Redes Sociais

Europa

Boris Johnson adverte Macron: “O Brexit virá sem demora, a lei não impedirá um ‘não-acordo'”

Thaís Garcia

Publicado

em

Boris Johnson adverte Macron: "O Brexit virá sem demora, a lei não impedirá um 'não-acordo'" 18

Antes das discussões entre a União Europeia e o Reino Unido, Boris Johnson advertiu o presidente francês, Emmanuel Macron, que não haverá mais atraso para o Brexit. Está programado para 31 de outubro.

Na quarta-feira passada (2), Boris Johnson entregou sua tão esperada alternativa ao presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker. E na noite de sexta-feira (4), depois de todos os países da UE terem analisado a proposta detalhadamente, um porta-voz da Comissão disse que os textos “não formam a base de um acordo”. Então, novas conversas entre Bruxelas e Londres foram levantadas no fim de semana passado.

Enquanto isso, em uma conversa por telefone com o presidente francês Macron, Boris Johnson alegou que a União Europeia não deveria assumir que o Reino Unido permanecerá na EU, mesmo após 31 de outubro. Johnson também enfatizou que não solicitará uma nova extensão do Brexit.

Lei de Benn
No entanto, uma lei recente, a chamada Lei de Benn (Benn Act), obriga o primeiro-ministro britânico a pedir um adiamento para a UE, um dia após a Cúpula Europeia de 17 e 18 de outubro, altura em que talvez um novo acordo de “divórcio” ainda não esteja sobre a mesa de negociações.

Por enquanto, o governo britânico não parece aceitar a Lei de Benn. Nestes últimos dias, Johnson deu a impressão de não querer fazer isso.

“Ato de rendição”
O Reino Unido apresentou sua proposta. Agora, é a vez da Comissão Europeia mostrar que também está pronta para um acordo. Caso contrário, o Reino Unido partirá sem este acordo.

Boris Johnson descreveu o Benn Act (Lei Benn) como um “ato de rendição”, que enfraqueceu a posição dos britânicos nas negociações sobre o Brexit.

“A lei de rendição e seus autores comprometem as negociações, mas se os líderes europeus acharem que isso impedirá um ‘não-acordo’, eles estão cometendo um erro histórico”, disse Boris Johnson.

Segundo Johnson, a UE e o Reino Unido estão agora em uma fase da “última chance” de chegar a um acordo.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites