Redes Sociais

Estados Unidos

Laboratório chinês de Wuhan pode receber financiamento com dinheiro de contribuintes dos EUA até 2024, diz jornal

Thaís Garcia

Publicado

em

focusonmore.com | CC BY 2.0

O laboratório de virologia de Wuhan, que algumas avaliações americanas acreditam ter sido a fonte do surto do vírus chinês causador da covid-19, ainda é elegível para receber financiamento com dinheiro dos contribuintes dos EUA através do Instituto Nacional de Saúde (NIH), de acordo com o Daily Caller.

Funcionários do NIH confirmaram ao Daily Caller que o Instituto de Virologia de Wuhan (WIV), em Wuhan, na China, ainda está qualificado para receber financiamento para pesquisa em animais até janeiro de 2024. O NIH é financiado por dotações do Congresso em dólares dos contribuintes dos EUA.

O Gabinete de Bem-Estar Animal de Laboratório para o NIH atualmente lista o laboratório Wuhan como tendo uma garantia estrangeira que, de acordo com o NIH, torna o segurado elegível para o Serviço de Saúde Pública (PHS). Um porta-voz do NIH disse ao Daily Caller que o laboratório de Wuhan teve sua garantia estrangeira renovada em 9 de janeiro de 2019, e que a garantia é válida por 5 anos, até 31 de janeiro de 2024.

De acordo com o Daily Caller, o laboratório de Wuhan recebeu financiamento do NIH por meio de uma organização parceira sem fins lucrativos chamada EcoHealth Alliance. O The Wall Street Journal informou que, em 2014, a EcoHealth Alliance recebeu US $ 3,4 milhões em financiamento do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID) para estudar o coronavírus em habitats de morcegos em cavernas na China e como os vírus infectam as pessoas. Entre 2014 e 2019, US $ 600.000 em financiamento do NIH foram para o próprio laboratório de Wuhan, de acordo com o Daily Caller.

Wuhan, na China, é amplamente vista como o epicentro do surto de covid-19 e nos últimos dias do mandato do presidente dos EUA, Donald Trump, o Departamento de Estado dos EUA publicou uma ficha informativa observando várias conexões potenciais entre as atividades no laboratório de Wuhan e o surto do vírus chinês. O informativo informa que o laboratório realizou pesquisas sobre uma cepa de coronavírus com 96,2% de similaridade com o SARS-CoV-2, a cepa da covid-19. O informativo também mencionou infecções acidentais anteriores em laboratórios chineses, como um incidente de 2004 que viu um surto de SARS em Pequim que infectou 9 pessoas e levou a uma morte.

Recém-saído de sua primeira visita investigativa a Wuhan, funcionários da Organização Mundial da Saúde (OMS) inicialmente disseram que a teoria de que o vírus chinês  SARS-CoV-2 se originou em um laboratório era “extremamente improvável” e não justificava estudos adicionais. Mais tarde, o Diretor-Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que todas as hipóteses sobre as origens do surto de covid-19 “requerem mais estudos”.

Depois que funcionários da OMS inicialmente disseram que a teoria do surto no laboratório de Wuhan era improvável, os EUA sinalizaram que não aceitariam imediatamente a avaliação da OMS e, em vez disso, trabalhariam para verificar os resultados primeiro.

De acordo com o The Wall Street Journal, o NIAID renovou uma doação de US $ 3,7 milhões com a EcoHealth Alliance em 2019, que pretendia usar a quantia para estudar como vírus semelhantes ao SARS no sul da China estavam se espalhando para as populações humanas. O NIH encerrou a concessão em abril de 2020, alegando que o projeto não alinhava com “as metas do programa e as prioridades da agência”.

O NIH ofereceu restaurar o financiamento em julho, se a EcoHealth Alliance concordasse em atender a certas condições, incluindo arranjar uma equipe independente para investigar se o WIV possuía amostras do vírus SARS-CoV-2 antes dos casos relatados em Wuhan, em dezembro de 2019. Em uma entrevista de agosto para o NPR, a EcoHealth Alliance chamou as condições do NIH de “absurdas”.