Redes Sociais

EUA

Mais de 2.000 restos preservados de fetos são encontrados em casa de médico abortista nos EUA

Thaís Garcia

Publicado

em

Mais de 2.000 restos preservados de fetos são encontrados em casa de médico abortista nos EUA 21
Imagem: Reprodução

Parentes de um médico abortista falecido encontraram nada menos que 2.246 restos mortais de fetos em sua casa, em Illinois, nos EUA. Os familiares do Dr. Ulrich Klopfer fizeram a descoberta macabra, quando foram esvaziar sua casa, após sua morte. O médico trabalhou por muitos anos em uma clínica de aborto em South Bend, no estado de Indiana, informou o South Bend Tribune.

Não está claro por que Ulrich manteve os fetos em sua casa, mas até agora não há indicações de que ele tenha feito os abortos em sua própria casa. As autoridades locais ficaram “atordoadas” com a descoberta e, desde então, iniciaram uma investigação.

O médico abortista morreu em 3 de setembro. A clínica onde trabalhou foi fechada, depois que o estado revogou sua licença, em 2015. O Departamento de Saúde do Estado de Indiana havia anteriormente apresentado queixas contra a clínica, acusando-a de não ter um registro de pacientes, políticas sobre aborto medicamentoso e um órgão para determinar políticas.

Médico abortista mais “prolífico” do estado na história

De acordo com o South Bend Tribune, estima-se que Ulrich tenha realizado dezenas de milhares de procedimentos de aborto por décadas, em vários condados de Indiana, tornando-o “o médico de aborto mais prolífico do estado na história”.

Em 2016, Ulrich foi destituído do cargo, após praticar o aborto em uma menina menor de idade, sem informar adequadamente as autoridades locais. Após sua audiência, o abortista, que tinha 71 anos na época, recebeu uma suspensão, após 12 horas de depoimento e milhares de exposições.

O testemunho indicou que Ulrich usava o mesmo tipo de procedimento de aborto e sedação que ele usava, desde as décadas de 1970 e 1980. O médico abortista disse na época, que nunca teve um paciente que morreu ou que teve uma parada cardíaca, nos 43 anos em que fez os abortos.

Ele também falou sobre a realização de um aborto em uma menina de 10 anos de idade em um hospital de Illinois, depois que ela foi estuprada por seu tio. Mas ele não contou à polícia sobre o abuso infantil e permitiu que a garota voltasse para casa com os pais, que sabiam do estupro e se recusaram a processar o tio.

Aborto em Indiana

Médicos no estado de Indiana devem cumprir procedimentos rigorosos de aborto. Procedimentos de aborto em meninas com menos de 14 anos devem ser relatados às autoridades dentro de três dias. Às vezes, Ulrich demorava 3 ou 4 meses para fazer o relato. Por isso, um juiz decidiu que o médico não poderia mais realizar abortos por 4 anos.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites