Redes Sociais

Estados Unidos

Gigante do aborto Planned Parenthood investe US $ 45 milhões em campanhas de candidatos americanos a favor do aborto em 2020

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: Colagem

A Planned Parenthood, a maior rede de abortos dos EUA, anunciou que vai espalhar sua enorme riqueza para eleger candidatos americanos a favor do aborto para deputados estaduais e federais em 2020.

Segundo a CBS News, a gigante do aborto planeja gastar US $ 45 milhões sem precedentes – o máximo que já foi gasto em eleições – para “financiar programas populares de base escala e programas de prospecção, digital, televisão e rádio e correio”.

A Planned Parenthood disse à CBS nesta semana que, juntamente aos outros grupos políticos com ideias semelhantes, já sediou mais de 60 eventos.

O maior provedor de aborto do país disse que “o direito de matar crianças nunca foi tão ameaçado quanto nesse ano de eleições”.

“O governo Trump conseguiu desfazer tanta coisa nos últimos três anos. O fato de que neste verão a Suprema Corte considerará Roe x Wade é um indicador de sua intenção, e eles nunca foram tão ousados”, disse Jenny Lawson, diretora executiva da Planned Parenthood, em entrevista exclusiva à CBS News.

Lawson está se referindo à consideração da Suprema Corte de uma lei do estado de Louisiana que exige que abortistas admitam privilégios em um hospital local, um requisito que os apoiadores da lei dizem que se destina a ajudar a garantir a competência dos médicos e a proteger a saúde e a segurança das mães, caso algo der errado no procedimento de aborto.

Conforme a CBN News, os oponentes da lei – como a Planned Parenthood – dizem que seu verdadeiro objetivo é limitar o acesso ao aborto, o que eles dizem que o faz severamente. O The New York Times relatou que apenas um médico de aborto na Louisiana conseguiu cumprir o requisito de privilégios de admissão.

A lei da Louisiana é a primeira a lidar com o aborto a ser apresentada à Suprema Corte, desde que os juízes conservadores Neil Gorsuch e Brett Kavanaugh, ambos nomeados pelo presidente Trump, ingressaram na corte. A Planned Parenthood e outros partidários do aborto confiaram muito nos tribunais para apoiarem-se na questão do aborto para obter o que as legislaturas não aprovariam por lei. Agora, com mais dois juízes na Corte que acham que os juízes não deveriam fazer lei, eles estão preocupados. Roe x Wade pode ser reconsiderado e resultar em uma diminuição do direito ao aborto.

No início deste mês, 207 parlamentares, na sua maioria republicanos, assinaram uma carta “amicus curiae”,no caso da Louisiana, pedindo à Suprema Corte que fizesse exatamente isso, reconsiderasse Roe. Muitos estudiosos do direito dizem que Roe foi uma decisão terrível, em que o Tribunal entrou em legislações em vez de julgar e acabou fazendo do aborto a questão social e política mais contenciosa desde que o Tribunal decidiu na infame decisão de Dred Scott de que os negros não podiam ser considerados como pessoas plenas.

Mas essa não é a única razão pela qual a Planned Parenthood está se voltando para a eleição para salvar o “direito ao aborto”. A CBS informou que os deputados estaduais introduziram mais de 300 medidas para restringir o aborto no ano passado, um número recorde, de acordo com o Instituto Guttmacher, braço de pesquisa da Planned Parenthood. Embora muitas dessas medidas tenham sido adotadas pelos tribunais, muitas – como períodos de espera obrigatórios para considerar o que o aborto faz a um feto – entraram em vigor. Mais medidas para restringir o procedimento e proteger os nascituros e as mães serão consideradas pelos estados americanos em 2020.

A campanha “Decidimos 2020” da Planned Parenthood planeja atingir 9 estados no campo de batalha – Arizona, Colorado, Flórida, Michigan, Minnesota, New Hampshire, Carolina do Norte, Pensilvânia e Wisconsin – e atingir 5 milhões de eleitores.

Quanto aos candidatos, Jenny Lawson, da Planned Parenthood, disse à CBS que gosta de todos os candidatos democratas (esquerdistas) à presidência.

“Os candidatos democratas [esquerdistas] têm coletivamente as mais ousadas políticas de direitos reprodutivos que já vimos. Todos os principais candidatos nas eleições de 2020, exceto Donald Trump, se manifestaram contra proibições perigosas de aborto e muitos deles realmente introduziram planos reais para proteger os direitos reprodutivos neste país”, afirmou Lawson.

Os opositores ao aborto não planejam deixar as campanhas da Planned Parenthood sem contestação. Marjorie Dannenfelser, presidente da organização americana pró-vida Susan B. Anthony (SBA), disse que seu grupo está planejando suas próprias campanhas em estados para eleger candidatos que acreditam na santidade da vida e que estejam comprometido “em desafiar democratas extremistas que apoiam o aborto e o infanticídio”

A SBA planeja gastar mais de US $ 40 milhões no ciclo eleitoral de 2020. Seu site https://lifeontheballot.com/ mostra numerosos endossos, em particular, para mulheres candidatas pró-vida.

“Os riscos destas eleições não poderiam ser maiores. Enquanto os candidatos democratas se alinham para atender ao lobby radical do aborto e declarar guerra até mesmo às políticas mais populares e modestas a favor da vida, como a Emenda Hyde [não permite financiamento de contribuintes para o aborto] …Nossa equipe trabalhará duro durante as eleições para educar milhões de eleitores, expor o extremismo dos oponentes de Trump, eleger líderes pró-vida para o Congresso e os estados e conquistar um segundo mandato para o presidente mais pró-vida da história”, disse Dannenfelser em um comunicado à imprensa.

 

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »
alan correa criação de sites