Redes Sociais

Irã

Em discurso raro, líder supremo do Irã elogia ataques à base americana. “A América é pequena demais para deixar a nação iraniana de joelhos”

Thaís Garcia

Publicado

em

Em discurso raro, líder supremo do Irã elogia ataques à base americana. “A América é pequena demais para deixar a nação iraniana de joelhos” 15
Imagem: AP

Pela primeira vez em 8 anos, o líder supremo do Irã, Ayatollah Ali Khamenei, atacou os países ocidentais enquanto liderava as orações de sexta-feira em Teerã. Ele chamou os países ocidentais de “palhaços americanos” que, segundo ele, pretendem apoiar a nação iraniana, mas querem enfiar suas “adagas envenenadas” nas costas.

Khamenei usou sua rara aparição nas orações semanais para fazer um discurso ardente, no qual insistiu que o Irã não se curvará à pressão dos EUA depois de meses de sanções e uma série de crises recentes – desde a neutralização do alto general iraniano e terrorista Qassem Soleimani até o assassinato dos passageiros do avião ucraniano.

Khamenei disse que os funerais em massa do general Qassem Soleimani, morto em um ataque aéreo dos EUA no início deste mês, mostram que o povo iraniano apoia a República Islâmica, apesar de seus recentes julgamentos. Ele disse que o golpe “covarde” em Soleimani havia derrubado o comandante mais eficaz na batalha contra o grupo do Estado Islâmico.

Em resposta ao assassinato de Soleimani, o Irã lançou uma série de mísseis balísticos contra as tropas dos EUA no Iraque, sem causar ferimentos graves. Khamenei disse que o ataque deu um “golpe à imagem dos EUA” como uma superpotência. Na parte de seu sermão proferido em árabe, ele disse que o “verdadeiro castigo” seria forçar os EUA a se retirarem do Oriente Médio.

Após o ataque com mísseis, quando a Guarda Revolucionária do Irã se preparou para um contra-ataque americano que nunca ocorreu, ele “erroneamente” derrubou um avião ucraniano logo após a decolagem do aeroporto internacional de Teerã, matando todos os 176 passageiros a bordo, a maioria iranianos.

As autoridades iranianas ocultaram seu papel na tragédia por três dias, culpando inicialmente a queda por um problema técnico. Quando isso aconteceu, sua admissão de responsabilidade desencadeou dias de protestos nas ruas, que as forças de segurança dispersaram com munição real e gás lacrimogêneo.

Khamenei considerou a queda do avião um “amargo acidente” que, segundo ele, entristeceu o Irã tanto quanto deixou seus inimigos felizes. Ele disse que os inimigos do Irã se apoderaram do “acidente” para questionar a República Islâmica, a Guarda Revolucionária e as forças armadas.

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Vadym Prystaiko, disse na sexta-feira que seu país quer que o Irã emita um documento formal admitindo sua culpa. Ucrânia, Canadá e outras nações cujos cidadãos morreram no ataque exigiram que o Irã pagasse uma indenização às famílias das vítimas.

Khamenei também atacou a Grã-Bretanha, França e Alemanha depois que elas desencadearam um mecanismo de disputa para tentar trazer o Irã de volta ao cumprimento do acordo nuclear de 2015. O Irã começou a violar abertamente certos limites do acordo em meados do ano passado, mais de um ano depois que o presidente Donald Trump se retirou unilateralmente do acordo e começou a impor sanções. Após a morte de Soleimani, o Irã disse que não estava mais vinculado ao acordo nuclear.

“Esses governos desprezíveis estão esperando para colocar a nação iraniana de joelhos. A América, que é seu ancião, seu líder e seu mestre, não foi capaz de derrubar a nação iraniana. Você é pequena demais para deixar a nação iraniana de joelhos”, disse Khamenei.

Khamenei ocupa o alto cargo do país desde 1989 e tem a palavra final em todas as principais decisões. O líder de 80 anos chorou abertamente no funeral de Soleimani e prometeu “severa retaliação” contra os Estados Unidos.

Milhares de pessoas assistiram às orações de sexta-feira, interrompendo ocasionalmente seu discurso cantando “Alá é maior!” E “Morte à América!”

As tensões entre o Irã e os Estados Unidos aumentaram desde que Trump se retirou do acordo nuclear, que impôs restrições ao programa nuclear do Irã em troca do levantamento de sanções internacionais.

Desde então, os EUA impuseram sanções prejudiciais ao Irã, incluindo sua indústria vital de petróleo e gás, levando o país a uma crise econômica que desencadeou várias ondas de protestos esporádicos e sem líderes. Trump encorajou abertamente os manifestantes – até mesmo tuitando em Farsi – na esperança de que os protestos e as sanções causassem mudanças fundamentais em um adversário de longa data.

Khamenei zombou desses esforços, descartando “esses palhaços americanos que, de maneira falsa e desprezível, dizem que estão ao lado do povo iraniano”. Ele não se referiu a Trump pelo nome, mas estava claramente se referindo a ele e à sua administração.

  “Você está mentindo. Se você apoia o povo iraniano, é porque quer enfiar sua adaga envenenada nas costas da nação iraniana. É claro que você não foi capaz de fazer isso até agora, e não será capaz de fazer coisa maldita nenhuma”, disse Khamenei.

Khamenei sempre foi cético em relação ao acordo nuclear, argumentando que os Estados Unidos não eram confiáveis. Mas, ele permitiu que o presidente Hassan Rouhani concluísse o acordo com o então presidente americano Barack Obama. Desde a retirada de Trump do acordo, ele disse repetidamente que não pode haver negociações com os Estados Unidos.

O último discurso proferido por Khamenei foi em fevereiro de 2012, quando chamou Israel de “tumor cancerígeno” e prometeu apoiar quem o enfrentasse. Ele também alertou contra qualquer ataque dos EUA ao Irã por causa de seu programa nuclear, dizendo que os EUA seriam danificados “10 vezes mais”.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

alan correa criação de sites