Redes Sociais

EUA

Pilotos turcos do F-35 não são mais bem-vindos nos EUA

Thaís Garcia

Publicado

em

Reuters

Os Estados Unidos decidiram parar de aceitar pilotos turcos que planejam ir aos Estados Unidos para treinar em caças F-35, disseram autoridades norte-americanas.

Há meses, os EUA e a Turquia estão envolvidos em uma disputa crescente sobre os planos de Ancara, de comprar o sistema russo de defesa aérea S-400. Segundo os americanos, isso é uma ameaça para o Lockheed Martin Corp F-35.

“O S-400 é um sistema russo projetado para disparar contra uma aeronave como o F-35. E é impensável supor que a Rússia não aproveitaria a oportunidade para obter informações sobre isso”, disse Kathryn Wheelbarger, vice-ministra da Defesa.

Base Aérea de Luke

Ainda não houve uma decisão formal de interromper o treinamento dos pilotos e equipes de manutenção turcos na Base Aérea de Luke, no Arizona. Ainda assim, a Reuters informou na semana passada que o passo estava sendo seriamente considerado.

Atualmente, 4 pilotos turcos estão treinando em Luke e 2 estão na base dos EUA trabalhando como instrutores. Além desses 6 oficiais turcos, há outros 20 mantenedores de aeronaves turcos na base em treinamento, disse o Exército dos EUA.

Relação entre aliados

A Turquia manifestou interesse em comprar 100 caças, o que teria um valor total de US $ 9 bilhões. Porém, se a Turquia for removida do programa F-35, a relação entre os dois parceiros poderia sofrer uma das rupturas mais significativas da história entre os dois países.

Mas as tensões nos laços entre Washington e Ancara já se estendem além do F-35 para incluir estratégias conflitantes na Síria, sanções contra o Irã e a detenção de funcionários consulares dos EUA na Turquia.

Nesta terça-feira (4), o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse que é indiscutível a Turquia abandonar o acordo com os russos. Em reação à declaração de Erdogan, Wheelberger chamou um possível acordo turco com os russos de “devastador” e um grande golpe para o programa F-35 e o papel turco dentro da OTAN.

Os EUA afirmaram que a Turquia não poderá ter as duas coisas. Mas até agora, não deu passos para reduzir ou interromper o treinamento planejado de pilotos turcos no programa, uma represália que pode ser vista como uma desgraça na Turquia.

De acordo com a agência de notícias Reuters, as autoridades norte-americanas deixaram em aberto a possibilidade de reverter a decisão, caso a Turquia mude seus planos.

O Pentágono se recusou a comentar se aceitaria novos pilotos turcos. Mas tem enfatizado que estão ocorrendo discussões com Ancara sobre a possível venda de defesas contra mísseis Patriot da Turquia, fabricadas pela Raytheon Co.

No entanto, Erdogan disse que os Estados Unidos não apresentaram uma oferta tão boa quanto a russa do S-400.


O Conexão Política é um portal de notícias independente. Ajude-nos a continuarmos com um jornalismo livre, sem amarras e sem dinheiro público » APOIAR

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites