Redes Sociais

EUA

Trump enfrenta China e assina projetos de lei em apoio a manifestantes de Hong Kong

A Lei de Direitos Humanos e Democracia de Hong Kong impõe sanções a funcionários chineses e de Hong Kong que praticam violações de direitos humanos.

Thaís Garcia

Publicado

em

Alex Wong | Getty Images

O presidente Donald Trump assinou na quarta-feira (27) dois projetos de lei para apoiar ativistas de direitos humanos e pró-democracia em Hong Kong.

Trump assinou os projetos de lei, que foram aprovados por consentimento quase unânime na Câmara e no Senado, mesmo sabendo que a decisão poderá complicar o esforço para elaborar um acordo comercial com o ditador chinês, Xi Jinping.

“Eu assinei essas leis por respeito ao presidente Xi, China e ao povo de Hong Kong. Eles estão sendo promulgados na esperança de que os líderes e representantes da China e Hong Kong sejam capazes de resolver amigavelmente suas diferenças, levando a paz e prosperidade a longo prazo para todos”, disse Trump em comunicado.

O Congresso aprovou os projetos na semana passada, após meses de distúrbios na cidade semiautônoma da China. Antes do anúncio da assinatura de quarta-feira, Trump só se comprometeria a dar às medidas um “olhar rígido”.

A China ameaçou tomar “contramedidas fortes” não especificadas se as contas fossem assinadas em lei.

A Lei de Direitos Humanos e Democracia de Hong Kong impõe sanções a funcionários chineses e de Hong Kong que praticam violações de direitos humanos e exige uma revisão anual do status comercial favorável que Washington concede a Hong Kong.

Outro projeto de lei proíbe a exportação para a polícia de Hong Kong de certas munições não-letais, incluindo gás lacrimogêneo, spray de pimenta, balas de borracha, canhões de água, armas de choque e armas de fogo.

A lei de munições foi aprovada por quase unanimidade. Apenas o deputado republicano Thomas Massie, de Kentucky, se opôs à lei de direitos humanos.

Parlamentares democratas e republicanos aplaudiram a assinatura dos projetos. O senador Robert Menendez, do Tennessee, disse que “finalmente envia uma mensagem clara e inequívoca ao povo de Hong Kong: estamos com você”.

O senador Jim Risch, republicano de Idaho, e presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, disse que os projetos de lei são “um passo importante para responsabilizar o Partido Comunista Chinês por sua erosão da autonomia de Hong Kong e sua repressão aos direitos humanos fundamentais”.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.

alan correa criação de sites