Redes Sociais

Mundo

Desertora descreve a ditadura na Coreia do Norte: “Aborto forçado e corpos jogados aos cães”

Raul Holderf Nascimento

Publicado

em

Desertora descreve a ditadura na Coreia do Norte: "Aborto forçado e corpos jogados aos cães" 16
Imagem: Reprodução

Uma desertora norte-coreana falou recentemente sobre os horrores que experimentou sob o regime ditatorial norte-coreano durante uma reunião realizada pelo embaixador dos EUA nas Nações Unidas. 

O evento, intitulado “A experiência aterrorizante das mulheres norte-coreas repatriadas forçadas”, foi patrocinado pela França, Japão, Coréia do Sul, Canadá, Reino Unido e EUA.

Ji Hyeon-A, que foi tragicamente enviada de volta à Coreia do Norte em três ocasiões separadas pelas autoridades chinesas depois de desertar, lembrou-se de ter sofrido um aborto forçado e testemunha que os cadáveres dos prisioneiros serviu de alimentos para cães, entre outros horrores. A mulher finalmente chegou à liberdade na Coréia do Sul.

“As mulheres grávidas foram forçadas a um trabalho duro durante todo o dia”, lembrou. “À noite, ouvimos grávidas sofrendo e bebês morrerem sem nunca poderem ver suas mães”.

Em um centro de detenção norte-coreano, Ji Hyeon-A recordou os presos que morreram de fome; seus corpos foram então alimentados a cachorros que guardavam o centro. Ela também observou que os bebês de raça mista não eram permitidos.

A última vez que Ji Hyeon-A foi enviada de volta à Coréia do Norte, ela foi forçada a ter um aborto. Com três meses de gravidez, a mulher foi negada a ter qualquer tipo de medicação e seu bebê foi duramente assassinado dentro do ventre em uma delegacia de polícia local.

“Meu primeiro filho faleceu sem nunca ver o mundo”, lembrou ela, “sem tempo para me pedir desculpas”.

A Coréia do Norte é “uma prisão aterrorizante e os Kim estão realizando um grande massacre onde sobreviver é um milagre”, disse ela. Invocando o recente desertor norte-coreano que atravessou a Coréia do Sul sob uma tempestade de balas de seus antigos camaradas, Ji Hyeon-A disse que sua ação “representa um ataque à liberdade que é um sonho de 25 milhões de norte-coreanos”.

ASSISTA:

 

Em 2007, Ji Hyeon-A encontrou liberdade na Coréia do Sul, reunindo-se com sua mãe e dois irmãos. 

A mulher criticou o governo chinês pelo envio de desertores norte-coreanos, acrescentando que as autoridades sabem que estão enviando os coreanos de volta a um destino horrível. Ela ilustrou seu ponto com um poema que escreveu, chamado “Alguém lá?”

O poema diz: “Estou com medo, alguém está lá? Estou aqui no inferno, alguém está lá? Grito e grito, mas ninguém abre a porta. Alguém está lá? Por favor, ouça nossos gemidos e escute nossa dor. Alguém está lá? As pessoas estão morrendo, meu amigo está morrendo. Ligo de novo e de novo, mas por que você não responde. Alguém está lá?”

Três anos atrás, o desertor norte-coreano Yeonmi Park, que também foi repatriado pelas autoridades chinesas antes de chegar à Coréia do Sul, lembrou suas experiências no país e sua jornada para a liberdade.

ASSISTA:

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Professor, cristão, colunista, e redator. Amo ciências políticas, sou conservador e nordestino com orgulho.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites