Redes Sociais

Estados Unidos

Senado americano decide pela ‘constitucionalidade’ do julgamento de impeachment de Trump; mas votação sugere não haver votos suficientes para realmente condenar Trump

Thaís Garcia

Publicado

em

O Senado americano decidiu nesta terça-feira (26), por 55-45, pela constitucionalidade do julgamento do impeachment de Trump. No entanto, estes 45 senadores republicanos, que votaram pela inconstitucionalidade do julgamento, basicamente podem acabar com a tentativa dos democratas de condenar o presidente Trump.

“Se mais de 34 republicanos votarem contra a constitucionalidade do processo, a coisa toda estará morta na chegada”, disse o senador republicano Rand Paul, pouco antes da votação. Segundo o senador, 45 senadores serão mais do que suficientes para absolver Trump.

Os democratas acusam o ex-presidente Donald Trump de “incitamento à insurreição”. Sem realizar nenhuma audiência, democratas da Câmara votaram rapidamente para o impeachment de Trump em um único artigo de impeachment, após a invasão de um grupo no Capitólio em 6 de janeiro, correndo contra o relógio antes que o presidente pudesse deixar o cargo.

Agora, os democratas do Senado estão planejando iniciar o julgamento de impeachment em 8 de fevereiro, embora Trump não esteja mais no cargo.

Um voto legítimo de impeachment de Trump no Senado exigiria o apoio de todos os democratas mais 17 republicanos ou dois terços do Senado. Mas a votação desta terça-feira indica claramente que não há 17 republicanos dispostos a concordar com isso.

O senador republicano James Lankford disse: “Este não é um julgamento; é um teatro político. Você não pode remover do cargo alguém que já está fora do cargo. Neste julgamento, não há Presidente atual, nem Chefe de Justiça, e nenhuma possibilidade de alguém ser destituído do cargo porque não está em nenhum cargo. Em um momento em que nossa nação precisa se unir, esse julgamento só criará divisões ainda mais profundas”.

O senador do Texas, John Cornyn, disse que toda a ideia de impeachment de ex-presidentes e funcionários abre um grande precedente. Ele questionou o que pode acontecer: “Podemos voltar e tentar com o presidente Obama?”

Cristã e Correspondente Internacional na Europa.