Redes Sociais

EUA

Bispo de Nova York nomeado pelo Papa Francisco para investigar abuso sexual infantil também é acusado de abuso

Thaís Garcia

Publicado

em

Bispo de Nova York nomeado pelo Papa Francisco para investigar abuso sexual infantil também é acusado de abuso 21
Imagem: © AP

O bispo Nicholas DiMarzio, líder da diocese católica romana do Brooklyn, em Nova York nos EUA, que foi nomeado pelo Papa Francisco para investigar o abuso sexual infantil pelo clero na diocese de Buffalo, também está enfrentando acusações de abuso. DiMarzio disse que as acusações são falsas.

“Hoje, a Associated Press publicou uma história me acusando de abuso sexual na década de 1970, enquanto eu era padre na paróquia de São Nicolau, em Jersey City. Nos meus quase 50 anos de ministério como sacerdote, nunca me envolvi em comportamento ilegal ou inapropriado e nego categoricamente essa acusação. Haverá um processo legal agora e vou me defender vigorosamente contra essa falsa alegação. Estou confiante de que serei totalmente exonerado.”, disse DiMarzio em comunicado compartilhado em sua página do Facebook na quarta-feira (13).

Em uma carta enviada na segunda-feira (11) à arquidiocese da igreja em Newark, Nova Jersey, e citada pela Associated Press, o advogado de Boston, Mitchell Garabedian, disse que seu cliente de 56 anos, Mark Matzek, acusa DiMarzio e um segundo padre, o falecido Rev. Albert Mark, de repetidamente abusar dele quando ele era coroinha na Igreja de São Nicolau e aluno da Escola de São Nicolau.

Garabedian argumenta que, como resultado das acusações, a investigação sobre o escândalo de abuso de clérigos na diocese de Buffalo da Igreja Católica estaria contaminada por DiMarzio a liderar.

“A investigação da diocese de Buffalo pelo bispo DiMarzio está contaminada por causa dessas acusações. É necessário haver um investigador verdadeiramente neutro para determinar se o bispo [Richard] Malone deve renunciar”, disse Garabedian à AP.

Garabedian disse à AP que planeja entrar com uma ação em nome de Matzek no próximo mês, depois que Nova Jersey abrir um período de dois anos que permitirá que vítimas de abuso sexual entrem com ações sem levar em conta o prazo de prescrição.

A secretária de imprensa da Diocese do Brooklyn, Adriana Rodriguez, disse à AP que DiMarzio já concluiu seu relatório sobre a diocese de Buffalo e o submeteu ao Vaticano. DiMarzio e Malone estão em Roma, na Itália, nesta semana, para uma visita previamente agendada dos bispos de Nova York à Santa Sé, informou a AP.

De acordo com o The Buffalo News, o bispo Malone está sob pressão para renunciar por mais de um ano, por lidar com a crise de abuso sexual infantil cometida pelo clero da sua diocese. Malone é bispo desde 2012 da diocese de Buffalo, que tem mais de 500.000 membros. Ele insistiu na quinta-feira (14) que “não vai a lugar nenhum”.

Malone disse que pretende permanecer como bispo até 19 de março de 2021, quando completa 75 anos e, segundo a lei da Igreja Católica, é obrigado a enviar sua carta de demissão ao Papa.

“Ele está atualmente envolvido com outros bispos do estado de Nova York em sua visita Ad Limina, discutindo com autoridades da Santa Sé e com o Papa Francisco as áreas de desafio e progresso de a Igreja Católica no estado de Nova York e o alcance dos vibrantes ministérios que atendem às necessidades dos nova-iorquinos, tanto católicos quanto não católicos “, disse a porta-voz da diocese, Kathy Spangler, ao The Buffalo News em um comunicado divulgado quarta-feira à tarde (13).

Em sua declaração, DiMarzio classificou o abuso sexual como “desprezível” e disse que fez muito para resolver o problema desde que iniciou seu mandato no Brooklyn.

“O abuso sexual é um crime desprezível e, desde que cheguei à diocese em 2003, trabalhei e continuarei trabalhando incansavelmente para eliminar o abuso sexual de nossa diocese no Brooklyn e no Queens. A Diocese de Brooklyn criou ambientes seguros por meio de treinamento em conscientização sobre abuso sexual para todas as crianças e adultos que trabalham com elas. Realizamos verificações contínuas de antecedentes em todos os que trabalham com crianças. Criamos um Ministério de Assistência às Vítimas que fornece aconselhamento e terapia independentes aos sobreviventes das vítimas e fornece inúmeros apoios para ajudá-los no processo de cura ”, disse DiMarzio.

“Nossa Missa de Esperança e Cura continua a ser celebrada anualmente, para que, como diocese, possamos orar juntos e ser solidários com as vítimas-sobreviventes e com todas as pessoas afetadas por abuso sexual em nossa igreja enquanto procuram curar. Os próximos dias podem se tornar desafiadores para nós como diocese, enquanto trabalho para me defender dessa acusação falsa. Durante esse período difícil, orarei por nossa diocese e pedirei que vocês se lembrem de mim em suas orações ”, finalizou o bispo.

 

Ajude-nos a mantermos um jornalismo LIVRE, sem amarras e sem dinheiro público. APOIAR »

Correspondente Internacional na Europa. Cristã, casada, mãe e bacharel em Relações Internacionais. Lutando pelos verdadeiros direitos humanos e pela Igreja Perseguida.

Parceiros

Publicidade

alan correa criação de sites