Redes Sociais

Estados Unidos

Agenda LGBT avança no Congresso americano com PL que pode ameaçar o esporte feminino e o exercício da fé cristã

Thaís Garcia

Publicado

em

mathiaswasik | CC BY-SA 2.0

A ‘Lei da Igualdade‘ deve avançar no Congresso dos EUA nesta semana; um Projeto de Lei polêmico projetado para revisar a legislação de direitos civis do país para a ‘inclusão’ de LGBT americanos. Muitos temem que o PL atropele os direitos das mulheres e das pessoas de exercer a sua fé em sua plenitude, principalmente a dos cristãos, informou a CBN News.

De acordo com a Lei da Igualdade, o desacordo é considerado discriminação. A lei quer a ‘inclusão’ do público LGBT com o ‘casamento’ gay, quer homens biológicos competindo em esportes femininos e médicos realizando procedimentos – como ‘redesignações de sexo’ – mesmo que vá contra sua consciência.

Trata-se de um projeto de lei que Joe Biden pretende assinar durante seus primeiros 100 dias de governo.

“A Lei de Igualdade oferece proteções de direitos civis federais, há muito tempo atrasadas, para americanos LGBTQ+, evitando a discriminação em nossos sistemas de habitação, educação, serviços públicos e empréstimos. Exorto o Congresso a aprovar rapidamente esta legislação histórica”, tuitou Biden em 19 de fevereiro.

No entanto, para determinados segmentos, o PL terá muito mais consequências.

“Podemos ver que isso imediatamente retiraria os americanos religiosos e as meninas e mulheres de nossos direitos iguais”, disse Denise Harle, conselheira sênior da Alliance Defending Freedom, à CBN News.

Ao redefinir a discriminação sexual, a medida proporcionaria o aborto sob demanda, provavelmente encerraria uma proibição de longa data do aborto financiado pelo contribuinte e removeria a proteção da consciência para médicos e enfermeiras.

Os homens biológicos seriam autorizados a competir nos esportes femininos, eliminando efetivamente o Título IX da Lei Federal de Alterações Educacionais de 1972, enquanto as meninas e mulheres seriam forçadas a compartilhar vestiários e banheiros em escolas e locais públicos com eles.

Harle disse que não precisaríamos adivinhar os resultados, mas apenas olhar para as cidades e estados que já aprovaram medidas semelhantes.

“No Alasca, a cidade de Anchorage tinha uma lei como esta e puniu um abrigo religioso para mulheres agredidas sem-teto e realmente os forçou a permitir que homens biológicos, que se identificavam como mulheres, dormissem e trocassem de roupa ao lado dessas mulheres, a maioria das quais foram vítimas de estupro e tráfico sexual e, realmente, [o abrigo] foi processado sob a lei, tentando fechar este abrigo cristão”, explica Harle.

Ela diz que a Lei de Igualdade permite a subjetividade, uma questão que o senador republicano James Lankford levantou no verão passado dos EUA, no plenário do Senado.

“Se eu for para uma entrevista de emprego e não for contratado, posso processar aquele empregador porque percebo que eles pensavam que eu era gay e, por isso, não me contrataram”, disse Lankford, durante discurso em julho passado.

“Não tenho de provar nada. É simplesmente baseado na minha percepção ou crença”, acrescentou.

Segundo o PL, princípios cristãos se tornarão ilegais. As igrejas poderão ser impedidas de exigir dos funcionários que cumpram seus princípios e crenças bíblicas sobre o casamento e as diferenças entre homens e mulheres.

A Alliance Defending Freedom está litigando um caso na Virgínia, um estado que recentemente aprovou uma lei como a ‘Lei da Igualdade’.

“As igrejas estão proibidas de ter um código de vestimenta, de ter um código de conduta para seus funcionários. Até mesmo perguntar em entrevistas se os funcionários em potencial compartilham das crenças religiosas básicas”, disse Harle.

Harle e outros que se opõem à legislação dizem que a tolerância deve ser uma via de mão dupla.

“A ‘Lei de Igualdade’ trata as pessoas de fé como cidadãos de segunda classe. Ele especifica um certo ponto de vista e o rotula de intolerância”, disse ela.

A presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, quer uma votação nesta semana, em que a medida deve ser aprovada por maioria.

Haverá 60 votos no Senado divididos igualmente. Pelo menos um democrata, o senador Joe Manchin se opõe ao PL, mas não está claro quantos republicanos irão apoiá-lo.