Redes Sociais

Artigo

Índia: A perseguição aos cristãos no Governo de Narendra Modi

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: Colagem

A Índia hinduísta ficou em 10º lugar na Lista Mundial da Perseguição aos cristãos de 2020 (LMP), o mesmo da LMP de 2019. Lugar no ranking à frente de países islâmicos como a Nigéria, Arabia Saudita, e Malásia, e a China comunista. O fato da pontuação (com 83 pontos) parecer estar se nivelando não significa que podemos esperar melhoras para os cristãos em breve – na verdade, o futuro não parece nada bom. Ter a mesma pontuação do ano passado é mais uma indicação de que o nível de cristãos sendo perseguidos na Índia continua extremo. Desde que o atual governo do primeiro-ministro Narendra Modi (BJP) chegou ao poder, em maio de 2014 (e foi reeleito para um mandato ainda maior em maio de 2019), a posição da Índia na LMP subiu. Radicais hindus aumentaram os ataques e o nível de impunidade é muito alto.

Todos os cristãos estão passando por perseguição na Índia, uma vez que os radicais hindus os veem como alienados à nação. Eles querem limpar o país do islamismo e do cristianismo e não se esquivam de usar a violência para isso. Converter-se ao cristianismo – quando se vem de uma família hinduísta – é suportar o peso da perseguição na Índia e estar constantemente sob pressão para retornar ao hinduísmo. Muitas vezes, os cristãos ex-hindus são agredidos fisicamente e até mortos.

Cenário religioso

A Índia é o segundo país mais populoso do mundo, com 1,4 bilhão de habitantes, ficando atrás da China. De acordo com o World Christian Database (WCD), a maior religião do país é o hinduísmo, com 72,5% da população. O hinduísmo domina a Índia há séculos (começou a se desenvolver entre 500 e 300 a.C.).

A segunda maior religião na Índia é o islamismo, com 14,4% da população. Isso pode parecer uma minoria sem importância até você perceber que a Índia é o país com a segunda maior população muçulmana na Terra – apenas a Indonésia tem mais muçulmanos. A Índia é o lar de mais muçulmanos do que os vizinhos Paquistão e Bangladesh.

O cristianismo é a terceira maior religião na Índia, com 4,8% da população (66,2 milhões). O grupo cristão que mais cresce na Índia é o de comunidades cristãs não-tradicionais, o que inclui convertidos de outras religiões ao cristianismo, ou seja, que não são descendentes de cristãos. A burocracia e a corrupção são fatores bastante conhecidos em toda a Índia. Por um lado, se os cristãos tentam construir uma nova igreja, ou renovar uma existente, encontrarão muita burocracia e oposição. A única maneira de ignorar o obstáculo da burocracia é o pagamento de subornos. Muitos dos funcionários de baixos níveis da administração pública, cuja renda é baixa, alegam precisar desse dinheiro extra da corrupção para sobreviver. Os cristãos na Índia constantemente enfrentam esses obstáculos, em quase todos os aspectos da vida.

Em seguida, vêm as chamadas etno-religiões, com 3,8% da população, que são religiões tribais tradicionais anteriores à chegada do hinduísmo e do budismo no país. Por último, está o budismo, com 0,7% da população, e se originou na Índia Antiga em algum momento entre os séculos 4 e 6 a.C., de onde se espalhou por grande parte da Ásia.

Governo Modi e a intolerância religiosa

Desde que Narendra Modi assumiu o poder, em maio de 2014, o nível de perseguição aos cristãos subiu dramaticamente. Apenas falar sobre a fé cristã para um grupo maior de familiares é agora considerado como uma forma de evangelismo. A intolerância cresceu nos últimos cinco anos. Apenas revelar a fé cristã pode ser considerado como evangelismo aos olhos dos radicais hindus.

A crescente hostilidade contra cristãos é cada vez mais expressa no uso das redes sociais, embora não limitado a esse meio. Nas eleições de abril e maio de 2019, o Partido do Povo Indiano (BJP) ganhou com maioria absoluta no parlamento, o que significa que Modi permanecerá no poder pelos próximos cinco anos. Portanto, hindus radicais continuarão a atacar muçulmanos e cristãos impunemente, e é provável que o nível de violência permaneça extremo.

As tendências ditatoriais do governo de Modi, do BJP) podem ser percebidas. Controle de mídia social, discursos inflamatórios e amordaçar a mídia que questiona os esquemas e números retratados pelo governo são apenas alguns dos sinais de um crescente movimento ditatorial dentro dos círculos governamentais. Ataques, inclusive notícias falsas, foram desencadeados por máquinas estatais contra jornalistas, líderes da oposição, ativistas de direitos humanos e líderes da mídia. A propaganda contra religiões “alienígenas” como o islamismo e o cristianismo também está aumentando.

O BJP é bom no uso de modernas tecnologias e mídias sociais para promover sua agenda. Ele também cria notícias falsas para atacar seus oponentes. Segundo os líderes do BJP, muçulmanos e cristãos devem ser removidos da Índia até 2021.

Violência física e os direitos humanos

Uma grande questão social na Índia é o enorme nível de violência física e a falta de respeito pela vida humana. Homicídios de honra, ataques com ácido, linchamentos por multidões, execuções e muitas outras atrocidades acontecem todos os dias e em todo o país. Os cristãos são muitas vezes vítimas dessas práticas, o que as longas listas de incidentes violentos publicados anualmente testificam.

Os radicais hindus ganharam impulso desde o início da década de 1990. Seu objetivo final é tornar a Índia de um “país laico”, conforme definido pela Constituição do país, em um país onde o hinduísmo é a religião do Estado. Ao longo dos anos, radicais hindus realizaram numerosos ataques violentos contra todas as minorias religiosas não hindus. Houve pouca ou nenhuma proteção contra esses ataques das autoridades locais, estaduais ou nacionais.

A administração do primeiro-ministro Modi se recusa a falar contra essa violência, o que resulta em um aumento constante do nível de impunidade. Os policiais locais têm a má reputação de serem corruptos. Nos estados e muitas áreas onde o BJP forma o governo, os policiais são conhecidos por não serem neutros e muitas vezes estarem ao lado de radicais hindus. Eles revistam reuniões cristãs, emitem ameaças aos cristãos, se recusam a registrar queixas relatadas por cristãos e dão asilo a extremistas hindus. Quando nossos irmãos querem registrar uma queixa, em 90% dos casos a polícia local se recusa a fazê-lo. Os policiais também têm uma reputação de brutalidade, batendo e maltratando cristãos sob custódia.

Abuso de mulheres, infanticídio feminino e o aborto

Mulheres e meninas na Índia também são negligenciadas e percebidas como inferiores. Elas têm taxas mais baixas de alfabetização e educação. A preferência da sociedade por meninos leva ao aborto seletivo de meninas e ao infanticídio feminino.

A Índia tem um crescente déficit populacional feminino de 35 milhões de mulheres. A mídia na Índia traz relatos de estupros de mulheres todos os dias. As forças policiais muitas vezes não mostram interesse real em ajudar as vítimas ou levar justiça sobre os criminosos. Não há diferença na situação de mulheres e meninas se elas são cristãs.

Comunismo maoísta

Outro grande problema social para os cristãos na Índia é a presença dos maoístas, mais conhecidos como naxalitas. Os naxalitas são remanescentes do período da Guerra Fria, eles são militantes comunistas cujas fortalezas são encontradas nas regiões mais pobres da Índia.

Essas são regiões difíceis de ser controladas, como Andhra Pradesh, Bihar, Chhattisgarh, Jharkhand, Kerala, Maharashtra, Odisha e Telangana. Os cristãos que vivem em áreas sob o controle naxalita são constantemente monitorados e não podem praticar a fé em público.

