Redes Sociais

EUA

Esquerdistas e ativistas militantes LGBT querem parar as igrejas nos EUA

Thaís Garcia

Publicado

em

Esquerdistas e ativistas militantes LGBT querem parar as igrejas nos EUA 19
Imagem: Charlie Riedel/AP

A esquerda americana – chamada no país de “democratas” – e uma multidão militante de ativistas LGBT estão empenhados em parar todas as igrejas cristãs nos Estados Unidos e em silenciar qualquer cristão que se atreve a ficar no caminho de sua agenda, relatou a CBN News.

Na semana passada, o esquerdista e candidato a presidente dos EUA em 2020 pelo Partido Democrata, Robert O’Rourke (Beto), anunciou em uma entrevista à CNN que, se eleito, revogaria o status de isenção de impostos de qualquer igreja, faculdade ou instituição de caridade cristã que se oponha ao “casamento” entre pessoas do mesmo sexo.

O repórter da CNN, Don Lemon, questionou O’Rourke: “Você acha que instituições religiosas – como faculdades, igrejas e instituições de caridade – deveriam perder seu status de isenção de impostos se se opuserem ao casamento entre pessoas do mesmo sexo?”

“Sim. Não pode haver recompensa, benefício ou redução de impostos para qualquer pessoa ou instituição ou organização nos EUA que negue os direitos humanos e os direitos civis de qualquer um de nós”, respondeu O’Rourke, sendo fortemente aplaudido pelos ouvintes presentes.

Esquerdistas e ativistas militantes LGBT querem parar as igrejas nos EUA 20

Beto O’Rourke. Foto: CNN.

Repressão às igrejas

O candidato esquerdista prometeu fazer uma repressão nacional às igrejas; e essa será uma das principais prioridades de seu governo.

“Vamos parar aqueles que estão violando os direitos humanos de nossos colegas americanos”, disse Beto.

Reação dos conservadores

Kelly Shackelford, presidente do instituto conservador, First Liberty Institute, disse que eles estão prontos para defender qualquer igreja, ministério ou outra instituição religiosa que seja atacada pelos democratas.

O’Rourke ameaçou retirar as igrejas de seu status de isenção de impostos por simplesmente seguir milhares de anos de doutrina religiosa”, disse Shackelford.

O que O’Rourke está sugerindo é que associações, como a Associação Evangelística Billy Graham, as igrejas evangélicas e as católicas perderiam seu status de isenção de impostos. Também escolas, como a tradicional Liberty University e a Truett McConnell University, estariam sujeitas a todos os tipos de mandatos governamentais. E muitas instituições de caridade cristãs, como a Bolsa do Samaritano e o Exército de Salvação, seriam forçadas a se tornar contribuintes.

“A ameaça de O’Rourke é uma afronta direta à garantia constitucional da liberdade religiosa. Se ele, ou qualquer futuro presidente, tentar violar a Constituição dessa maneira, a First Liberty será novamente a primeira a lutar para defender a liberdade religiosa. Que os céus proíbam que esse dia chegue à América. Mas, posso garantir que será um “dia difícil na casa do diabo”, antes que qualquer igreja ou universidade evangélica renuncie a suas crenças religiosas e se incline para a agenda militante LGBT.”, disse Shackelford.

Esquerdistas e ativistas militantes LGBT querem parar as igrejas nos EUA 21

Deslize moral socialista

Em entrevista à CBN News, o evangelista americano, Franklin Graham, se mostrou firme contra os recentes comentários controversos do candidato presidencial democrata de 2020, Beto O’Rourke. Graham disse que a fala de Beto é um indicativo de um deslize moral muito mais amplo dos esquerdistas na política americana.

“Acho que a esquerda, os socialistas, deixaram muito claro que estão contra a igreja. A menos que nos curvemos e aceitemos a agenda deles – relacionada à agenda LGBTQ – eles aceitarão nosso status de isenção de impostos… E é claro que os outros candidatos aplaudiram. Isso apenas mostra onde está o coração deles e para qual direção eles estão indo”, disse Graham à CBN News.

Esquerdistas e ativistas militantes LGBT querem parar as igrejas nos EUA 22

O Presidente Donald Trump ouve, enquanto Franklin Graham lê uma passagem das Escrituras durante a cerimônia inaugural do Governo Trump em Washington, em janeiro de 2017.

Verdadeira liberdade

Graham também disse que não se trata de ser contra um grupo de pessoas. Em vez disso, é sobre compartilhar a verdadeira liberdade e esperança que surgem de seguir os caminhos de Deus que são esclarecidos na Bíblia.

“Eu não sou antigay, não vou falar contra gays, lutar contra gays ou qualquer coisa assim, mas certamente não quero que eles forcem sua agenda contra mim, me obrigando a aceitar que o que eles dizem ser a verdade. Não é. É um pecado. E eu me importo com os gays. Eu os amo o suficiente para avisá-los de que, se eles não se arrependerem e se afastarem de seus pecados, Deus os julgará. E Deus julgará o pecado, se nós formos mentirosos ou ladrões. Todos somos pecadores e temos que nos arrepender e deixar de pecar”, explicou Graham.

“Então, eu quero que os gays e as lésbicas saibam que, se se arrependerem e se livrarem desses pecados, Deus os perdoará e curará os corações. Mas não vou aceitar isso e dizer que o que eles estão fazendo é bom. Não é bom. Não é bom diante de Deus e eles estarão diante dEle um dia”, continuou Graham.

O que preocupa o evangelista americano, Franklin Graham, não é apenas a agenda socialista da esquerda. Ele também está muito preocupado com a forma como a mensagem irá corromper os cristãos.

“Muitos cristãos, infelizmente, vão se curvar e ceder, e muitos já o fizeram, e eu simplesmente não vou fazer isso”, afirmou Graham.

Os conservadores americanos estão em uma Jihad cultural. Esse tipo de intolerância odiosa da esquerda corre o risco de infectar os EUA. As eleições para presidente em 2020 será crucial para impedir a esquerda de matar a nação, que foi, de maneira próspera, construída em fundamentos inspirados nos valores cristãos.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites