Redes Sociais

Europa

Pesquisa britânica revela que um navio de cruzeiro emite tanta poluição por dia quanto um milhão de carros

Thaís Garcia

Publicado

em

Imagem: Antti T. Nissinen

Os navios de cruzeiro estão se tornando cada vez mais polêmicos na Europa. Não só porque inundam cidades e balneários com turistas, mas também por que causam poluição do ar. Um novo relatório da Transport Environment revelou dados chocantes que foram publicados em junho deste ano. De acordo com a pesquisa britânica, um navio de cruzeiro emite tanta poluição por dia quanto um milhão de carros.

No relatório, foi mencionado que 203 navios de cruzeiro, atracados nos portos de Dubrovnik, Marselha e Hamburgo, emitiram substancialmente mais SOx durante suas estadas do que todos os carros de passageiros nessas cidades durante todo o ano.

Os navios de cruzeiro operam com óleo combustível pesado, que sobra da produção de gasolina e diesel e que é muito barato. O dióxido de carbono é liberado durante a incineração, mas também o enxofre, o nitrogênio e o material particulado.

Em resposta à pesquisa, a empresa de navegação da P&O informou que faz muito para reduzir o consumo de combustível dos navios.

“Desde 2005, o consumo caiu 28%. Também aplicamos filtros com os quais reduzimos a quantidade de partículas de fuligem em 80%”, disse a empresa à imprensa britânica.

Riscos
O SOx é o óxido de enxofre e é um dos principais poluentes dos navios, juntamente com o óxido de nitrogênio (NOx). Apesar de produzir efeitos mais indiretos e de longo prazo, as emissões de NOx são mais nocivas à saúde humana do que as de SOx.

O NOx provoca no ser humano edemas pulmonares, penetrando nos alvéolos e podendo causar morte por asfixia. O NO2 é um dos gases que, mesmo em níveis aceitáveis, se relaciona com a diminuição da função respiratória em crianças.

Conforme o chefe da pesquisa Matthew Loxham, com esses valores, a saúde dos passageiros está em risco.

“Mesmo com uma exposição curta, já existe um risco significativo de doença pulmonar”, disse Loxham ao jornal The Independent.

Poluição e irritação
Há uma longa lista de razões para a reação contra navios de cruzeiro, incluindo superlotação grave e poluição.

Moradores da cidade italiana de Veneza estão irritados com os monstros visitantes. Em junho deste ano, 5.000 moradores da cidade protestaram contra a presença de navios de cruzeiro no movimentado Canal Giudecca, após um acidente entre as 65.500 toneladas do MSC Opera e uma balsa.

Dados
O seguinte infográfico fornece uma visão geral das cidades europeias que sofrem o pior impacto ambiental da indústria de cruzeiros em 2017. Nas cidades costeiras mais afetadas, a diferença com as emissões dos carros é enorme. Em Barcelona, as emissões de SOx são quase 5 vezes mais altas que as dos carros. As diferenças são ainda maiores em outras cidades.

Fonte: Statista

Em 2017, Barcelona sofreu 32.838 kg de emissões de SOx de navios de cruzeiro, enquanto a quantidade total de todos os carros da cidade somou até 6.812 kg. Também no mesmo ano, a história foi semelhante em quase todos os portos favoritos dos passageiros de cruzeiro, totalizando 28.000 kg em Palma, em comparação com 2.986 kg para os carros da cidade. Em Veneza, as emissões de SOx totalizam 27.520 kg dos navios, enquanto os carros totalizam 1.362 kg.

A contaminação foi medida com o contador de pó fino P-Trak, uma pequena caixa de medição. Imediatamente ao lado da chaminé, foram encontradas 226.000 partículas por centímetro cúbico. Fora do vento, havia 84.000.

As quantidades de material particulado encontradas são muitas vezes mais altas do que as medidas com o mesmo dispositivo em Piccadilly Circus, uma movimentada praça no centro de Londres, na Inglaterra. Os pesquisadores encontraram 38.400 partículas por centímetro cúbico lá.

Para melhor comparação, o ar considerado limpo tem menos de 2.000 partículas por m3 e uma rua movimentada, com trânsito de veículos com motor a combustão na cidade apresenta em torno de 20 mil partes.

As emissões de um navio de cruzeiro são realmente as mesmas de um milhão de carros?
De acordo com o especialista em navegação Dietmar Oeliger, da organização ambientalista alemã Nabu, os navios de cruzeiro têm uma pontuação particularmente baixa quando se trata de dióxido de enxofre, uma substância nociva que irrita os pulmões por inalação e pode levar à chuva ácida. Um pequeno navio de cruzeiro emite tanto deste gás como 376 milhões de carros.

Em 2012, A Nabu embarcou em um navio de cruzeiro com 250 metros de comprimento e capacidade de 36.000 kW. Eles compararam as suas emissões às dos automóveis que cumprem a norma europeia de emissão Euro4, que entrou em vigor em 2006. Os pontos de partida não são ideais, porque estão desatualizados. Os maiores navios de cruzeiro têm agora mais de 350 metros de comprimento. E em 2015 as regras para o teor de enxofre no combustível marinho foram reforçadas.

No ano passado, a pesquisadora da consultoria ambiental holandesa CE Delft, Dagmar Nelissen, fez uma pesquisa semelhante. Nelissen usou dados da Organização Marítima Internacional e do Inventário de Gases de Efeito Estufa, uma lista na qual os países que assinaram o acordo climático registram anualmente a quantidade de gases causadores do efeito estufa emitidos por seus países e de onde vêm.

Em 2015, os grandes navios de cruzeiro emitiram uma média de 2.600 toneladas de dióxido de enxofre (SO2) cada. Esta é uma estimativa; as emissões de SO2 dependem muito do tipo de combustível. Em algumas áreas, os navios navegam com combustível que contém no máximo 0,1% de enxofre. Estas são chamadas de Áreas de Controle de Emissões, que incluem o Mar Báltico e o Mar do Norte. Fora dessas áreas, navios podem navegar com 3,5% de enxofre.

Em 2015, os 947 milhões de carros do mundo estimam emitir entre 70 e 350 quilotons de dióxido de enxofre. Um cálculo simples mostra então, que um grande navio de cruzeiro emite tanto SO2 quanto 7 a 37 milhões de carros.

A comparação pode não ser inteiramente justa, porque a maioria dos carros no mundo está estacionada a maior parte do dia. Os navios de cruzeiro também estão ancorados, mas, em média, estão mais em movimento do que os carros. Se os carros andassem tanto quanto os navios de cruzeiro navegassem, também emitiriam mais dióxido de enxofre. Mas não tanto quanto navios de cruzeiro.

Nelissen aponta que as emissões dos navios diminuirão em alguns anos. Em 2020, o teor máximo permitido de enxofre cairá de 3,5 para 0,5%.

Portanto, a pesquisa apresenta informações coerentes. Os navios de cruzeiro poluem enormemente. E quando se trata de SO2, um navio de cruzeiro polui tanto quanto milhões de carros.

Fontes: Volkskrant, Statista e Transport Environment.


O Conexão Política é um portal de notícias independente. Ajude-nos a continuarmos com um jornalismo livre, sem amarras e sem dinheiro público » APOIAR

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

Deixe um comentário
alan correa criação de sites