Redes Sociais

Mundo

Espanha nega asilo para irmão de Óscar Pérez, assassinado pelo regime socialista de Maduro

Thaís Garcia

Publicado

em

O governo espanhol negou esta semana o pedido de asilo político do venezuelano Luis Armando Pérez, irmão de Óscar Pérez, piloto e capitão do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminais, assassinado pelo regime socialista de Nicolás Maduro.

O governo espanhol, liderado por Pedro Sánchez do partido socialista PSOE, alegou que “não concede asilo político por falta de provas que indiquem que se trata de uma pessoa perseguida politicamente”.

Parte do texto do documento do Ministério do Interior espanhol foi publicado nas redes sociais.

O texto afirma que “o regime venezuelano não persegue políticos ou membros da oposição” e que militares em partido ou contra o chavismo “não implica necessariamente que as autoridades venezuelanas mobilizem recursos públicos coercitivos com o objetivo de perseguir o requerente”.

Segundo o Ministério do Interior espanhol, não há como afirmar que existe uma situação de conflito armado internacional ou interno na Venezuela. O governo ressalta que na documentação apresentada pelo requerente não há nada que indique qualquer possibilidade de “ele sofrer pena de morte ou de execução material, nem há risco de tortura ou tratamento desumano ou degradante identificado em o caso de retorno ao país de origem”.

“Portanto, no presente caso, nenhuma das causas que poderiam justificar a concessão de proteção subsidiária nos termos do disposto no artigo 10 da Lei 12/2009 de 30 de outubro, coincidem, pelo que a concessão da proteção subsidiária é negada”, diz o ofício.

Luis Armando Pérez

Luis Armando Pérez é um venezuelano de 42 anos, ex-funcionário do Banco da Venezuela. Ele não tem mais irmãos vivos. Ambos foram mortos.

Ele é irmão do piloto Óscar Pérez, assassinado no massacre “El Junquito” – distrito da Grande Caracas – nas mãos de autoridades chavistas, e pediu asilo político na Espanha depois de escapar do assédio que sua família sofreu desde os acontecimentos, segundo informações da imprensa.

Seu outro irmão, Alexandre, também foi morto.

O irmão de Óscar Pérez disse que sua família foi perseguida por Maduro, por isso sua mãe fugiu para os Estados Unidos.

No seu caso, ele decidiu ir para a Espanha, de onde pediu à comunidade internacional para agir e deter os criminosos.

Luis Armando foi assessorado pelo deputado venezuelano em exílio, Franco Casella, e pelo ex-parlamentar Wilmer Azuaje. Ambos entregaram em dezembro de 2019 ao Tribunal Penal Internacional (TPI), em Haia, mais de 400 fotos das execuções de Óscar Pérez e seus colegas.

Em janeiro de 2018, ele foi emboscado em uma área montanhosa de El Junquito por 500 militares, policiais e paramilitares.

Apesar de se renderem, eles o massacraram junto a seus companheiros de luta contra o regime socialista de Maduro, que levou a Venezuela à terrível crise e fuga de milhares de venezuelanos para os países vizinhos.

alan correa criação de sites