Redes Sociais

Irã

Irã executa jornalista que inspirou protestos de 2017

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: Reprodução

O Irã executou no sábado (12) um jornalista exilado por causa de seu trabalho online que ajudou a inspirar protestos econômicos em todo o país em 2017, disseram as autoridades, poucos meses depois de ele retornar a Teerã em circunstâncias misteriosas.

A televisão estatal iraniana e a agência de notícias estatal IRNA disseram que Ruhollah Zam, de 47 anos, foi enforcado na manhã de sábado (12).

Em junho, um tribunal condenou Zam à morte, dizendo que ele havia sido condenado por “corrupção na Terra”, uma acusação frequentemente usada em casos que envolvem espionagem ou tentativas de derrubar o governo do Irã.

O site AmadNews, do jornalista Ruhollah Zam, e um canal que ele criou no popular aplicativo de mensagens Telegram espalharam os horários dos protestos e informações embaraçosas sobre autoridades que desafiavam diretamente a teocracia xiita do Irã.

Essas manifestações, que começaram no final de 2017, representaram o maior desafio para os governantes do Irã desde os protestos do Movimento Verde de 2009 e prepararam o palco para protestos de massa semelhantes em novembro do ano passado.

A faísca inicial para os protestos de 2017 foi um salto repentino nos preços dos alimentos. Mas à medida que os protestos se espalharam de cidade em cidade, a reação se voltou contra toda a classe do regime opressor xiita iraniano.

LGritos desafiando diretamente Rouhani e até mesmo o líder supremo aiatolá Ali Khamenei puderam ser ouvidos em vídeos online compartilhados por Zam. O canal de Zam também compartilhou horários e detalhes organizacionais para os protestos.

O Telegram fechou o canal devido a reclamações do governo iraniano de que “espalhava informações sobre como fazer bombas de gasolina”. O canal mais tarde continuou com um nome diferente. Zam, que disse ter fugido do Irã após ser falsamente acusado de “trabalhar com serviços de inteligência estrangeiros”, e negou ter incitado a violência no Telegram na época.

Durante os protestos de 2017, milhares de pessoas foram detidas e 25 mortas.

Os detalhes da prisão de Zam ainda permanecem obscuros. Embora estivesse baseado em Paris, Zam de alguma forma voltou ao Irã e se viu detido por funcionários da inteligência. Ele era uma das várias figuras da oposição no exílio que retornou ao Irã no ano passado.

A França já havia criticado sua sentença de morte como “um sério golpe à liberdade de expressão e de imprensa no Irã”.

Os Repórteres Sem Fronteiras, um grupo que faz campanha pela liberdade de expressão e de imprensa, disse que o enforcamento de Zam foi um “novo crime da justiça iraniana”.

Uma série de confissões televisionadas foi ao ar no início deste ano sobre seu trabalho.

Zam é filho do clérigo xiita Mohammad Ali Zam, um reformista que já ocupou um cargo político no governo no início dos anos 1980. O clérigo escreveu uma carta publicada pela mídia iraniana em julho de 2017, na qual disse que não apoiaria seu filho por causa das reportagens e mensagens do AmadNews em seu canal Telegram.

O pai de Zam postou no sábado em sua conta no Instagram que as autoridades iranianas não notificaram seu filho de que ele havia sido condenado à execução.

Zam era casado com Mahsā Rāzāni e tinha dois filhos pequenos.

alan correa criação de sites