Redes Sociais

EUA

Em repreensão a Erdogan, resolução reconhecendo o genocídio armênio poderá ser aprovada no Congresso dos EUA

Thaís Garcia

Publicado

em

Em repreensão a Erdogan, resolução reconhecendo o genocídio armênio poderá ser aprovada no Congresso dos EUA 21
Imagem: Autor desconhecido.

Durante anos, uma resolução condenando o massacre de 1,5 milhão de armênios pela Turquia durante a Primeira Guerra Mundial não conseguiu ganhar força em nenhuma das câmaras do Congresso americano. Embora os legisladores tenham prometido uma resolução reconhecendo o genocídio armênio, eles foram prejudicados pelo papel da Turquia como um aliado crítico, cujo significado só aumentou com a ascensão do extremismo violento no Oriente Médio.

Na próxima semana, a Câmara dos Deputados dos EUA poderá ratificar uma medida que reconheça o genocídio armênio, movendo-o para fora do comitê e para o plenário da câmara, onde provavelmente passará. O Comitê de Regras da Câmara anunciou na quinta-feira (24) que adotará a resolução na próxima semana, um processo formal final antes de poder receber uma votação.

Não reconhecer o genocídio armênio é uma mancha no registro de direitos humanos de muitos países. O reconhecimento americano servirá para enviar uma mensagem aos violadores de direitos humanos em todo o mundo.

O Congresso e a Casa Branca permaneceram em silêncio sobre esse assunto por muito tempo, mas na próxima semana o silêncio poderá ser quebrado. Os membros do Senado introduziram uma resolução própria de reconhecimento de genocídio.

Para os parlamentares americanos republicanos e democratas, é hora de começar a responsabilizar a Turquia por suas ações. Ter uma ou ambas as câmaras endossando tal resolução pode ser sensíveis à influência geopolítica da Turquia.

Os presidentes americanos sempre evitaram reconhecer o genocídio armênio. O único presidente a fazê-lo foi Ronald Reagan, em 1981. E embora o Congresso tenha aprovado resoluções semelhantes de genocídio, faz mais de duas décadas desde a última vez que o fez.

O presidente Donald Trump já havia alertado o ditador Erdogan de possíveis sanções contra a Turquia, caso o ditador invadisse o território curdo na Síria. Então, essa resolução seria um sinal para os turcos de que Washington não será intimidada, a política dos EUA não pode ser invadida e os princípios americanos não estão à venda.

Tanto democratas quanto republicanos enquadraram a medida em termos semelhantes, como o senador republicano Ted Cruz, do Texas. A medida da Câmara seria em grande parte simbólica, mas significativa da mesma forma, dada a oposição da Turquia.

Um porta-voz de Cruz fez uma declaração sobre a necessidade de reconhecimento pelo Congresso “do horrível genocídio sofrido pelo povo armênio”.

Genocídio armênio

Na frente armênia, o novo impulso ao reconhecimento do genocídio não ocorre por causa de revelações históricas ou novas reservas de coragem moral. O consenso de que o assassinato de armênios por turcos constituiu um genocídio é universal entre aqueles que o estudaram. No entanto, a Turquia negou consistentemente a realização de uma limpeza étnica concertada e fez lobby vigoroso no Capitólio para impedir que o assassinato de armênios fosse classificado como genocídio.

Em repreensão a Erdogan, resolução reconhecendo o genocídio armênio poderá ser aprovada no Congresso dos EUA 22

Otomano abriu as fervorosas portas do Século da Violência, quando deu início ao Genocídio Armênio, onde mais de 1,5 milhão de pessoas foram mortas.

Em 2010, uma resolução de reconhecimento de genocídio quase chegou ao plenário da Câmara.

As medidas de reconhecimento de genocídio geralmente são introduzidas para coincidir com o Dia da Lembrança do Genocídio Armênio, em 24 de abril. A medida está recebendo um novo impulso agora, porque os EUA querem punir Erdogan por atacar a minoria curda do país.

Em repreensão a Erdogan, resolução reconhecendo o genocídio armênio poderá ser aprovada no Congresso dos EUA 23

Durante a comemoração da Páscoa de 1915, o Império Turco-Otomano abriu as fervorosas portas do Século da Violência, quando deu início ao Genocídio Armênio, onde mais de 1,5 milhão de pessoas foram mortas.

Conflito na Síria
Algumas das forças curdas estão baseadas na Síria, onde eram, até muito recentemente, protegidas pelas forças militares dos EUA. Após a saída das forças armadas americanas da região, Erdogan invadiu o nordeste da Síria, na tentativa de expulsar os curdos da área.

Nesta quarta-feira (23), o presidente Trump suspendeu as sanções contra a Turquia, após um acordo para um cessar-fogo.

Por outro lado, a Turquia retratou suas incursões militares na Síria – que chama de “Operação Primavera da Paz” – como necessárias para conter as atividades de “terroristas”, e é assim que costuma retratar as forças curdas armadas. A mídia turca, controlada pelo ditador turco, descreveu essa operação em termos humanitários como “brilhante”.

Isso torna a resolução da Câmara como o meio mais imediato de repreender a Turquia em um momento em que as tensões com o aliado da OTAN estão em um nível histórico.

Certamente a Turquia não está feliz com esses desenvolvimentos, mas os EUA também não estão satisfeitos com o tratamento da Turquia com os curdos.

A negação de Erdogan do genocídio é uma violação aos direitos humanos. Por isso, seria de extrema importância o governo de Trump reconhecer o trágico genocídio do povo armênio.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais. Lutando pelos verdadeiros direitos humanos e pela Igreja Perseguida.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites