Redes Sociais

Itália

Investigação maciça contra pedofilia online resulta em buscas, apreensões e prisões na Itália

Durante as buscas foram encontradas imagens e vídeos de violência sexual, principalmente contra bebês.

Thaís Garcia

Publicado

em

Reprodução

Uma investigação bem-sucedida para combater a pedofilia online, realizada pela Polícia Estadual de Itália (Polizia di Stato) de Turim e apoiada pela Europol, levou a 50 investigações e várias buscas em todo o país. Trabalhando com informações da Europol, através do Centro Nacional de Coordenação da Exploração Infantil do Canadá (NCECC), os investigadores italianos flagraram os criminosos produzindo, trocando e tendo em posse material de abuso sexual infantil.

A Europol lida com o recebimento, processamento e distribuição subsequente de relatórios de inteligência do Canadá para todos os Estados-Membros da UE. Nesse caso, os dados foram enviados pela Europol em meados de janeiro de 2019. Com base nesses dados, o Ministério Público de Turim dirigiu a investigação “Operação Comunidade 50”, coordenada pelo Centro Nacional Italiano de Combate ao Abuso de Crianças (CNCPO) da Polícia Italiana. A operação envolveu 200 investigadores em toda a Itália.

As buscas relatadas pela polícia levaram à prisão de três indivíduos, além da apreensão de milhares de arquivos. Durante o curso da investigação, os policiais descobriram que um dos suspeitos identificados havia sido preso anteriormente por abuso sexual de crianças. Outras descobertas incluíram imagens e vídeos de violência sexual em que as vítimas eram principalmente bebês, material de abuso envolvendo animais, crianças de 6 anos e suspeitos que usavam abreviações para cometer abuso infantojuvenil.

O Ministério Público de Turim declarou que a investigação foi longa e complexa, envolvendo o rastreamento dos apelidos usados ​​pelos suspeitos on-line e a localização dos suspeitos por trás de suas atividades criminosas. Uma combinação de investigação ‘open source’ (de código aberto) e análise técnica foi usada durante o processo.

O Chefe Interino do Centro Europeu de Cibercrime da Europol (EC3), Fernando Ruiz, disse:

“O papel da Europol em fornecer um meio seguro de canalizar esses relatórios do Canadá para a polícia dos Estados-Membros da UE é essencial para garantir que essa inteligência valiosa possa ser investigada e usada. Esta operação coordenada por nossos colegas italianos e dirigida pelo Ministério Público de Turim mostra a importância de uma rápida cooperação internacional e recursos dedicados para tornar as crianças mais seguras.”

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites