Redes Sociais

EUA

“Este hemisfério só será seguro se nos livrarmos dos regimes totalitários de esquerda”, diz Ernesto Araújo nos EUA

Thaís Garcia

Publicado

em

"Este hemisfério só será seguro se nos livrarmos dos regimes totalitários de esquerda”, diz Ernesto Araújo nos EUA 20
Imagem: Sergio Lima/AFP/Getty Images

Em uma entrevista à Fox News, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, falou sobre a forte relação entre os EUA e o Brasil e a sua importância para que o hemisfério se livre dos regimes totalitários de esquerda.

O ministro das Relações Exteriores falou sobre as possibilidades apresentadas pelo presidente americano em relação aos laços entre Brasil e EUA e comentou sobre a visão em comum de Trump e Bolsonaro para os dois países.

“Esse é o momento para construir a relação que sempre quisemos, que os brasileiros sempre quiseram com os EUA. Os governos brasileiros por muito tempo negaram essa possibilidade; eles assumiram posições antiamericanas. Mas o natural a se fazer sempre foi ter uma forte parceira. Nossa tradição diplomática, a boa tradição diplomática, é a que o Brasil quer ser um jogador no mundo. Para isso é necessária uma forte relação com os EUA. Então, queremos seguir este caminho”, disse Ernesto Araújo.

Mudanças
De acordo com o entrevistador Lou Bobbs da Fox News, o Brasil foi historicamente mais orientado à União Europeia. E também politica e ideologicamente, muito mais esquerdista do que os EUA. No entanto, com a eleição de Bolsonaro, houve uma positiva mudança.

Esta mudança foi importante e necessária para o sucesso na construção dessa forte relação entre os EUA e o Brasil.

“Estamos mudando toda a visão econômica e política que estava errada e que nos legou talvez 40 anos de estagnação econômica, de corrupção e ineficiência. Parcialmente, porque tentamos seguir o modelo de bem-estar social, sem termos os meios, sem poder pagar por eles. Mas isso se deve a um tipo de elite intelectual, não por causa do povo brasileiro. Os brasileiros se identificam muito mais, eu acho, com o estilo americano. Eles querem ser empresários, querem ser livres, ter uma boa economia aberta. E é isso que estamos tentando fazer. E esse é o caminho para quebrarmos esse ciclo de estagnação e corrupção”, disse Ernesto Araújo.

Globalismo
Trump e Bolsonaro são presidentes que estão reorientado seus países, seus sistemas econômicos e perspectivas nacionais em direção ao comércio equilibrado, à representação do povo em ambos os países, ao invés das elites. O globalismo se tornou de fato uma palavra suja para ambos os governos.

“Temos dois líderes, grandes presidentes, que querem construir nações fortes, fortes economias e queremos nos conectar e ter isso para o Brasil. Certamente seria muito importante para o projeto que temos de uma economia aberta e competitiva, e para a liberdade ao redor do mundo, de nossa região e do mundo”, disse o ministro à Fox News.

“E o estamento globalista, por assim dizer, não gosta do Presidente Trump, nem do presidente Bolsonaro porque sabem o que defendemos. Defendemos, basicamente, governar para o povo. É disso que deve se tratar a democracia. E por alguma razão, temos essas elites que por meio da mídia, no Brasil, e talvez na Europa e outros lugares, tentam controlar o que o povo vê. No Brasil temos muito claramente uma situação dessas. Temos um governo e eles têm uma cortina de fumaça, que é a mídia que tenta esconder o que estamos fazendo. Mas o povo está vendo, e queremos trabalhar para o povo”, acrescentou Ernesto Aráujo.

A mídia esquerdista americana foi apelidada pelo presidente Trump de ‘Fake News’. Tanto o povo americano, quanto o brasileiro não são tolos. E eles estão vendo o que está acontecendo e para onde seus líderes gostariam de redirecionar suas economias e seus países – o que traz uma boa perspectiva para ambos os países.

Segurança Nacional
Quanto à segurança nacional – diferente de Cuba e da Venezuela que sofrem com seus modelos econômicos e ideológicos – o Brasil e os EUA possuem um papel crucial no combate das agressões e pretensões da esquerda em se expandir pelo hemisfério.

“Essa é uma grande preocupação para nós. Nós queremos defender a liberdade por todo o hemisfério. De verdade, não apenas em palavras. Queremos acabar com ditaduras neste hemisfério. Por um momento pareceu que ditaduras e regimes totalitários estavam acabando hemisfério afora, mas eles sempre encontram uma forma de tentar retornar. Então, queremos nos aliar aos EUA e outros países democráticos na região para ajudar a Venezuela a recuperar sua democracia. Temos que tratar outros países não-democráticos da região e o papel nefasto que eles exercem. E isso não é apenas por solidariedade, por assim dizer, mas porque queremos viver em uma região segura. E essa região só será segura, esse hemisfério só será seguro, se nos livrarmos desses regimes totalitários de esquerda”, disse Ernesto.

Este é um momento de um peso muito importante para a história dos EUA e do Brasil. Ambos os governos esperam que as relações se estreitem cada vez mais e que todo o hemisfério se torne livre da ideologia esquerdista que destrói tantas nações no mundo.

Relações EUA-Brasil
O Brasil e os EUA estão trabalhando com nações sul-americanas para ajudar na crise humanitária na Venezuela. Tanto o Brasil, quanto os EUA concordam que a situação venezuelana é um exemplo do que o socialismo produz.

O próprio presidente Donald Trump se manifestou a respeito, durante uma coletiva de imprensa nos EUA.

“Estamos trabalhando com a Colômbia, com o Brasil, estamos trabalhando com outros países em uma base humanitária. A Venezuela está em uma situação muito ruim que te ensina sobre o socialismo, que mostra o que acontece. Você pega um país que era tão rico há 15 anos, e hoje eles não têm água, não têm alimentação básica”, disse Trump.

O presidente americano também deixou claro que o maior país da América do Sul, o Brasil, deve expandir suas relações comerciais com os EUA. E o presidente americano está pedindo uma relação de livre-comércio entre o Brasil e os EUA.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites