Redes Sociais

Israel

Ataque terrorista em Jerusalém deixa 14 soldados israelenses feridos

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: MDA

Um ataque terrorista em que um veículo foi usado para atropelar um grupo de soldados Golani deixou 14 feridos. Uma das vítimas está em estado grave. O grupo visitaria o Muro das Lamentações em Jerusalém, durante a noite de quarta-feira (5).

Os terroristas fugiram do local no automóvel, mas as Forças de Segurança Israelenses (IDF) localizaram nesta quinta-feira de manhã (6) o veículo usado no ataque. A caçada ao motorista continua, segundo as autoridades.

O carro usado no ataque terrorista.

O carro, que tinha placas israelenses, foi localizado na vila palestina de Beit Jala, nos arredores de Belém, ao sul da capital. Confrontos em pequena escala ocorreram na vila e nos arredores, enquanto as tropas israelenses procuravam o motorista, que havia fugido do local depois de atingir os soldados.

A mídia local informou que tropas israelenses apreenderam câmeras de segurança em torno de Belém, aparentemente como parte do esforço de busca.

O primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, disse que as forças israelenses logo capturariam o motorista.

“É apenas uma questão de tempo – e não muito tempo – até chegarmos ao agressor”, disse Netanyahu em comunicado.

O grupo de soldados foi atacado na rua David Remez, em Jerusalém, do lado de fora da First Station, um centro de entretenimento popular na capital. As tropas estavam visitando Jerusalém antes de uma cerimônia de posse no Muro das Lamentações.

Os paramédicos Magen David Adom, assistidos pelas forças médicas da IDF, prestaram assistência médica a 14 pessoas que sofreram ferimentos, incluindo uma pessoa que sofreu ferimentos graves e foi evacuada para o Hospital Shaare Zedek.

Além disso, uma pessoa sofreu ferimentos moderados e foi evacuada para o Hospital Hadassah Ein Kerem. 12 pessoas ficaram levemente feridas e foram evacuadas para o Shaare Zedek, Hadassah Ein Kerem e Hadassah MT. Hospitais Scopus.

O voluntário da unidade de respostas a crises United Hatzalah, EMT Aharon Pomp, que foi um dos primeiros a responder na cena do crime, disse que devido à natureza do incidente, unidades de resposta a crises foram enviadas para o local para tratar 8 pessoas que sofriam de choque emocional ou psicológico

Nove dos soldados feridos no ataque foram liberados do hospital nesta quinta-feira(6). O soldado gravemente ferido está sendo operado, mas não corre risco de vida.

“O soldado [ferido] continua em estado grave, mas estável. Ele está inconsciente e conectado a um respirador na unidade de terapia intensiva”, disseram funcionários do hospital.

Tensões

O ataque terrorista ocorreu em meio a um aumento de tensões, após a libertação do plano do presidente dos EUA, Donald Trump, de resolver o conflito entre israelenses e palestinos. A IDF está em um estado elevado de alerta.

Mais tarde nesta quinta-feira, um policial da fronteira ficou levemente ferido quando um terrorista abriu fogo contra ele perto do Monte do Templo, na Cidade Antiga de Jerusalém. Outros policiais no local neutralizaram o agressor, segundo a polícia.

Grupos terroristas

O grupo terrorista Hamas elogiou na quinta-feira o ataque em um comunicado, dizendo que era uma resposta ao plano de Trump.

O grupo terrorista de Gaza também pediu aos palestinos que intensifiquem os confrontos com Israel, depois que as forças de segurança israelenses (IDF) neutralizaram na quarta-feira um jovem palestino de 17 anos que havia jogado um coquetel molotov nas tropas, na entrada da rua Shuhada, durante confrontos na cidade de Hebron, na Cisjordânia.

“Apelamos ao escalonamento dos confrontos com a ocupação e seus colonos e à luta contra seus ataques contra a terra e os locais sagrados, especialmente a abençoada Mesquita Al-Aqsa”, disse o Hamas em comunicado divulgado em seu site oficial, referindo-se ao nome usado por palestinos para o Monte do Templo de Jerusalém.

O grupo terrorista Hamas da Faixa de Gaza, frequentemente incentiva palestinos na Cisjordânia a entrar em conflito com as forças de segurança e colonos israelenses.

Pequenos confrontos entre jovens palestinos e forças de segurança israelenses ocorreram intermitentemente em alguns locais da Cisjordânia desde a publicação do plano de Trump.

Rompendo com as antigas administrações dos EUA, o plano prevê a criação de um Estado palestino em cerca de 70% da Cisjordânia, um pequeno punhado de bairros em Jerusalém Oriental, grande parte de Gaza e algumas áreas do sul de Israel – se os palestinos reconhecerem Israel como um Estado judeu, desarmarem o Hamas e outros grupos terroristas na Faixa de Gaza e cumprirem outras condições.

O plano também permite que Israel anexe assentamentos, concede soberania do Estado judaico sobre o vale do Jordão e recupera o controle de segurança a oeste do rio Jordão, impedindo que terroristas entrem em Israel.

Tanto a Autoridade Palestina (AP) quanto o Hamas rejeitaram veementemente a iniciativa, chamando o plano de paz de “a bofetada do século”.

 

 

 

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites