Redes Sociais

Estados Unidos

“A China está doutrinando crianças dos EUA no comunismo”, alerta a senadora Marsha Blackburn

Thaís Garcia

Publicado

em

"Marsha Blackburn" by Gage Skidmore is licensed under CC BY-SA 2.0

As crianças americanas estão sendo doutrinadas a aprovar o comunismo por meio de um instituto educacional chinês que opera em algumas escolas americanas, de acordo com o alerta de uma importante senadora dos EUA nesta semana.

“O que vemos do Partido Comunista Chinês é que eles encontraram uma brecha”, disse a senadora Marsha Blackburn, republicana do Tennessee. “Eles viram isso como parte de seu poder brando e uma forma de promover sua propaganda”.

Conhecido como salas de aula Confucius, o programa oferece aulas apoiadas pelo Instituto Confucius de Pequim, e é usado em várias escolas de ensino fundamental e médio dos EUA. As aulas incluem o idioma Mandarim e a cultura chinesa, mas os críticos dizem que no programa censuram a verdade, informou a Fox News.

O programa exclui, por exemplo, o protesto mortal de 1989 na Praça Tiananmen, durante o qual o governo comunista chinês matou manifestantes que lutavam pela democracia na China, e também ensina que Taiwan, uma nação independente, “faz parte” da China.

Inicialmente usados ​​em campi universitários, alguns institutos foram fechados e agentes chineses expulsos após serem acusados ​​de espalhar propaganda chinesa. O Governo Trump considerou os institutos problemáticos e impôs sanções contra a influência comunista e a espionagem que ocorria através desses institutos no ano passado.

A senadora Blackburn está intensificando os esforços para acabar com esses Institutos Confúcio e suas salas de aula de propaganda comunista nos Estados Unidos.

“O que aconteceu é que o Partido Comunista Chinês usa esses institutos para fazer propaganda. Eles dizem e afirmam que tudo isso é para a educação cultural e aprendizado do idioma”, disse Blackburn, que recebeu sanções do governo comunista chinês no mês passado como resultado de seus esforços. “Mas o que eles admitiram é que isso faz parte de seu poder brando e de sua propaganda”.

“Eles querem ter certeza de que estão fazendo com que as crianças de hoje sejam mais amigáveis ​​às ideias marxistas socialistas que defendem no Partido Comunista Chinês, e que essas crianças cresçam sendo mais simpáticas ​​e aceitando a propaganda do Partido Comunista Chinês ou a cultura dos chineses”, continuou Blackburn.

De acordo com o Departamento de Estado dos EUA, cerca de 500 salas de aula do Confucius estão funcionando atualmente nos Estados Unidos.

Rachelle Peterson, pesquisadora sênior da National Association of Scholars (Associação Nacional de Acadêmicos), disse: “É profundamente alarmante ver a propaganda sendo ensinada aos alunos americanos, mas é ainda mais alarmante ver como os alunos dependem das instituições de suas escolas, professores, diretores, administradores, e como essas instituições e esses líderes estão sendo formados e moldados para aceitar as incursões do governo chinês e até mesmo para promovê-las em nome do globalismo e da comunicação intercultural”.

Blackburn disse que o objetivo é aprovar uma legislação que proíba os institutos de administrar programas em escolas primárias e secundárias americanas, além de campi universitários.

“É importante separarmos o povo chinês das ações do Partido Comunista Chinês, e como sabemos que eles avançaram na tentativa de expandir esses institutos e sabemos que estão muito frustrados conosco, que agora estamos exigindo transparência”, disse Blackburn.