Redes Sociais

Inglaterra

Meninas de 10 anos são suspensas por uma semana da escola, por pedirem para serem dispensadas de aula LGBT

Thaís Garcia

Publicado

em

Karen Francis e sua filha Kaysey. Imagem: Ray Wells

Na Inglaterra, duas meninas de dez anos de idade, Kaysey Francis-Austin e Farrell Spence, foram suspensas da escola por uma semana, depois de pedirem permissão ao professor para serem dispensadas de participar de uma aula LGBT, do “Mês do Orgulho Gay”.

“Antes que alguém soubesse o que significava LGBT, todo mundo sabia de qual sexo era. Mas agora, as pessoas estão confusas. E eles estão dizendo que são bissexuais e trans, porque estão confusos”, explicou Kaysey, de 10 anos, que junto com sua colega de classe, Farrell, foi suspensa da Escola Primária Heavers Farmer, localizada em Croydon, no sul de Londres.

“Isso está realmente afetando outras crianças, porque agora elas estão perdendo a confiança em si mesmas, olhando para si e perguntando: ‘Por que eu sou essa pessoa? Por que não posso ser outra pessoa? ’. Antes de tudo isso acontecer, as pessoas sabiam quem elas eram. As crianças estão sendo forçadas a ‘escolher seu sexo’ aos 4 anos de idade”, acrescentou Kaysey.

Diretora
Susan Papas, diretora da Escola Primária Heavers Farmer, em Croydon, foi quem suspendeu as duas crianças da escola por 5 dias, alegando comentários discriminatórios anti-LGBT. A diretora foi denunciada às autoridades locais por causa de um ato ilícito.

Kaysey também informou que a filha de Papas, Attie Copeman-Papas, é lésbica, e que o assistente da diretora, Robert Askey, é homossexual. Attie Papas é uma estudante de pós-graduação em Sociologia do Esporte e Teoria Feminista. Seus trabalhos incluem “Uma abordagem psicanalítica feminista dos papéis do pênis, do falo e das normas hegemônicas do sexo na pornografia feminista”.

Susan Papas disse desafiadoramente: “Defendemos nossa decisão de celebrar o mês nacional do orgulho ensinando os valores britânicos”.

Ambas as mães deixaram claro que suas filhas não retornarão à escola, a menos que Susan confirme que nada será dito pelos membros da equipe ou aos colegas das crianças, sobre os eventos que levaram à sua decisão ilegal de suspendê-las.

Christian Concern, um grupo de defesa que procura restaurar a fé cristã no Reino Unido, denunciou o ato de Susan que levou à suspensão das duas alunas.

Entenda o caso
Em 20 de junho deste ano, quando o professor, Alex Smith, distribuiu o material LGBT para colorir na sala de aula, Farrell, sentada ao lado de sua amiga Kaysey, comunicou ao seu professor que não poderia participar daquela lição. O professor recusou permissão, dizendo que a aula LGBT fazia parte do currículo.

Depois da aula, o professor acusou Farrell de usar “linguagem homofóbica” por supostamente dizer: “LGBT é uma merda e é uma tolice”, o que a criança nega.

Farrell, que estava sentada ao lado de Kasey, que é cristã, disse ao professor que ela não concordava com a aula LGBT, por causa de sua fé.

Então, o professor perguntou às duas crianças: “Vocês querem que elas morram? ”. “Nós dissemos não”, respondeu Farrell. E acrescentou que ela era de origem africana-jamaicana, e que lá todos são cristãos. E que então, não concordavam com o movimento LGBT.

De acordo com Kaysey, mais tarde, a diretora Susan entrou na classe, e gritando, mandou as duas crianças irem para a frente da turma. “Como vocês ousam? Vocês são uma decepção para a escola! ”, disse Susan às duas meninas.

Em seguida, Susan levou as duas para outra sala e perguntou a Kasey: “Como você se atreve a dizer que quer matar pessoas LGBTs? ”. Kasey respondeu: “Eu não disse matar ”. Papas então gritou furiosa: “Sim, você disse e não minta!”

Kaysey, que cresce em um lar evangélico, disse que foi mantida em detenção por 5 horas, das 10h às 15h.

A versão da história de Kaysey e Farrell, que difere amplamente do que o professor e a diretora da escola alegaram, foi corroborada por suas colegas de classe.

Outra mãe, Ruth Anderson, disse que Susan abusou de seu papel como diretora, no planejamento da marcha do “Orgulho Gay” e deveria pedir demissão. Ruth disse que vários pais haviam protestado, recusando-se a deixar seus filhos irem para a escola no dia da marcha.

“Havia bandeiras de arco-íris ao redor da escola, e as crianças foram até instruídas a usar cores brilhantes. Isso não é ter orgulho de si mesmo, é um apoio gritante ao ativismo LGBT. Eu não sou homofóbica, mas minha fé me ensina um certo conjunto de crenças, e eu não quero que a escola da minha filha faça escolhas por ela”, disse Anderson.

Ato ilícito
A mãe de Farrell, Lisa Spence, e a mãe de Kaysey, Karen Francis, queixaram-se ao Diretor Principal da escola formalmente, por uma carta de reclamação, alegando: Exclusões de Prevenção da autoridade local, citando o parágrafo 13 da Diretriz de Exclusões estatutária (2017): “É ilegal excluir [isto é, suspender] por uma razão não disciplinar “.

Ambas as mães insistem que suas filhas não fizeram comentários homofóbicos. Elas citam o parágrafo 8 da Diretriz de Exclusões: “Ao estabelecer os fatos em relação a uma decisão de exclusão, o diretor deve aplicar o padrão civil da prova, ou seja, ‘no equilíbrio das probabilidades’ é mais provável que um fato seja verdadeiro, em vez do padrão penal de “além da dúvida razoável”.

As mães também observam que “a imposição de uma exclusão de 5 dias [ou seja, suspensão] carece tanto da proporcionalidade e justiça necessárias (parágrafo 6 da Orientação) necessárias para justificar uma punição tão longa” dada a “idade, maturidade, religiosidade e fundo cultural ” de suas filhas.

Elas também acusaram o diretor de reprovação de “eliminar a discriminação baseada em religião ou crença”, conforme estabelecido pela Lei de Igualdade da Grã-Bretanha de 2010.

Os pais citam a Seção 9 da Convenção Europeia de Direitos Humanos, insistindo que o Protocolo 1, Artigo 2 cria uma obrigação estatutária da escola, de respeitar a maneira pela qual os pais buscam criar seus filhos, de acordo com sua fé cristã.

As mães pediram que suas filhas sejam dispensadas de qualquer outro ensino ou atividades que envolvam a promoção de pontos de campanha LGBT.

Agenda militante de Susan Papas
Esta não é a primeira vez que a promoção militante de Susan Papas da agenda LGBT despertou a ira dos pais na escola, que educa 750 alunos, em um bairro altamente multicultural e com grande diversidade religiosa de Londres.

A diretora e militante Susan Papas. (BPV Media)

Em junho de 2018, os pais ameaçaram protestar em uma parada do “Orgulho Gay”, organizada pela escola em seu playground. Susan convidou os pais para assistirem ao desfile “Orgulho de ser eu!” e celebrarem “o arco-íris das coisas que tornam suas famílias especiais”.

Catorze pais cristãos reclamaram que a diretora estava forçando uma agenda LGBT muito agressiva para crianças pequenas.

A mãe cristã, Izoduwa Montague, recusou-se a permitir que seu filho de 4 anos participasse da parada e queixou-se ao secretário de Educação, Damian Hinds, de que a escola havia se envolvido em “proselitismo sistemático de seus jovens e vulneráveis alunos”.

Montague diz que se sentiu “intimidada” depois que ela se queixou de seu filho, sendo forçada a participar de um evento que vai contra sua crença cristã. Ela, então, transferiu seu filho para uma escola católica.

Os pais ficaram ainda mais indignados quando Attie Papas, a filha lésbica de Susan, usou em uma reunião com eles, uma camiseta com as palavras: “Por que ser racista, sexista, homofóbico ou transfóbico, quando você pode ficar calado?”.

Perigos da imposição da ideologia sexual
O grupo de defesa britânico Christian Concern, publicou em seu Twitter: “Kaysey foi manipulada, intimidada e excluída ilegalmente por seu diretor, por supostos comentários anti-LGBT. Kaysey categoricamente nega as alegações e ela é apoiada por crianças de sua classe. ”

“Os pais estão começando a ver os perigos da imposição da nova ideologia sexual que não permite a dissidência, mesmo de crianças inocentes de 10 anos”, disse Andrea Williams, executiva-chefe do Christian Legal Centre, que está ajudando as duas alunas e suas famílias neste caso.

“Este incidente destaca novamente quão agressiva e intolerante a agenda LGBT pode ser. Uma ideologia que tem que recorrer a táticas tão pesadas, para forçar crianças de 10 anos a aceitar algo, que instintivamente elas não fazem. Mas, isso apenas destaca como a ideologia de sexo é esmagadora de vidas”, continuou Williams.

“Aqui vemos a fragilidade de toda essa agenda sexual imposta aos nossos filhos, que são incapazes de resistir ao ataque…Quando os ‘valentões’ sabem que o direito não está do lado deles, recorrem à coerção e à intimidação. Isso é exatamente o que está acontecendo na Escola Primária Heavers Farm ”, concluiu Williams.

Assista ao vídeo (em Inglês) do depoimento de Kaysey Francis-Austin:

 


O Conexão Política é um portal de notícias independente. Ajude-nos a continuarmos com um jornalismo livre, sem amarras e sem dinheiro público » APOIAR

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites
2r1cl5phksggddln