Se eles se recusarem a seguir todos os comandos, os naxalitas os escolherão e darão um exemplo durante uma reunião especial da aldeia. Isso pode ser limitado a uma batida grave, ou até uma execução pública.

Há algumas razões principais por que os cristãos estão sujeitos à violência nas regiões de tendência naxalita: Moradores locais que são geralmente anticristãos às vezes encorajam ações naxalitas contra os cristãos, convencendo-os de que os cristãos são informantes que denunciam as atividades dos naxalitas. Como resultado, os naxalitas não hesitam em sequestrar, agredir e matar cristãos. Cristãos são conhecidos por compartilhar a fé e, portanto, ajudar a converter as pessoas, até mesmo líderes naxalitas, ao cristianismo. Isso enfurece a comunidade naxalita que, então, sequestra e mata líderes cristãos.

História da Índia

A partir de 1920, o líder Mahatma Gandhi liderou protestos contra o governo colonial britânico, o que acabou levando a Índia à independência, em 1947. Nessa ocasião, a maioria muçulmana que vivia no norte do país se separou, fundando o Paquistão como uma nação muçulmana. Em 1971, a guerra contra o Paquistão Oriental originou outro país, Bangladesh.

Desde a década de 1990, a Índia também assumiu um papel muito mais assertivo na política mundial e tentou se tornar uma das novas superpotências. A Índia é membro do grupo de países BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). A Índia possui tecnologia nuclear. Inclusive lançou a própria sonda Mars.

Outra característica que mudou na Índia nas últimas décadas é a diminuição do nível de tolerância. Tradicionalmente, o hinduísmo e o budismo, ambos originários da Índia, costumavam ser considerados pacíficos. Mas desde a década de 1990, o hinduísmo assumiu um caráter muito mais violento. Diminuiu a tolerância para a dissidência, as minorias, o respeito pela diversidade religiosa e cultural. Uma parte substancial da população simpatiza com a liderança autoritária. Essa liderança não hesita em impor sua vontade aos opositores por meios violentos.

Desde maio de 2014, a Índia é governada pelo Partido do Povo Indiano (BJP), de linha-dura, sob a liderança do primeiro-ministro Narendra Modi. Modi, aliás, tem má reputação por ter ignorado atrocidades cometidas por extremistas hindus quando era ministro-chefe do Estado de Gujarat em 2002, onde centenas, senão milhares, de muçulmanos morreram em um ataque marcado pela violência. Desde maio de 2014, o nível de intolerância na Índia aumentou e centenas de incidentes violentos são registrados a cada ano.

Cenário político e legal

A Índia é uma entidade política complexa. É uma federação com um governo central em Nova Deli que tem poderes relativos a assuntos estrangeiros, exército e economia. O país é composto por 29 estados e 7 territórios sindicais (áreas administradas pelo governo central).

A Constituição da Índia declara que o país é um “Estado secular”. Os radicais hindus se mobilizam para mudar isso, declarando o hinduísmo como a religião nacional. Eles também querem impor uma legislação anticonversão em nível nacional, mas para isso é necessário uma maioria de dois terços no parlamento. Apesar da postura secular oficial na política e no exército, o hinduísmo muitas vezes funciona como a religião padrão. Cristãos e muçulmanos estão em clara desvantagem.

Apesar da disposição constitucional de que a Índia tem liberdade religiosa, cada estado define a própria política em relação à religião. Nove deles (Orissa, Himachal Pradesh, Gujarat, Madhya Pradesh, Chhattisgarh, Jharkhand, Uttarakhand, Rajastão e Arunachal Pradesh) implementaram a chamada legislação anticonversão, enquanto os demais testemunham um amplo mau uso de um tipo de lei de blasfêmia do código penal indiano 295-A. No entanto, mesmo nos estados em que a lei não foi implementada, a polícia prendeu cristãos por “atividades evangelísticas”.

