of Israel.

Maoz comentou: “Estamos mostrando que é possível pegar o poder de detecção do reino animal, que é muito maior do que qualquer invenção que os humanos construíram, e integrá-lo à nossa tecnologia”.

Isso é “muito emocionante”, disse ele, sugerindo que insetos como os mosquitos, que são abundantes e cujo uso não tende a evocar fortes objeções éticas, serão a melhor fonte de partes do corpo.

“Os insetos são incríveis, se você pensar sobre isso”, disse ele. “Eles são muito pequenos e eficientes em termos de energia, mas têm uma detecção notável e capacidades sensoriais.”

A equipe por trás da descoberta – Maoz, Idan Fishel, Prof. Yossi Yovel e o Prof. Amir Ayali – publicou um artigo detalhando suas realizações na revista Sensors.

“Até agora, os cientistas tiveram algum sucesso usando pele e tecido muscular em máquinas, mas não órgãos dos sentidos”, disse Maoz.

Maoz acredita que “o céu é o limite”, pois os animais têm habilidades incomparáveis ​​até mesmo pelos sensores tecnológicos mais desenvolvidos. “Por exemplo, alguns animais têm habilidades incríveis para detectar explosivos ou drogas, e a criação de um robô com nariz biológico poderia nos ajudar a preservar a vida humana e identificar criminosos de uma forma que não é possível hoje”, comentou.

“Alguns animais sabem detectar doenças. Outros podem sentir terremotos. Podemos começar a integrar algumas dessas habilidades na tecnologia.”

Para desenvolver a tecnologia do gafanhoto, os pesquisadores construíram um robô capaz de responder aos sinais que recebe do ambiente, encontraram uma maneira de manter vivo artificialmente o ouvido do gafanhoto morto e desenvolveram uma maneira de comunicar ao robô os sinais recebidos pela orelha do gafanhoto.

Maoz disse que o potencial de utilização de partes de animais é tão grande que pode reduzir a necessidade de se continuar desenvolvendo setores eletrônicos cada vez mais avançados.

“Isso pode tornar redundantes os desenvolvimentos muito mais complicados e caros no campo da robótica”, disse ele.

Com informações, The Times of Israel.

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.