Redes Sociais

EUA

Distrito escolar suspende parceria com médico que não liberou menina para lutar contra equipe de garotos

Redação

Publicado

em

Imagem: Reprodução

Um distrito escolar público no oeste de Nova York suspendeu sua parceria com um médico, cuja avaliação médica foi de que uma menina de 12 anos de idade não deveria competir na equipe de luta livre do colégio de meninos.

O Conselho de Educação das Escolas Centrais de Lancaster votou por unanimidade para rescindir o contrato do distrito escolar com o diretor médico, Dr. Michael Terranova, de acordo com a WKBW, afiliada da Buffalo na ABC News.

A decisão foi tomada depois que Terranova negou o pedido de Trista Blasz, da sétima série, para lutar na equipe de luta livre dos garotos do time do colégio na Lancaster Middle School.

Blasz não é estranha na luta livre, pois venceu a classe de peso das meninas de 12U e 86 quilos na National United Wrestling Association para o Campeonato Nacional da Juventude, em Abril de 2018. Ela também lutou com garotos no passado.

Blasz também passou em dois testes exigidos pelo Estado que determinam a maturidade de seu corpo e avaliam como ela é capaz de realizar atividades físicas, como flexões ou flexões.

A família de Blasz se opôs ao fato de que um garoto de sua turma da sétima série também passou nos dois testes e foi autorizado a competir na equipe sem ter que passar por um painel composto pelo médico da escola, um médico de cuidados primários e um professor de ginástica para obter a aprovação.

Segundo a WKBW, nem o médico nem o professor de ginástica aprovaram a luta de Blasz na equipe.

A estudante foi informada por meio de um formulário que sua solicitação para competir na luta livre de garotos do ensino médio foi negada. O WKBW relata que o formulário de rejeição incluía uma nota manuscrita de Terranova que dizia: “As meninas não praticam esportes com meninos nas escolas de Lancaster”.

Terranova era um contratado independente e não um funcionário do distrito escolar. Ele também é co-fundador da Lancaster-Depew Pediatrics. O conselho escolar votou pelo fim de sua parceria de 35 anos com a Lancaster-Depew Pediatrics devido à avaliação do médico.

Após notícias da rejeição de Terranova ao pedido de Blasz de lutar, a Lancaster-Depew Pediatrics emitiu uma declaração a seus pacientes e suas famílias, negando as alegações de que ele discriminava Blasz.

“A permissão foi negada com base em padrões objetivos exigidos pelo estado”, diz o comunicado do médico. “Essa decisão foi motivada por preocupações com a segurança e maturidade física da aluna. Apesar dos protestos públicos iniciados pelos pais da aluna, qualquer forma de discriminação é veementemente negada”.

O distrito optou por recorrer à Forestream Pediatrics em Depew como seu novo parceiro médico.

Na terça-feira, um novo painel de revisão liberou Blasz para lutar na equipe, podendo participar dos treinos no mesmo dia.

Permitir que meninas concorram em esportes somente masculinos e meninos em esportes somente femininos tornou-se objeto de intenso debate nos últimos anos, à medida que ativistas pressionam por uma maior afirmação de atletas transexuais.

Embora Blasz não seja transexual, alguns argumentam que as realidades biológicas relacionadas à massa muscular, densidade óssea, estrutura óssea e tecido conjuntivo colocam as mulheres biológicas em desvantagem distinta ao competir com homens, especialmente em esportes onde há muita fisicalidade.

A tia de Blasz enfrentou uma situação semelhante há mais de uma década, quando ela também falhou em uma avaliação médica com o mesmo médico, depois que expressou o desejo de lutar contra meninos.

“A desculpa deles era a massa muscular [usada] com minha irmã há 12 anos”, disse a mãe Danielle Blasz à agência de notícias.

Em um comunicado, o superintendente do distrito escolar de Lancaster, Michael Vallely, disse que “equipes esportivas de ensino médio de sexo misto para estudantes qualificados existem em distritos do estado“. Vallely afirmou que não concordava com a decisão de impedir Blasz de lutar.

“As meninas podem fazer qualquer coisa que os meninos possam fazer, e elas devem ser informadas e incentivadas a fazê-lo”, disse o presidente da Junta de Educação do Distrito Escolar Central de Lancaster, Patrick Uhteg, à Spectrum News.

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

O Conexão Política é um portal de notícias independente — compromissado em transmitir os fatos. Analisamos e cobrimos os principais assuntos da política. Contribua: apoia.se/conexaopolitica

alan correa criação de sites