Os cristãos não têm um grande partido político, exceto algumas tentativas em Andhra Pradesh e pelo menos uma em Uttar Pradesh. Os cristãos só podem se juntar em festas tradicionais. Pode ser uma surpresa alguns desses irmãos terem se juntado ao BJP. De fato, muitos cristãos votaram em Modi porque gostaram da sua agenda econômica e esperavam que ele acabasse com a inércia que caracterizava a era de Manmohan Singh.

Os cristãos também não estão presentes no corpo judicial.

Em maio de 2019, a Índia realizou eleições parlamentares e o apoio a Modi cresceu ainda mais com o BJP ganhando com maioria absoluta. Isso significa que não é mais necessário para o partido fazer coalizões com outros partidos (e assim ceder às exigências). Portanto, é esperado que cristãos e muçulmanos não vejam melhorias em sua situação; é mais provável que as coisas piorem para eles.

Em agosto de 2019, o governo de Modi decidiu retirar o artigo 370 do estado de Jammu e Caxemira – esse artigo prevê uma isenção do estado da Constituição indiana. O governo decidiu fazer isso para pôr fim a uma rebelião muçulmana que está acontecendo em Jammu e Caxemira há duas décadas. A decisão de colocar um fim à posição especial foi um evento importante na história da Índia. O artigo 35-A foi removido também, o que permitiu ao estado ter prerrogativa sobre a cidadania. O processo foi conduzido com pesada força militar no estado. Depois que a lei foi aprovada no parlamento, Jammu e Caxemira foram rearranjados: perderam a condição de estado e foram separados em dois “territórios da União” denominados Jammu & Caxemira e Leh & Ladakh. O governo central em Nova Deli tem muito mais poder em territórios da união do que em estado. Como resultado, a Índia agora tem 28 estados.

Cenário econômico

A Índia era considerada um país em desenvolvimento nas primeiras décadas após a independência, em 1947. Isso mudou completamente devido às políticas liberais na década de 1990: agora, a Índia tem uma das economias de crescimento mais rápido do mundo, mesmo a crise econômica de 2008-2014 afetando esse crescimento de forma marcante.

De acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), em agosto de 2018, o PIB (Produto Interno Bruto) era de $ 2,8 trilhões de dólares e o país foi considerado a 5ª maior economia por taxa de câmbio do mercado. Mas a pobreza ainda é alta, atingindo 30% da população. Os cristãos tendem a estar em uma posição ainda mais desfavorável, pois muitas vezes não têm acesso à educação e, portanto, se encontram nas camadas mais baixas da sociedade.

Em 8 de novembro de 2016, o governo da Índia anunciou a desmonetização de todas as notas de 500 e 1.000 rúpias da série de Mahatma Gandhi. Também anunciou o lançamento de novas notas de 500 e 2.000 rúpias. A decisão foi promulgada por decisão unilateral do primeiro-ministro Modi, que tornou as notas de 500 e 1.000 rúpias ilegais de uma só vez. A decisão levou à devastação do setor informal (45% da economia indiana), deixando uma grande população das classes baixa e média-baixa abaixo da linha da pobreza, sem emprego e com um futuro econômico incerto. O recente declínio da economia indiana se deve a essa decisão, pois a desmonetização deixou 12 milhões de indianos sem emprego. O movimento foi um golpe significativo para a igreja, porque um grande número de cristãos da igreja doméstica pertence às categorias afetadas.

Receber apoio financeiro do exterior também tornou-se muito difícil na Índia. Todas as ofertas e apoios precisam ser reportados ao escritório de impostos. O trabalho das ONGs cristãs sofreu com isso. A maioria dos cristãos pertence às camadas sociais mais baixas e pobres. Eles enfrentam os desafios diários de discriminação, pobreza, analfabetismo, cuidados inadequados de saúde pública e desnutrição. Muitas igrejas não têm recursos financeiros para fazer algo sobre isso. Elas precisam de assistência do exterior para executar projetos sociais, mas as restrições governamentais tornam isso praticamente impossível.

Os cristãos são o maior grupo desempregado entre todas as minorias da Índia, sem incluir o número da população de novos convertidos, que oficialmente mantêm o status hindu devido a razões socioeconômicas. Se esse número de cristãos não oficiais fosse incluído, o número de cristãos desempregados seria ainda maior.

Triste sistema de castas

A Índia tem mais de 2.000 grupos étnicos e todas as principais religiões são representadas. Somente o continente africano ultrapassa a diversidade linguística, genética e cultural da nação indiana. A maioria dos idiomas usados são: dialetos hindus (41,03%); bengali (8,11%); telugu (7,19%); marathi (6,99%); tamil (5,91%); urdu (5,01%); gujarati (4,48%); e kannada (3,69%).

A característica social mais destacada da Índia é o sistema de castas – uma estratificação hierárquica da sociedade indiana que remonta a muitos séculos e é de fundo religioso. De acordo com a tradição chamada Varna, existem quatro castas (brahmins, kshatriyas, vaishyas e shudras), além de uma lista de grupos, agora conhecidos como dalits, que foram historicamente excluídos do sistema Varna e ainda são condenados ao ostracismo como “intocáveis”. O sistema de castas é onipresente na Índia, com castas superiores governando o país.

Pode ser surpreendente que o sistema de castas também permeie a igreja na Índia. A maioria dos cristãos vem das castas inferiores ou mesmo dos dalits. Eles se convertem do hinduísmo querendo escapar da situação de “intocáveis”, mas descobrem que existem as mesmas barreiras dentro da igreja. Muitos ficam desapontados, o que faz parte da explicação de por que a campanha de Ghar Wapsi dos radicais hindus foi efetiva (Ghar Wapsi – “volta para casa”, em tradução livre, um termo que descreve o esforço de reconverter aqueles que abandonaram o hinduísmo). A abolição do sistema de castas dentro da igreja é um grande desafio que terá de ser tratado no futuro.

A igreja na Índia

De acordo com a tradição mais antiga, o apóstolo Tomé foi à Índia no século 1 e estabeleceu as primeiras igrejas na região – principalmente em Kerala. Assume-se que os primeiros convertidos eram em grande parte prosélitos judeus de Cochin – acredita-se que chegaram à Índia em torno de 562 a.C., após a destruição do Primeiro Templo em Jerusalém. Outra tradição menciona que Bartolomeu visitou a Índia no século 2.

No século 4, vários cristãos do Oriente Médio foram para a Índia a fim de evangelizar. A colônia dos cristãos sírios estabelecidos em Kodungallur pode ser a primeira comunidade cristã no sul da Índia sobre a qual há um registro escrito contínuo. O líder mais importante desses cristãos era Tomás de Cana.

O missionário dominicano Jordanus Catalani foi o primeiro europeu católico a chegar na Índia em 1320 e iniciou um trabalho missionário na cidade de Surat. O século 15 viu o surgimento do colonialismo. Para a Índia, isso significou a chegada dos portugueses em Goa e outras cidades, e com eles missionários das diferentes ordens (franciscanos, dominicanos, jesuítas, agostinianos, etc.) que começaram imediatamente a construir igrejas ao longo dos distritos costeiros, onde o poder português se estabeleceu.

Os primeiros missionários protestantes a pisar na Índia foram dois luteranos da Alemanha, Bartholomäus Ziegenbalg e Heinrich Plütschau, que começaram a trabalhar em 1705 no assentamento dinamarquês de Tranquebar (agora conhecido como Tharangambadi em Tâmil Nadu). Em 1793, William Carey, um ministro batista inglês foi para a Índia como missionário. Ele trabalhou em Serampore, Calcutá e outros lugares. Ele traduziu a Bíblia para bengali, sânscrito e inúmeras outras línguas e dialetos. Carey trabalhou na Índia até sua morte em 1834.

Durante o século 19, vários missionários batistas norte-americanos evangelizaram no nordeste da Índia. Ainda hoje, as maiores concentrações de cristãos na Índia continuam sendo no nordeste, entre os grupos de nagas, khasis, kukis e mizos.

Igreja na atualidade

Há vários grupos de estrangeiros ativos na Índia, não apenas de ocidentais que moram no país, que têm as próprias congregações, mas também refugiados. Um exemplo é a comunidade afegã que tem uma congregação em Nova Deli. Na maioria das vezes, essas congregações não atraem a ira dos extremistas hindus na Índia por duas razões: 1) eles têm uma associação étnica muito distinta; 2) não são ativos na evangelização dos cidadãos indianos.

As comunidades cristãs históricas estão na Índia há muitos séculos, como a igreja ortodoxa Kerala Mar Thoma, que data do século 3 d.C. Essas igrejas não crescem muito porque não são ativas na evangelização. Mesmo assim, até mesmo esse grupo é atacado por extremistas hindus que vandalizam igrejas e objetos religiosos.

As comunidades de convertidos para o cristianismo são o primeiro alvo de extremistas hindus. Os convertidos do hinduísmo assumem o peso da perseguição na Índia e enfrentam assédio diariamente e são constantemente pressionados para voltar ao hinduísmo. Os convertidos são agredidos fisicamente, hospitalizados e, algumas vezes, mortos. Eles vivem majoritariamente no interior, onde enfrentam pressão social não apenas da família, amigos, comunidade e sacerdotes hindus locais, mas também de radicais hindus.

Quanto às comunidades cristãs não-tradicionais, depois dos cristãos convertidos de outras religiões, os evangélicos são considerados o segundo principal alvo dos radicais hindus. Isso por causa do envolvimento com atividades evangelísticas e conversões – por isso enfrentam ataques regularmente.

A perseguição aos cristãos

Radicais hindus consideram tanto o islamismo quanto o cristianismo religiões estrangeiras que devem ser removidas do país. Portanto, muçulmanos experimentam um tratamento parecido nas mãos dos militantes hindus. Budistas e siques são muito mais aceitos pelos radicais hindus, pois essas religiões se originaram em território indiano.

Os principais tipos de perseguição presentes na Índia são nacionalismo religioso (hindu), antagonismo étnico e paranoia ditatorial.

A assertividade e agressividade de todos os tipos de organizações hindus aumentaram ao longo dos anos. Elas afirmam que a Índia pertence ao hinduísmo e que outras religiões devem ser expulsas do país. O hinduísmo radical é de longe o principal perseguidor na Índia. É vocal, onipresente e muito violento. Outras formas de nacionalismo religioso na Índia, por exemplo de vários grupos radicais, como budistas radicais em Ladakh, formas de neobudismo em Maharashtra e Uttar Pradesh e siques radicais em Punjab pioram ainda mais a situação. Desde 2014, o nacionalismo religioso também está influenciando os grupos tribais, levando-os a considerar suas religiões como também relacionadas ao hinduísmo.

Líderes religiosos hindus são responsáveis por espalhar sentimentos anticristãos entre as massas hindus. Eles desempenham o papel de mediadores entre a ideologia nacionalista religiosa e a manifestação real, planejando e executando desinformação e ação violenta contra cristãos e outras minorias.

Vários grupos hindus de linha dura também atuam na Índia: BJP, VHP, RSS, Sangh Parivar etc. Eles são quase sempre as mãos e os pés que exercem pressão hindu sobre os cristãos.

No nível da comunidade, os cidadãos são outros que desempenham um grande papel na perseguição de cristãos, convertidos do hinduísmo e outras categorias do cristianismo. Na maioria das vezes, são esses aldeões que realizam as hostilidades contra os cristãos, como agredir, atear fogo a igrejas, danificar cemitérios etc.

Os partidos políticos têm sido os grandes perseguidores de cristãos na índia.  O BJP é a ala política do RSS (uma organização hindu, paramilitar e voluntária, conhecida pela ideologia radical hindu) e tem maioria no centro político. É a organização mãe de todos os tipos de radicalismo hindu na Índia. Todos os principais líderes do BJP no poder vêm do RSS. De fato, todos os membros do BJP geralmente são membros do RSS ou de um de seus 35 ramos diretos.

O governo do BJP, sob o primeiro-ministro Modi, oficiais tendenciosos e extremistas hindus (membros da família de organizações da RSS) são as principais forças que perseguem os cristãos. Após a ascensão de Modi e do BJP ao poder em maio de 2014, um elo de poder dos extremistas (RSS + mídia + funcionários controlados pelo governo) surgiu e está trabalhando em conjunto contra o cristianismo. Esse nexo é o maior responsável pelo aumento da perseguição aos cristãos.

Outros que colaboram para a perseguição dos cristãos são os líderes tribais, que geralmente, pressionam os convertidos cristãos que abandonaram a cultura dos antepassados e “insultaram” a religião do grupo, ou seja, o hinduísmo. Também familiares próximos de convertidos consideram a conversão ao cristianismo como uma vergonha para a honra da família e agem de acordo com essa crença.

Perseguições no período de pesquisa (1 de novembro de 2018 a 31 de outubro de 2019) da LMP 2020:

A perseguição na Índia é extremamente violenta. O número de incidentes relatados é muito alto, mas deve-se notar que essa é apenas a ponta do iceberg – muitos incidentes não são relatados na mídia ou registrados pelos pesquisadores.

Cristãos mortos: de acordo com dados de parceiros de pesquisa indianos, 9 cristãos foram mortos na Índia. A maioria foi morta por naxalitas (4), mas hindus radicais, familiares e moradores também foram responsáveis por assassinatos. Boa parte foi morta em Chhattisgarh, Jharkhand e Odisha, os outros em Assam e Bihar.

Cristãos atacados: mais de 175 incidentes foram relatados, nos quais um total de quase 1.500 cristãos foram fisicamente atacados. Hindus radicais, familiares e moradores foram os principais agentes desses ataques.

Cristãos presos: mais de 94 incidentes foram relatados, nos quais mais de 300 cristãos foram presos. Dos sete cristãos que foram condenados à morte em Odisha em 2013, dois foram soltos no período de pesquisa da LMP 2020.

Igrejas atacadas: houve 34 casos de igrejas, escolas, prédios e outras propriedades da igreja atacadas e danificadas.

Em 9 de janeiro de 2019, extremistas hindus destruíram o edifício de uma igreja no vilarejo de Narnepadu, em Muppalla Mandal, no distrito de Guntur, no estado de Andhra Pradesh. Tudo porque a igreja foi construída na parte oeste do vilarejo, o que viola os princípios hindus de lugares e posições, conforme informou o site Morning Star News em 17 de janeiro de 2019.

Em 10 de abril de 2019, o cristão tribal Prakash Lakra foi atacado com espadas, foices e pedaços de ferro no estado de Jharkhand. Ele foi morto por uma multidão de hindus radicais “protetores da vaca” pela suspeita de ter matado um touro, considerado sagrado pelo hinduísmo. Outros três cristãos tribais ficaram feridos no ataque, segundo o site Asia News.

Em 2 de outubro de 2019, uma festa de aniversário cristã foi atacada por radicais hindus no vilarejo de Vasalamarry, no estado de Telangana. De acordo com relatos locais, uma multidão de 30 nacionalistas radicais invadiu a casa dos cristãos onde os convidados se reuniam para o aniversário. Os radicais vandalizaram a decoração, aterrorizaram os convidados e destruíram vários itens da família cristã, como publicou o site International Christian Concern.

 

Com informações, Portas Abertas.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »
alan correa criação de sites